Italo Ferreira vence Gabriel Medina na grande final do Pipe Masters, vence a etapa e conquista o título mundial de surf da WSL de 2019

Por Fernando Guimarães

ITALO FERREIRA É O CAMPEÃO MUNDIAL DE SURF DE 2019. Ele conquistou o título ao vencer Gabriel Medina na final do Billabong Pipe Masters, sagrando-se também campeão da edição de 2019 do mais prestigiado evento do surf mundial.

Nesta quinta (19), último dia de campeonato, ele passou por Peterson Crisanto, Yago Dora e Kelly Slater antes de enfrentar o então detentor dos títulos mundial e da etapa, Medina.

Italo dominou a bateria do início ao fim. Quando nenhum dos dois tinha prioridade, ganhou a disputa pela primeira onda, uma direta grande e pesada cuja primeira sessão contornou com uma longa cavada antes de se instalar debaixo de uma grossa placa de água salgada. Os juízes deram uma nota quase excelente, 7,83, e estabeleceu-se assim a liderança que Italo jamais perderia em toda a final.

Foi ele quem pegou a segunda boa da final, uma esquerda relativamente curta finalizada com um aéreo bem no inside, que os juízes não compraram. De qualquer forma, a nota acima dos seis pontos o deixou em posição muito confortável.

Gabriel Medina utilizou sua prioridade em uma esquerda grande e perfeita, mas sem conseguir ficar tão fundo quando em suas melhores notas do dia. Ganhou um 7,77, pouco abaixo da melhor de Italo, e voltou para a briga.

Daí para frente, o surfista de Maresias errou algumas vezes na escolha de onda, uma falha extremamente incomum em suas disputas em Pipeline — ao contrário, foi a arma usada para derrotar John John Florence nas quartas de final.

Na decisao, entretanto, a história foi diferente e Medina nunca conseguiu chegar próximo à nota necessária. Italo, por sua vez, tratou de melhor sua soma, com uma esquerda média que ele percorreu de muito fundo, até passar por dentro de uma sessão toda branca já no inside.

Era o final da bateria e daí para frente Gabriel pareceu apostar no tudo ou nada, entrando em praticamente qualquer onda que aparecia. Nenhuma delas foi uma onda de qualidade, uma ajuda de Netuno a Italo que já havia sido oferecida a diversos surfistas ao longo do dia, inclusive ao próprio Medina.

O relógio zerou e houve uma erupção na areia, entre amigos e familiares de Italo e um bom volume de torcedores estrangeiros também.

“É o meu sonho”.

Foi uma das poucas coisas que Italo Ferreira, desmanchando-se em lágrimas de emoção, conseguiu declarar ao sair do mar, carregado por seus amigos e por sua companheira, a atriz e cantora Mari Azevedo.

Italo ainda dedicou o troféu a seu tio e sua avó, que faleceram nas semanas que antecederam a última etapa do Championship Tour 2019.

Kelly Slater campeão da Tríplice Coroa Havaiana depois de 21 anos

O surfista mais vitorioso da história não conquistou seu grande objetivo do dia. Kelly Slater precisava vencer o Pipe Masters para superar o havaiano John John Florence e ficar com a segunda vaga dos Estados Unidos para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Ele foi barrado na semifinal por Italo Ferreira, mas não saiu de mãos vazias da etapa. Com o terceiro lugar, ele chegou ao título da Tríplice Coroa Havaiana de 2019.

É apenas a terceira vez que ele conquista o cobiçado troféu — a última havia sido mais de duas décadas atrás, em 1998.

As vagas olímpicas

Decretou-se assim, com o final da temporada, os 10 surfistas classificados via Championship Tour para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

São eles: Italo Ferreira e Gabriel Medina pelo Brasil; Julian Wilson e Owen Wright pela Austrália; Kolohe Andino e John John Florence pelos Estados Unidos; Jeremy Flores e Michel Bourez pela França; Jordy Smith pela África do Sul e Kanoa Igarashi pelo Japão.

Eliminações e ingressos na elite

O último dia de Pipe Masters também encerrou a lista do CT 2020. Jesse Mendes precisa chegar até a semi final, e com a eliminação nas quartas deu adeus à elite, assim como Soli Bailey e Ricardo Christie, que ainda tinham chances remotas.

Peterson Crisanto comemorou sua permanência e Yago Dora, que já estava garantido no QS, também fecha o ano entre os 22 melhores do CT após um brilhante 5º lugar pela segunda vez seguida, e na segunda vez na vida que disputa a etapa.

A dupla qualificação de Yago significa que o australiano Morgan Cibilic, 11º colocado no ranking final do QS, também fará para da elite mundial em 2020.

Vitória em estreia 100% brasileira para Italo

Italo Ferreira estreou com vitória na primeira bateria do dia no Billabong Pipe Masters, nesta quinta (19). Ele passou pelo brasileiro Peterson Crisanto em um duelo de poucas ondas surfadas para cada lado.

Peterson chegou a entrar em uma onda boa em Pipe, mas acabou engolido pela foamball. Italo avançou com dois bons tubos para a esquerda, fazendo sua melhor soma neste Pipe Masters até agora, 11,84.

Interferência parte 2

Gabriel Medina cometeu sua segunda interferência seguida em uma bateria contra Caio Ibelli nesta quinta, em Banzai Pipeline, no último dia do Billabong Pipe Masters, e assim, num golpe de gênio, garantiu a vitória ao mesmo tempo que “vingou” o polêmico lance que o eliminou no MEO Rip Curl Pro Portugal, em Peniche.

A bateria foi de quase nenhuma onda de qualidade. Gabriel completou alguns tubos pequenos e somou 4,23 e 2,13. Caio não havia completado nenhum e tinha menos de um ponto. Ambos haviam ficado dentro de algumas ondas.

Nos segundos finais da bateria, Caio, com a prioridade, remou em uma onda para a esquerda. Gabriel remou também, ficou em pé, bloqueou seu rival e cometeu a interferência. Medina teve sua menor nota inteira zerada, somou apenas o 4,23 e assim venceu a bateria.

Seu padrasto, Charles, havia gritado para ele da areia, “pode rabear, pode rabear”. A câmera mostrou Gabriel fazendo um sinal de positivo do outside.

Medina e Italo mandam Florence e Slater embora de kombi

A bateria mais aguardada das quartas de final era entre Medina e John John Florence, havaiano bicampeão mundial e local de Pipeline, onde cresceu surfando e é considerado um dos melhores do mundo. Medina não deu chances ao rival, com melhor escolha de ondas desde o início do duelo. O destaque do duelo foi quando, com a prioridade, deixou Florence ir em uma onda com aparente potencial. O havaiano entubou e fez uma boa nota. Então veio Medina na de trás, maior e melhor, e arrancou a melhor nota da bateria. Florence ficou em combinação depois dessa troca de notas e nunca ameaçou a vitória de Medina.

Antes disso, Italo havia vencido um bom duelo de tubos com Yago Dora, qualificando para uma semifinal contra Kelly Slater.

O maior vencedor da história do Pipe Masters foi absolutamente dominado por Italo, que o deixou em combinação e à mercê de um oceano que jamais colaborou com uma onda de qualidade.

Na outra semifinal, Medina passou com certa tranquilidade por Griffin Colapinto e garantiu a segunda final brasileira da história do Pipe Masters e mais um momento histórico para a história do surf, que culminou com o primeiro título mundial da carreira de Italo Ferreira.

Billabong Pipe Masters 2019 – final

Final: Italo Ferreira 15,66 x 12,94 Gabriel Medina

Sf1. Italo Ferreira 14,77 x 2,57 Kelly Slaer
Sf2. Gabriel Medina 13,00 x 7,10 Griffin Colapinto

Quartas de final:
1. Italo Ferreira 15,66 x 13,50 Yago Dora
2. Kelly Slater 12,94 x 9,26 Jack Freestone
3. Gabriel Medina 17,63 x 12,33 John John Florence
4. Griffin Colapinto 9,84 x 8,77 Michel Bourez

Oitavas de final:
1. Italo Ferreira 11,84 x 4,23 Peterson Crisanto
2. Yago Dora 7,50 x 6,27 Julian Wilson
3. Jack Freestone 5,00 x 4,23 Ricardo Christie
4. Kelly Slater 7,33 x 6,20 Seth Moniz
5. Gabriel Medina 4,23 x 1,13 Caio Ibelli
6. John John Florence 5,66 x 3,90 Soli Bailey
7. Griffin Colapinto 10,67 x 8,50 Jesse Mendes
8. Michel Bourez 13,43 x 9,50 Kolohe Andino