Publicidade:

Brasileiros fazem boa estreia na abertura do Billabong Pipe Masters

Para muitos, sobretudo para nós, surfistas, o “maior show da terra”, o Billabong Pipe Masters, a primeira etapa masculina do Championship Tour (CT), teve sua abertura nesta quarta-feira (09) em ondas chegando aos seis pés em boa formação.

Conforme anunciado pela WSL, a praia em frente à bancada de Pipeline, na costa norte de Oahu, palco do evento, mante-se vazia, com poucas pessoas.

+ Ataque de tubarão adia as finais do Maui Pro 2020

+ Leo Fioravanti vence duelo contra Mikey Wright e garante vaga no CT

+ WSL confirma morte de surfista atacado por tubarão em Maui

Essa foi uma medida adotada pelas autoridades havaianas, em cooperação com a WSL, para evitar aglomeração na área do evento.

Billabong Pipe Masters 2020

Na água, os campeões mundiais Ítalo Ferreira (BRA), John John Florence (HAV) e Kelly Slater (EUA) mostraram sua força no primeiro dia da competição vencendo suas respectivas baterias e, assim, avançando diretamente para a terceira rodada do evento.

Todavia, destaque para o “freak” Kelly Salter, que disputou sua bateria com uma swallow 5’6”, biquilha, chamando a atenção de todos que acompanhavam a competição.

O atual campeão mundial e vencedor da etapa do Pipe Masters em 2019, Italo Ferreira, enfrentou o rookie Matthew McGillivray (ZAF), o vice-campeão do Pipe Invitational e o wildcard do evento Miguel Tudela (PER).

Apesar de McGillivray ter conseguido a onda com a pontuação mais alta do heat (6.83 pontos em 10 possíveis), Italo totalizou 10.53 pontos (em 20 possíveis) vencendo a disputa.

Caio Ibelli, Yago Dora e Filipe Toledo foram os outros atletas do Brasil que garantiram uma vaga na terceira rodada na primeira colocação de suas baterias.

Caio Ibelli e o “tudo do dia”

Billabong Pipe Masters estreia brasileiros
Caio Ibelli. Tony Heff /WSL

Fazendo o “tubo do dia”, que lhe rendeu a pontuação de 8.33, Caio Ibelli enfrentou o bicampeão do Billabong Pipe Masters, Jeremy Flores (FRA), e o australiano Ethan Ewing, que caiu para a repescagem.

Yago acabou enfrentando condições ruins de surf, com o mar mexido, todavia, garantiu na liderança com um bom tudo, deixando o norte-americano Kolohe Andino em segundo e o italiano Leonardo Fioravanti em terceiro.

Filipe Toledo enfrentou o português Frederico Morais e o australiano Mikey Wright.

O brasileiro começou mal a bateria, porém, soube ser paciente para escolher a onda certa e foi recompensado com uma boa direita que rendeu um tubo limpo, e a maior nota da disputa (6.33).

Nos minutos finais, Frederico achou um bom tubo e avançou junto com Felipe, deixando Mikey na terceira colocação.

Billabong Pipe Masters estreia brasileiros
Yago Dora.

Já nossos outros campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza enfrentaram Joshua Moniz (HAV), vencedor do Pipe Invitational realizado na última terça-feira.

Joshua surpreendeu, ficando com a primeira colocação. Gabriel Medina assumiu a vice-liderança e Adriano de Souza, que ainda se recupera de uma lesão, acabou caindo para a repescagem.

Jadson Andre enfrentou o sul-africano Jordy Smith e havaiano Sebastian Zietz.

Billabong Pipe Masters estreia brasileiros
Jordy Smith. Tony Heff /WSL

Usando a estratégia de surfar o maior número de ondas possível, Jadson impôs um ritmo frenético à bateria, que lhe garantiu a segunda colocação e uma vaga no Round 3, mas que, todavia, não foi suficiente para barrar Jordy Smith, que deu show na bateria.

John John Florence à vontade

Billabong Pipe Masters estreia brasileiros
John John Florence. Tony Heff /WSL

Deivid Silva enfrentou Conner Coffinn (EUA) e o sempre perigoso John John Florence (HAV).

Muito à vontade em seu quintal, Florence foi um dos destaques do dia, apostando nos tubos pra Backdoor, ele venceu a bateria de forma contundente.

Deivid avançou na segunda colocação, garantindo sua vaga nos instantes finais.

Assim como Jadson e Deivid, Miguel Pupo também avançou em segundo lugar. O brasileiro demorou para começar a surfar, mas, quando finalmente encontrou sua onda, mandou bem.

Com um tubo para o Backdoor, Pupo surfou mais tranquilo até perto do fim, no entanto, o norte-americano Griffin Colapinto, que estava arriscando as manobras, também achou um bom tubo que valeu 8.17 pontos e a vitória da bateria. Miguel caiu para a segunda colocação, mas avançou, ao contrário do australiano Julian Wilson, que foi para a repescagem.

Billabong Pipe Masters estreia brasileiros
Filipe Toledo. Tony Heff /WSL

Peterson Crisanto entrou na bateria que abriu o Billabong Pipe Mastetrs, e não conseguiu encontrar nenhuma onda boa. Ele surfou quatro ondas e a melhor nota foi 0.50.

O japonês Kanoa Igarashi mostrou um faro para os tubos de Backdoor, ficou muito ativo até a parte final do duelo, e venceu com folga, porém sem destaque. O australiano Morgan Cibilic, que se entocou numa direita, avançou em segundo.

Alex Ribeiro tentou se dar bem nas manobras, mas seus adversários passaram por dentro e avançaram com facilidade. O australiano Jack Freestone brincou nos tubos de Backdoor, conquistou 8.17 e 8.00 pontos, e marcou o maior somatório de todas as baterias do dia (16.17).

Igualmente, o havaiano Seth Moniz também fez um bom trabalho nos canudos e o brasileiro foi para a repescagem.

Billabong Pipe Masters entra em espera

A previsão de ondas indica que Billabong Pipe Masters deve entrar em espera pelos próximos dias, possivelmente tendo seu reinício no próximo domingo (13), quando as ondas podem passar dos 2,5 metros.

Contudo, haverá uma próxima chamada para esta sexta-feira (11), às 15h00 (de Brasília).

Replay da transmissão ao vivo do Billabong Pipe Masters

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias