Pesquisadores dos Estados Unidos usam satélites no espaço para monitorar população de baleias em experiência inédita no Oceano Pacífico

Por Redacão

“Counting Whales from Space”,  (“Contando Baleias do Espaço”, em nossa tradução livre) é o projeto de nome explicativo, inédito, do  New England Aquarium, junto do laboratório sem fins lucrativos chamados Draper, ambos localizados nas arremediações de Boston.

Veja também: NASA descobre planeta do tamanho da Terra coberto por Oceanos

O projeto inédito nos Estados Unidos, usam satélites no espaço para monitorar e estudar a população de baleias nos oceanos, dessa forma “contando” os mamíferos marinhos.

“Se baleias estão migrando de uma área para outra, qual o motivo para isso?” perguntou John Irvine, cientista-chefe de análise de dados da Draper, à Associated Press.

“É o aquecimento dos oceanos? É a mudança de rotas de navios comerciais? Essas são as questões que poderemos responder quando tivermos os dados.”

O sistema também utiliza dados de agências espaciais europeias, para com isso criar um mapa de probabilidade em relação a onde as baleias estão.

Com as informações, grupos de proteção ambiental terão dados suficientes para monitorar mais de perto as populações de baleias.

Os investimentos no projeto já passam de US$ 1 milhão e os resultados são positivos.

É na região de New England que vivem a espécie da baleia-franca-do-Atlântico-Norte, que corre alto perigo de extinção. Segundo Vikki Spruill, presidente do New England Aquarium, pouco mais de 400 baleias da espécie se movimentam pela região do Pacífico.

(*Foto de abertura: The Boston Globe via Getty Images)

Veja mais: Lycra de Kelly Slater flutua na Estação Espacial