26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024
26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024

Gatien Delahaye e Yolanda Hopkins vencem o Rip Curl Pro Anglet 2022

Gatien Delahaye (FRA) e Yolanda Hopkins (PRT) venceram o Rip Curl Pro Anglet hoje, conquistando a vitória nas finais contra Ramzi Boukhiam ( MAR) e Ariane Ochoa (EUK) realizada em surf de dois a três pés em Chambre d’Amour.

+ Matheus Navarro bate todos os recordes do Circuito Banco do Brasil de Surfe em Ubatuba

+ Pan-American Soul 2022: Zona de guerra

+ Kilian Jornet quebra recorde do curso UTMB, canadense Mathieu Blanchard fica em segundo

Parada nº 4 de 10 na European Qualifying Series (QS), o QS3.000 Rip Curl Pro Anglet foi abençoado com boas condições durante toda a semana e testemunhou performances impressionantes dos melhores surfistas da Europa, culminando com a coroação dos vencedores do evento de 2022 hoje.

O último dia de competição foi retomado no início desta manhã em condições menores, mas com direitos rasgados no extremo sul do famoso e colorido quebra-mar Chambre d’Amour, executando as semifinais e finais dos eventos masculino e feminino.

A final masculina foi a segunda vez que Gatien Delahaye (FRA) e Ramzi Boukhiam (MAR) se enfrentaram em uma final de QS nesta temporada após sua batalha em Israel no início deste ano. Desta vez, porém, foi o francês quem saiu por cima com um esforço dominante no pequeno swell basco.

“Pensei muito em dar uma volta por cima dele”, afirmou Delahaye. “Estou muito feliz por ter tido a oportunidade e por ter vencido aquela bateria. É um pouco surreal no momento, estou na lua com todo o trabalho que fiz e finalmente está começando a valer a pena.”

Delahaye foi direto para o seu forte com um ar na primeira onda da final, já que Boukhiam foi mais convencional com um ataque de backhand nas pequenas direitas de Anglet. Os dois trocaram passeios e a liderança mudou de mãos várias vezes durante a final, mas acabou sendo outra rotação aérea de Delahaye que selou o acordo para o surfista de Guadalupe.

Um competidor no QS europeu há quase uma década, Delahaye está fazendo sua melhor temporada até agora este ano, com vários resultados enormes que incluem dois vice-campeonatos, dois terços iguais e a vitória de hoje no QS, bem como um massiva vice-campeã no CS em Ballito, África do Sul, há apenas algumas semanas. O jovem de 25 anos surgiu como um dos surfistas mais promissores da França no momento, com uma chance real de fazer o Championship Tour em 2023.

“O meu foco muda para Portugal e para o próximo evento da Challenger Series na Ericeira,” continuou Delahaye. “Vou para lá em breve e tentar me preparar o melhor que puder para me sair bem.”

O marroquino Ramzi Boukhiam tem uma temporada igualmente impressionante, com grandes resultados no QS regional, bem como na Challenger Series, onde atualmente ocupa a 6ª posição, bem dentro da zona de qualificação do CT, com três eventos restantes.

“Eu realmente não gosto de terminar em segundo em uma final, mas para ser honesto, foi muito complicado lá fora”, admitiu Boukhiam. “Não tenho essa facilidade no ar e por isso tentei mostrar o que podia fazer na cara da onda e deu muito pouco. Ainda estou super feliz com meu desempenho esta semana, estou feliz por Gatien também, ele melhorou muito nos últimos dois anos e definitivamente merece vencer. Anglet é minha segunda casa, então adoraria ganhar aqui novamente, mas voltarei para tentar novamente!”

Delahaye e Boukhiam já haviam eliminado Joan Duru (FRA) e Timothee Bisso (FRA), respectivamente, em seus confrontos na semifinal.

Na final feminina, Ariane Ochoa (EUK) assumiu a forma da surfista e recente vencedora Yolanda Hopkins (PRT) em uma oposição de estilo e postura. A surfista basca de Bilbau tem sido relativamente mal sucedida esta temporada, enquanto a sua adversária de Portugal é uma das surfistas mais consistentes da região este ano.

Na final, Hopkins continuou aplicando sua estratégia de se manter ocupada e surfar o máximo de ondas que puder, na esperança de se encontrar em uma joia em um alinhamento complicado. O plano funcionou muito bem, pois a surfista portuguesa encontrou a melhor pontuação de toda a bateria em sua segunda onda para assumir a liderança inicial e pressionar Ochoa.

Em um swell decrescente, a surfista basca lutou para encontrar a verticalidade em seu backhand como fez nas rodadas anteriores e não conseguiu postar nenhuma pontuação de consequência, eventualmente entregando a vitória a Hopkins de bandeja de prata.

“Finalmente quebrei minha maldição da perna francesa”, disse Hopkins. “Eu nunca consegui ir bem em Lacanau e Anglet antes, então é incrível ficar em 5º em Lacanau e vencer hoje. Eu sempre adoro vir aqui de qualquer maneira e isso apenas adicionará melhores lembranças para acompanhar.”

A forma de Hopkins em 2022 foi extremamente impressionante no QS europeu, pois ela obteve excelentes resultados em todos os eventos em que participou. Ela venceu o Animal Pro na Inglaterra há apenas duas semanas pela segunda vez e agora se atualizou para ganhar seu primeiro QS3.000 em Anglet. Com a confiança adicional conquistada aqui, o poderoso pé regular pode ser um perigo real quando o CS for para seu país de origem em outubro.

“Vou tentar continuar com o mesmo estado de espírito”, acrescentou Hopkins. “Houve alguns obstáculos na estrada no início do ano, mas sinto que estou de volta ao meu melhor e super empolgado com o resto do ano.”

Duas vezes vencedora do QS, Ariane Ochoa (EUK) foi um pouco inconsistente em suas aparições anteriores, mas ela parecia ter encontrado um bom ritmo e receita para o sucesso em Anglet na semana passada.

“Estou super feliz por ter chegado à final hoje”, disse Ochoa. “Foi um ano difícil e este é definitivamente um grande positivo. Neste evento eu competi do jeito que amo competir, me senti confiante novamente e é um bom sinal para o que está por vir, estou gostando muito deste momento.”

Hopkins e Ochoa já haviam eliminado Tessa Thyssen (FRA) e Anat Lelior (ISR), respectivamente, em seus confrontos na semifinal.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias