26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

Baleia-azul corre risco de atropelamento na Patagônia chilena

A baleia-azul é o maior mamífero que já viveu na Terra, e certamente um dos animais mais antigos do mundo.

Mas esta espécie fantástica está ameaçada por colisões de barcos, já que um de seus principais locais de alimentação na Patagônia chilena se tornou uma rota lotada de navios, revela um novo estudo.

+ A triste história da baleia-minke que foi morta por pescadores no Japão
+ Drone registra baleia surfando em Lennox Head

As baleias ameaçadas de extinção têm enfrentado até 1.000 barcos que se deslocam diariamente por uma importante área de alimentação no leste do Pacífico Sul, de acordo com uma pesquisa publicada na revista científica Nature.

 

Cientistas que pesquisam os padrões de alimentação do maior cetáceo do mundo descobriram que 83% dos navios de operação diária pertenciam à indústria de criação de salmão na área do norte da Patagônia chilena.

A baleia-azul – que pode pesar 150 toneladas e medir até 30 metros de comprimento – fez uma boa recuperação na quantidade de animais nas águas da Antártica, mas continua ameaçada de extinção e estava à beira da extinção devido à caça industrial de baleias no século passado.

+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja vídeo

O rastreamento por satélite da baleia azul e dados de tráfego de navios divulgados pelo serviço de pesca chileno Sernapesca tornaram possível identificar onde é mais provável que ocorram ataques de navios para a espécie.

Luis Bedriñana-Romano, principal autor do artigo, diz que os dados publicados recentemente sobre o tráfego de navios são alarmantes.

A comunidade científica estima entre 200 e 700 indivíduos no região, bem onde passam as rotas de barcos. Qualquer colisão que mate uma baleia azul representa uma ameaça real à sua conservação.

Quando uma baleia-azul se alimenta, ela investe uma grande quantidade de energia para encontrar e consumir seu principal alimento, o krill. De acordo com os autores do estudo, isso toma tanto a atenção delas que elas ficam desatentas com o que acontece ao redor. Assim, elas acabam mais vulneráveis a serem atropeladas por barcos e principalmente à noite, quando, de acordo com outras investigações, as baleias estão em média mais próximas da superfície porque seu alimento também está subindo à superfície.

Os cientistas estão pedindo que a indústria pesqueira trabalhe com eles para implementar medidas de proteção para evitar colisões fatais para baleias azuis, que já ocorreram em 2009, 2014 e 2017, bem como mortes por emaranhamento em fazendas de salmão em 2007 e 2020 .

As condições de alimentação das baleias podem ocorrer em vários locais da Patagônia chilena, famosa por seus fiordes e mares interiores, como o Golfo de Ancud e o Estreito de Reloncaví, na foz do Canal de Moraleda, e na costa oeste da Ilha de Chiloé, área conhecida por sua espetacular biodiversidade marinha.

Fonte: Revista Go Outside

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias