28 C
Papeete
domingo, 26 maio, 2024
28 C
Papeete
domingo, 26 maio, 2024

Estamos perdendo a guerra para o lixo plástico?

Nós, surfistas, sabemos muito bem que a poluição plástica nos oceanos é um dos problemas ambientais mais urgentes e preocupantes que enfrentamos atualmente.

A cada ano, toneladas de plástico são produzidas globalmente, e grande parte acaba em rios e oceanos através de sistemas de esgoto inadequados e lixo descartado incorretamente. Uma vez no mar, o plástico se decompõe em pequenos fragmentos conhecidos como microplásticos, que são extremamente prejudiciais para a vida marinha.

De acordo com reportagem do portal g1, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) revelou que estuário de Santos, no litoral de São Paulo, é um dos locais mais contaminados por microplásticos no mundo. O levantamento foi feito a partir da análise de ostras e mexilhões de três áreas: na região da travessia de balsas Santos-Guarujá, na Praia do Góes e na Ilha das Palmas.

+ Um dos melhores surfistas brasileiros (ainda desconhecido)

Segundo relata o pesquisador do Instituto do Mar, Italo Braga de Castro, à reportagem do g1, “Os resultados de um dos pontos de coleta apresentam uma das concentrações mais altas já encontradas“.

O principal e preocupante ponto, segundo Castro, é que a remoção dos plásticos dos oceanos está longe da realidade tecnológica. “Não temos ferramentas capazes de fazer isso em áreas amplas e vastas“.

Por outro lado, ele ressalta que pesquisas como essas permitem aos gestores ambientais adotarem políticas que visem a redução do uso do plástico. “Isso provavelmente não vai ter reflexo imediato dos microplásticos no estuário, mas vai evitar a médio prazo que esses valores aumentem”.

Essa situação, contudo, está longe de ser um problema exclusivo do litoral paulista. Na verdade, praias em todo mundo sofrem com a poluição causada pelo lixo plástico.

Recentemente, Kelly Slater foi obrigado abandonar uma sessão de surf em Bali devido ao excesso de lixo no mar.

Não dava para surfar. Era muito lixo, com pedaços de plástico que ficavam presos ao leash. Chegou um momento em que a maré jogou tanta coisa ao nosso redor que era impossível ficar ali. Pela primeira vez na vida precisei sair do mar por causa da poluição”, contou o 11 x campeão mundial.

A declaração de Slater foi postada no Instagram da ONG A New Earth Project, dedicada a projetos que combatem a poluição plástica nos oceanos, além de promover a conscientização sobre o problema:

Bali cobrará taxa ambiental a turistas

De fato, a paradisíaca ilha da indonésia, chamada de “Ilha dos Deuses”, está cada vez mais ameaçada pela poluição de suas praias. O turismo, que tem sido uma das molas propulsoras de Bali é, também, a causa de muitos problemas.

Comportamentos inadequados de turistas estrangeiros têm gerado preocupação e levado as autoridades a tomar medidas para combater o problema. Episódios como lixo deixado nas praias ou de desrespeito à cultura local, como o caso de uma turista que se despiu em um templo sagrado, são alguns exemplos do panorama atual.

No intuito de lidar com essa situação o governador de Bali, Wayan Koster, anunciou ainda que, a partir do próximo ano, os turistas internacionais serão obrigados a pagar uma taxa turística, estimada em cerca de 9 euros por pessoa.

Segundo anunciado, o valor arrecadado será usado para a limpeza de praias e mananciais e também em campanhas de conscientização aos turistas.

Segundo reportagem da revista Time, esta medida foi proposta pela primeira vez em 2019, mas com a interrupção abrupta do turismo por causa da pandemia de COVID-19, não foi implementada. Agora que o turismo já se recuperou – com um registo de 439,475 turistas aquando do mês de maio, quase quatro vezes mais do que o número registado quando Bali reabriu as fronteiras em 2022 – as preocupações pré-pandémicas sobre o turismo em massa regressaram, e a medida será posta em prática.

Embora este seja um passo na direção certa, apenas medidas locais não serão suficientes para conter a ameaça do lixo plástico nos oceanos. É necessário um esforço global para reduzir a produção de plástico, melhorar o gerenciamento de resíduos e promover a conscientização sobre a importância da preservação ambiental. O caso de Bali serve como um lembrete de que cada indivíduo e governo deve assumir a responsabilidade de proteger nossos ecossistemas marinhos antes que seja tarde demais.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias