Publicidade:

Entenda o novo formato de competição da WSL

Recentemente, a WSL anunciou os calendários oficiais de 2022 do Championship Tour (CT) e do Challenger Series (CS) totalmente integrados e o novo formato gerou muita polêmica.

Agora o circuito acontece a partir de uma nova estrutura com três níveis de competição. Além disso, é a primeira vez que todas as etapas do CT e do CS serão igualmente disputadas na categoria masculina e feminina.

Entenda os três níveis (CT, CS e QS):

Cortes na temporada

O novo formato traz o polêmico corte dos atletas no meio da temporada. O circuito começa com o mesmo número de 36 competidores no masculino e 18 no feminino. No entanto, após a quinta etapa, de Margaret River, na Austrália, já serão definidos os surfistas que se manterão na elite de 2023. Sendo, os 22 primeiros colocados no ranking masculino e as 10 melhores no feminino.

Depois, o formato para as cinco últimas etapas do ano contam com 24 competidores no masculino e 12 no feminino, com a inclusão de dois convidados em ambas as categorias.

Os surfistas que ficarem abaixo da linha de corte terão de buscar a sua classificação pro CT de 2023 por meio dos Challenger Series, que começam logo após a etapa de Margaret River.

Apenas os melhores 22 homens e as melhores 10 mulheres disputarão, ao longo das últimas etapas, as vagas no grupo dos Top 5, que decidirão o título mundial na final única em Trestles, na Califórnia.

Jack Robinson conecta do 1º ao 3º reef de Pipe (vídeo)

Challenger Series (CS)

A segunda divisão das três categorias competitivas para os melhores surfistas do mundo é o Challenger Series (CS). O circuito conta com 96 competidores no masculino e 64 no feminino, incluindo os tops da elite atual e os classificados pelos rankings regionais do QS (Qualifying Series). Os rankings do CS computam os cinco melhores resultados conquistados nas oito etapas, sendo que os dez melhores no ranking masculino e as cinco no feminino garantem vaga na elite de 2023.

O Challenger Series será disputado em seis países, começando em maio, em Snapper Rocks, na Austrália, passando pela África do Sul, Estados Unidos, Portugal, França, Nova Zelândia e terminando em Haleiwa, no Havaí.

Tom Carroll, aos 60 anos, quebrando de biquilha

Qualifying Series (QS)

A base da estrutura dos três níveis de competição será o WSL Qualifying Series (QS). Esse é o principal caminho para chegar no Challenger Series. Segundo a WSL, o intuito é permitir que os jovens surfistas se desenvolvam perto de casa, sem encarar as despesas de viagens internacionais para competir em outros continentes.

As sete regiões da WSL estão assim divididas: África, Ásia, Austrália/Oceania, Europa, Havaí, América do Norte e América do Sul. Os rankings do QS irão classificar um determinado número de surfistas masculinos e femininos de cada região para o CS, sendo uma oportunidade de ganhar um lugar entre os melhores do mundo.

Entrada de Caio Ibelli e as mudanças em Pipe com a saída de Medina

Protocolos Covid-19

Todas as etapas estão sujeitas a alterações devido as possíveis complicações da pandemia. Segundo a WSL, a saúde e segurança dos atletas é prioridade.

Texto com informações oficiais da WSL.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias