27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024
27 C
Papeete
sábado, 22 junho, 2024

Challenger Series chega à etapa final com apenas um brasileiro na zona de classificação

Após a conclusão do Quiksilver e Roxy Pro France, que coroou o australiano Connor O’Leary e a costarriquenha Brisa Hennessy como campeões, resta somente a etapa de Haleiwa, Havaí, para definir quem serão os novos integrantes do CT via Challenger Series.

Os resultados da etapa francesa deixaram ainda mais embaralhando o ranking do circuito classificatório, com a maioria das 12 vagas masculinas e 6 femininas a serem definidas na etapa final, prevista para acontecer entre o final de novembro e início de dezembro.

No topo do ranking masculino está Kanoa Igarashi. No entanto, o japonês já garantiu sua vaga pelo Championship Tour.

A conclusão lógica seria, portanto, presumir que a vaga de Igarashi seria ocupada pelo primeiro surfista abaixo do corte da classificação, ou seja, o 13º do ranking final.

No entanto, não é isso que está determinado pela WSL. Segundo o regulamento criado pela entidade para o Challenger Series, quando um competidor está duplamente classificado (via CT e CS), essa vaga não passa para o surfista seguinte do ranking, mas, sim, fica em posse da WSL para esta atribuir a quem entender. Uma decisão, no mínimo, polêmica e que começa a ser muito questionada nos bastidores.

Veja também:

+ Medina e Jack Robinson na Paúba

+ LayBack Pro reúne estrelas do surf nacional na Praia Mole

Kanoa, já garantido no CT, conta com 1550 pontos liderando o ranking do CS. Na segunda colocação está o havaiano Zeke Lau, com 14250 pontos, seguindo pelo norte-americano Jake Marshall, em terceiro no ranking, com 12500 pontos. Pontuação que garante a entrada dos três no CT sem depender de um bom resultado no Havaí (estima-se que a pontuação de corte será de 10500 pontos).

Ironicamente, Zeke Lau já havia garantido uma entrada parcial no Championship Tour pois foi o vencedor do reality show Ultimate Surfer, que deu a ele três wildcards para o CT de 2022.

Um surfista que chegue às quartas-de-final em Haleiwa soma 5 mil pontos e quem perder nas oitavas-de-final acumulará 3500 pontos. Neste momento, Lau abre uma diferença de 3750 pontos sobre 10 surfistas abaixo dele no ranking. Como só oito surfistas vão chegar às quartas-de-final, o pior que poderia acontecer ao havaiano seria ser ultrapassado por esses oito surfistas, mas, ainda assim, ficando sempre dentro da pontuação de corte.

Do lado feminino o cenário é bem diferente. Embora o número de vagas sejam metade em relação ao circuito masculino, a verdade é que há mais nomes já praticamente certos na elite mundial em 2022.

Neste caso, o trio composto por Gabriela Bryan (HAV), Brisa Hennessy (CRI) e Caitlin Simmers (EUA) já garantiu matematicamente a pontuação necessária para se classificar para o CT de 2022.

Sobram, assim, apenas três vagas em disputa do lado feminino. India Robinson (AUS), Sawyer Lindblad (EUA) e Vahine Fierro (FRA) estão, portanto, largando na frente pelas vagas remanescentes, mas precisam manter a regularidade e ir bem em Haleiwa, do contrário, podem ficar de fora do CT em 2022.

Brasileiros no Challenger Series

Atualmente ocupando a sexta colocação no ranking da Challenger Series, Joao Chianca é o brasileiro com maiores chances de entrar para a elite do surf mundial no próximo ano.

Chianca, assim como seu irmão mais velho, Lucas, é conhecido por sua disposição para ondas pesadas e, dessa forma, decidir a vaga no Havaí conta a seu favor.

Samuel Pupo, em 15º, Lucas Silveira e Mateus Herdy, ambos empatados em 17º, estão próximos da zona de classificação e tem chances reais de alcançar a sonhada vaga para a elite mundial do surf, precisando de um bom resultado em Haleiwa.

Thiago Camarão, em 28º, e Alejo Muniz, em 29º, ficam mais distantes do CT, mas, por serem surfistas experientes e com habilidades comprovadas em ondas pesadas, como as havaianas, podem surpreender, ainda que também dependam de um mau resultado de seus adversários na etapa.

No caso das brasileiras, Silvana Lima, em 33º e Summer Macedo em 35º, estão muito longe da zona de classificação. Matematicamente elas têm chances, mas precisam chegar às finais de Haleiwa e ainda torcer para um tropeço das primeiras colocadas no ranking.

Ranking do Challenger Series pós França

Homens | Challenger Series Top 12:

1 – Kanoa Igarashi (JPN)
2 – Ezekiel Lau (HAV)
3 – Jake Marshall (EUA)
4 – Imaikalani Devault (HAV)
5 – Nat Young (USA)
6 – Connor O’Leary (AUS)
6 – Lucca Mesinas (PER)
6 – João Chianca (BRA) 
9 – Liam O’Brien (AUS)
9 – Griffin Colapinto (USA)
11 – Carlos Munoz (CRI)
12 – Callum Robson (AUS)

Mulheres | Challenger Series Top 6:

1 – Brisa Hennessy (CRI)
2 – Gabriela Bryan (HAV)
3 – Caitlin Simmers (USA)
4 – India Robinson (AUS)
5 – Sawyer Lindblad (USA)
6  – Vahine Fierro (FRA)

Ranking completo AQUI.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias