26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024
26 C
Papeete
domingo, 19 maio, 2024

DaHui, marca havaiana, volta ao Brasil

A empresa havaiana de vestuário DaHui mudou seu controle de gestão no Brasil. A partir de agora, a marca retoma o controle da administração da sua operação no país. Antes, a direção era feita por alguns licenciados que não eram associados diretamente à marca.

Veja também:

Retrospectiva brasileira nas competições em 2021

Lucas Fink sobre surfar Nazaré de skimboard: “Coisa de maluco”

Turismo Sustentável: 7 maneiras de fazer com que sua viagem melhore o mundo

Para concretizar a mudança que passou por um ano de planejamento, a DaHui abriu um escritório em São Paulo e contratou um novo CEO. Além disso, o novo formato de gestão conta com intercâmbio de estilos praticados pela marca em outros países. “Estamos satisfeitos com a conclusão do plano e prontos para o kick-off operacional que vai acontecer ainda em 2021”, conta Ricardo Costa, o novo CEO da DaHui no Brasil.

A função principal do grupo brasileiro que representa a DaHui é gerir o conjunto de marcas que pertencem à matriz localizada no Havaí (EUA). “Apesar da nova configuração do modelo não descartamos usar o sublicenciamento para alguns produtos específicos”, afirma o novo CEO.

A gestão brasileira

A gestão brasileira adotou um cronograma de desenvolvimento das coleções em função das linhas de estilo e dos diversos selos que a marca possui. “Vamos iniciar com as linhas Básica dos selos DaHui Hawaiii e DaHui Pit Proven, além da coleção feminina Huihine que em breve será concluída”, revela o CEO.

A DaHui conta com quatro selos de beachwear (DaHui Hawaii, Huihine, Pit Proven e Wassup) e já planeja lançar no Brasil um set de selos streetwear. “O ideário de streetwear e a DaHui possuem sinergia pelos valores essenciais que carregam. Além disso, essa iniciativa pode trazer futuramente para o Brasil a gestão full da DaHui Global. Esse é nosso objetivo no longo prazo”, afirmou Costa.

Os desafios da DaHui

Durante o planejamento e a fase de transição do modelo de gestão da DaHui alguns desafios surgiram. Um deles foi justamente ajustar demandas específicas feitas por alguns ex-licenciados. “Todas as grandes marcas de surf passaram por uma fase de ajustes com ex-licenciados quando decidiram gerir suas operações pelas próprias mãos no Brasil. Não é raro o licenciamento confundir o direito de exploração com o direito de propriedade da marca. Mas, no final o bom-senso prevaleceu em todos os casos”, conta o CEO.

Outro ponto que exigiu uma estratégia especial foi o mapeamento do mercado. “Observamos e pesquisamos o comportamento dos nossos públicos. Os resultados serviram de base para tomadas de decisões importantes, dentre elas a formação criteriosa do network de varejistas que vamos atender de início”, conclui Costa.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias