26 C
Papeete
sexta-feira, 24 maio, 2024
26 C
Papeete
sexta-feira, 24 maio, 2024

Decisão do CBSurf Xangri-lá Pro é adiada para domingo

O campeão e a campeã do CBSurf Xangri-lá Pro Surf serão conhecidos na manhã deste domingo em Xangri-lá, no litoral norte do Rio Grande do Sul. A decisão da penúltima etapa do Circuito Profissional da Confederação Brasileira de Surf foi adiada no sábado, que amanheceu com ondas muito pequenas e ventos fortes na Praia de Atlântida, em Xangri-lá. A primeira chamada para as quartas de final masculinas, que vão abrir o domingo decisivo, foi marcada para as 8h00 e o último dia será transmitido ao vivo no CBSurf.org.br e pelo canal FGSurf Oficial no YouTube, da Federação Gaúcha de Surf.

Leia mais:

+ Marcos Correa assume a vice-liderança do ranking brasileiro no CBSurf Xangri-lá Pro

+ ISA lança política para surfistas transgêneros

+ Ondas gigantes: relembre um dia épico em Nazaré

O adiamento da competição no sábado, foi decidido em reunião da comissão técnica do CBSurf Xangri-lá Pro Surf, com os próprios surfistas que iriam competir. Eles fizeram uma votação para chegar a um consenso comum. Com isso, o domingo será iniciado pelas quartas de final masculinas, depois acontecem as semifinais das duas categorias e as decisões do título da etapa gaúcha do Circuito Brasileiro Profissional de 2022.

“Eles decidiram fazer essa transferência do dia de hoje para amanhã e são só quatro baterias a mais, então a gente tem tempo disponível para fazer as quartas de final também no domingo”, confirmou Mauro Rabellé, diretor técnico da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf). “A decisão não foi nem pela condição do vento, que vai ficar muito parecido com a de hoje, mas porque a previsão é de que o mar está aumentando. Então, a possibilidade de ter uma escolha de ondas melhores, é mais acertiva para amanhã”.

Decisão adiada Xangri-lá
Reunião com os atletas – Foto: David Castro/Atlântida Pro

PALESTRAS DA CBSURF – Com o “day-off”, os surfistas puderam se concentrar somente na “Palestra de Capacitação em Arbitragem” promovida pela Confederação Brasileira de Surf na arena do evento na Praia de Atlântida, com apresentação do diretor técnico da entidade, Mauro Rabellé, e pelo “head judge” conceitual e ex-surfista profissional, Guga Arruda. Na sexta-feira, os atletas participaram de outra ação da CBSurf no fim do dia, a “Palestra de Capacitação Técnica” ministrada por Guga Arruda e Karina Abras.

As quartas de final do CBSurf Xangri-lá Pro Surf ganharam importância nesta reta final da temporada 2022. A última bateria pode apontar um novo líder no ranking brasileiro, pois se o paulista Marcos Correa passar para as semifinais, ele já tira a primeira posição do capixaba Krystian Kymerson. Mas, o seu adversário, o paraibano Samuel Igo, também pode assumir a ponta se chegar na grande final na Praia de Atlântida. Aí, ele deixaria Krystian Kymerson na segunda posição e Marcos Correa ficaria em terceiro lugar.

Os outros surfistas que estão nas quartas de final, também preferiram competir em melhores condições, porque vão ganhando posições no ranking a cada classificação. A primeira bateria já vale o quinto lugar, para quem vencer o duelo do recordista absoluto do CBSurf Xangri-lá Pro Surf nas ondas de Atlântida, o cearense Michael Rodrigues, com o jovem potiguar Israel Junior. Michael já subiu de 22.o para 12.o no ranking e o Israel do 19.o para o 10.o lugar.

Na segunda quarta de final, outro cearense ex-top da elite mundial do CT, Heitor Alves, alcança o 13.o lugar, se passar pela grande surpresa desta etapa, o paulista Matheus Gomes. Heitor chegou nesta penúltima etapa em 34.o e está em 15.o. Já o Matheus tenta entrar no grupo dos top-50 do ranking, que se classifica para disputar o milionário Dream Tour da CBSurf em 2023. Ele só tinha participado de uma etapa e estava na posição 243, mas já subiu para o 67.o lugar e entra nos top-50 se chegar na grande final em Xangri-lá.

Na terceira bateria, tem mais um ex-top da elite mundial, o pernambucano Paulo Moura, que ainda compete mesmo sendo o vice-presidente na nova diretoria da Confederação Brasileira de Surf eleita esse ano, com Teco Padaratz na presidência. Ele estava em 28.o no ranking, já subiu para o 13.o lugar e pode ir para a sétima posição, se passar pelo também experiente Glauciano Rodrigues. O cearense já saltou do 41.o para o 19.o lugar e vai para o 14.o se passar para as semifinais. E a última quarta de final é a que vale a liderança do ranking.

SÓ A VITÓRIA – Na categoria feminina, somente a vitória no CBSurf Xangri-lá Pro Surf pode mudar a liderança do ranking no Rio Grande do Sul. As únicas que têm chances de tirar o primeiro lugar da catarinense Tainá Hinckel, são a igualmente jovem carioca Julia Duarte e a experiente cearense Silvana Lima. Julia é a vice-líder no ranking e vai enfrentar a cearense Juliana dos Santos na primeira semifinal.

Silvana faz um duelo cearense de campeãs brasileiras com Larissa dos Santos, que precisa chegar na final em Xangri-lá, para ter chances matemáticas de também brigar pelo título de 2022. De qualquer forma, o campeão e a campeã brasileira da temporada, só serão conhecidos na sexta e última etapa do Circuito CBSurf Pro, que será disputada na semana de 12 a 17 de dezembro na Praia da Taiba, em São Gonçalo do Amarante, no litoral norte do Ceará.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias