Publicidade:

Doença misteriosa aflige tubarões na Malásia

Biólogos marinhos investigam uma doença misteriosa de pele que aflige os tubarões-de-pontas-brancas de recife na Malásia, com alguns relatórios iniciais sugerindo que o aumento da temperatura do mar pode ser a causa desse problema de pele nesses animais.

Esses tubarões, nomeados pelas distintas pontas brancas em suas barbatanas, são normalmente encontrados em cardumes ao redor dos recifes durante o dia e são uma atração popular para mergulhadores. Eles se tornam ativos à noite para caçar pequenos peixes e outros animais.

Leia também: 
+ Tubarão bom é tubarão morto? James B responde
Possível ataque de tubarão em desaparecimento de bodyboarder na África do Sul
+ Relatório divulga mortes por tubarão no mundo em 2020

Fotos de um dos tubarões com o que pareciam ser manchas e lesões na cabeça se tornaram virais nas redes sociais em abril, depois de terem sido tiradas por um fotógrafo subaquático no estado de Sabah, na ilha de Bornéu.

Logo depois, mergulhadores na ilha de Sipadan, um famoso destino de mergulho nas proximidades, e uma equipe de especialistas da universidade estadual e grupos governamentais e conservacionistas, começaram a ver a doença de pele em todos os grupos de tubarões que encontraram.

Na tentativa de diagnosticar o que poderia estar causando a doença, a equipe descobriu que a temperatura da superfície do mar em Sipadan havia subido para 29,5 graus Celsius em maio, um grau mais alto do que em 1985.

“Quase certamente podemos apontar o aquecimento do oceano como tendo um papel no que estamos vendo com os tubarões doentes em Sipadan”, disse Davies Austin Spiji, biólogo marinho sênior do grupo conservacionista sem fins lucrativos Reef Guardian.  Lembrando que Sipadan é uma área marinha protegida onde a pesca é estritamente proibida e não há assentamentos ou indústrias nas proximidades.

Os avistamentos relatados coincidem com relatos de branqueamento de corais na área, de acordo com Mohamed Shariff Mohamed Din, professor de estudos veterinários aquáticos da Universiti Putra Malaysia.

“Não podemos ignorar que mudanças estão acontecendo lá devido às altas temperaturas”, disse Mohamed Shariff.

Um estudo científico completo ainda está para ser feito, no entanto.

Em maio, a equipe de pesquisa tentou, mas não conseguiu, capturar alguns dos tubarões para garantir amostras para teste, disse Mabel Manjaji-Matsumoto, palestrante sênior do Instituto de Pesquisa Marinha de Bornéu da Universiti Malaysia Sabah.

“Se conseguirmos obter espécimes de tubarão, certamente seremos capazes de descobrir a causa patogênica das lesões”, disse Manjaji-Matsumoto, acrescentando que a equipe planeja fazer outra tentativa em julho.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias