29 C
Papeete
sexta-feira, 14 junho, 2024
29 C
Papeete
sexta-feira, 14 junho, 2024

José Francisco e Tainá Hinckel campeões catarinenses 2022

O Floripa Pro 2022 foi encerrado com um show de José Francisco e Tainá Hinckel, que coroaram a conquista dos títulos catarinenses de surfe profissional, fazendo os recordes do campeonato nas finais contra Leo Casal e Potira Castaman na Praia do Matadeiro. Fininho, como José é conhecido, usou os aéreos para somar 9,00 com 8,17 no placar de 17,17 a 14,57 pontos. E Tainá ganhou notas 8,60 e 7,50 em suas melhores ondas, para festejar a quarta vitória nas cinco etapas do Circuito Profissional da Federação Catarinense de Surf (FECASURF) esse ano.

A surfista da Guarda do Embaú já tinha confirmado o bicampeonato estadual na penúltima etapa, em Imbituba. Tainá conquistou os dois únicos títulos da história da categoria feminina no Circuito Catarinense Profissional, os de 2021 e 2022. Já José Francisco teve um confronto direto pelo título com Matheus Navarro, que liderava o ranking, na segunda bateria que os dois disputaram na terça-feira de muita chuva em Florianópolis.

+ As 22 melhores ondas do Tour de 2022

+ Mercado de ondas artificiais ganha força em São Paulo

+ Vivo e WLS firmam parceria

Fininho acertou os aéreos para conseguir sua segunda vitória seguida na Praia do Matadeiro e Matheus acabou sendo eliminado por Leo Casal, que ficou com a última vaga para as semifinais. Com isso, José Francisco já garantia o título de campeão catarinense de 2022, porque o próprio Matheus Navarro havia barrado os outros dois concorrentes, Lucas Silveira e Hedieferson Junior, em sua primeira bateria na terça-feira.

“Essa bateria foi muito boa, com o Matheus Navarro que tava liderando o ranking, o Luan Wood que é local aqui do Matadeiro e o Leo Casal. Era uma bateria bem forte, então eu sabia que tinha que dar o meu máximo. Graças a Deus, eu consegui pegar duas ondas boas, uma delas mandei um aéreo quase full rotation que foi nota 8,00, que acabou me garantindo o título catarinense né”, disse José Francisco, que nasceu na Paraíba, mas desde 2015 mora em Florianópolis e até representa o estado de Santa Catarina no Circuito Brasileiro.

José Francisco “Fininho”. Foto: Marcio David / Fecasurf

Estou muito feliz por esse título e agradeço muito a Deus por tudo que ele fez e continua fazendo por mim. É um título muito importante para o meu currículo e isso foi o resultado de todo meu esforço, da minha batalha. Santa Catarina tem um nível altíssimo de surfe, então ser campeão aqui não é fácil. Vim morar aqui no final de 2015 e estou até hoje, sempre evoluindo meu surfe e agradeço a todos que sempre torceram por mim e me apoiaram todos esses anos, os locais que me acolheram aqui na ilha e estou muito feliz”, continuou Fininho.

Depois, José Francisco seguiu usando seus aéreos de frontside nas esquerdas da Praia do Matadeiro, para conquistar no Floripa Pro, a sua primeira vitória nas cinco etapas do Circuito FECASURF Pro 2022. A campanha do título de campeão catarinense, começou com um terceiro lugar na Praia do Santinho, onde parou nas semifinais. Na Praia Brava de Itajaí, terminou em 17.o lugar. Na Prainha de São Francisco do Sul, ficou em nono lugar e em 33.o em Imbituba, descartando esse pior resultado, dos quatro que são computados no ranking final da temporada.

Tainá Hinckel. Foto: Marcio David / Fecasurf

Na semifinal contra Uriel Sposaro, seu melhor aéreo valeu 7,50, que decidiu a vitória sobre Uriel Sposaro por 13,50 a 11,67 pontos. Leo Casal já havia passado por Lucas Vicente e os dois voltaram a se encontrar na decisão do título do Floripa Pro 2022. Fininho já começou voando e largou na frente com nota 7,17, contra 6,00 do Leo. Logo, achou boas rampas de novo para mandar suas manobras, girando bem alto no ar e aterrissando com perfeição, para ganhar notas 8,17 e 9,00 em duas ondas seguidas. Foram as maiores do campeonato e registraram um recorde de 17,17 pontos, contra 14,57 de Leo Casal, que tirou 8,00 em sua melhor onda.

MOTO YAMAHA – A vitória no Floripa Pro 2022 valeu um prêmio de R$ 5.250 e coroou a conquista do título catarinense de José Francisco, que ganhou uma Yamaha zerinho da Moto Store, oferecida pela FECASURF aos campeões profissionais deste ano. Para ele, uma potente XTZ Crosser 150 e para Tainá Hinckel uma Fluo 125 Scooter. “Eu já tenho uma moto, mas agora mudou de patamar e estou muito feliz por este prêmio especial da FECASURF”, festejou Fininho, que entrou na Galeria dos Campeões Catarinenses inaugurada em 1980.

Leo Casal. Foto: Marcio David / Fecasurf

Tainá já tinha até tirado foto na sua Yamaha em Imbituba, quando confirmou o bicampeonato estadual ao passar para a grande final da penúltima etapa. Depois, mais relaxada pelo título antecipado, acabou perdendo sua invencibilidade para Laura Raupp nas grandes ondas da Praia da Vila. Mas, agora colecionou outro troféu de primeiro lugar no Floripa Pro 2022, para sacramentar seu segundo título catarinense com 100% de aproveitamento, registrando quatro vitórias nos quatro resultados computados no ranking final da temporada.

MARATONA DA BICAMPEà– Para chegar na Praia do Matadeiro, Tainá teve que fazer uma verdadeira maratona na terça-feira. Ela mora na Guarda do Embaú e a BR 101 acabou sendo fechada por causa das chuvas torrenciais que estão caindo desde a noite do domingo em Santa Catarina. Inclusive, três surfistas que também moram em cidades do sul do estado, ficaram paradas na estrada e não conseguiram chegar em Florianópolis.

Mas, Tainá e seu pai, o também surfista e shaper, Carlos Kxot, mudaram o trajeto, foram até a Praia do Sonho, na cidade de Palhoça, pegaram um barco até o sul da ilha e de lá se dirigiram para a Praia do Matadeiro, a tempo de competir. Com a ausência de Pamella Mel e Natalie Plachi, que moram em Garopaba, e de Yasmin Dias, da cidade de Passos de Torres, a categoria feminina do Floripa Pro 2022 foi iniciada pelas semifinais.

A jovem baiana Potira Castaman, que mora em Florianópolis há alguns anos e representa Santa Catarina nas competições, ganhou a primeira da experiente Juliana Quint. Depois, Tainá derrotou Kiany Hyakutake para chegar em sua quinta final nas cinco etapas do Circuito Catarinense Profissional deste ano. Depois, não deu qualquer chance para Potira na decisão do título.

Tainá Hinckel achou boas ondas para usar seu repertório de manobras, combinando batidas e rasgadas executadas com muita pressão e velocidade. Ela somou 8,60 e 7,50 na vitória por 16,10 a apenas 9,16 pontos das duas ondas computadas por Potira Castaman. A nota 8,60 foi a maior do ano na categoria feminina, com Tainá superando seu próprio recorde, o 8,50 recebido na Praia Brava de Itajaí.

Quero agradecer a todos vocês, atletas, pelo esforço que fizeram para competir nestes dois dias de muita chuva aqui no sul da ilha”, disse o presidente da FECASURF, Renato Melo. “Trabalhamos forte esse ano para resgatar nosso circuito profissional, fazendo cinco etapas do sul ao norte do estado, finalizando agora com um show de surfe que vocês nos proporcionaram aqui nas ondas do Matadeiro. Parabéns pelos títulos catarinenses Fininho e Tainá e vocês receberão suas motos Yamaha numa cerimônia especial que iremos promover junto com a Moto Store. Agradeço também a todos os outros patrocinadores que fizeram esse circuito acontecer, aos prefeitos de Florianópolis, Itajaí, São Francisco do Sul e Imbituba, por onde passamos e nosso desejo é realizar mais uma grande temporada para vocês em 2023”.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias