Publicidade:

A chegada do surf profissional em G-Land

De 28 de maio a 6 de junho, o Circuito Mundial da WSL chega à mítica esquerda de G-Land, na sexta etapa do Tour. Mas afinal, você sabe como aconteceu o primeiro campeonato de surf em G-Land?

Confira: 
+ Clay Marzo pede wildcard em G-Land
+ Gabriel Medina treina em seu quintal para G-Land

O ano era 1995. Naquela época, chegar à Indonésia não estava ao alcance de muitos, e as informações sobre suas ondas, seus perigos, ou para onde ir, apareciam vagamente em revistas de surf, embora o boca a boca fosse o que você mais pudesse confiar.

G-LAND-PRO-line-up

Em 1993, um pequeno grupo de designers da Quiksilver, liderados pelo australiano Bruce Raymond, desembarcou na cidade costeira de Banyuwangi. Atravessando Java, eles finalmente chegaram a G-Land. Foi a primeira missão de exploração que culminaria no Quiksilver Pro G-Land.

“Quando chegamos lá, Pat O’Connell e Wingnut Weaver estavam lá com Laird Hamilton e Gerry Lopez filmando ‘Endless Summer II’. Ainda estava longe, longe do caminho batido”, lembra Erik Diamond, que foi o principal designer de shorts da Quiksilver nos Estados Unidos nessa época e estava naquela missão inicial para G-Land. “Na época, o surf profissional era sobre sentar as pessoas nas arquibancadas, mas Bruce tinha uma visão completamente diferente.”

G-Land antes da internet.

Olhando para G-Land não apenas como palco de mais um evento, mas como uma experiência completa, a Quiksilver criou uma linha de roupas em torno do conceito. Foi chamada de “Surfers Of Fortune” e tinha surfistas como Kelly Slater e Tom Carroll representando seu time. Eles também produziram filmes de surf para acompanhar os eventos que organizaram em 1995, 96 e 97, o primeiro dirigido pelo icônico Alby Falzon.

As histórias, fotos e vídeos gerados nos eventos chegavam às massas até um ou dois meses depois, por meio das revistas de surf.

Quiksilver G-Land
Cartaz do primeiro campeonato em G-Land.

“Todo o layout foi pensado e houve muita empolgação em torno do projeto. E trazer a equipe de design para G-Land, foi realmente uma era de colaboração com todos esses artistas incríveis de todo o mundo trazendo suas próprias ideias. Acho que tínhamos um telefone via satélite no acampamento e todos tinham cinco minutos para ligar para casa e avisar a família que não estavam mortos,” continua Diamond. “Quando faltavam alguns dias para começar o teste, tínhamos quase tudo pronto.”

Antes do conceito de “The Dream Tour”, o campeonato G-Land foi uma oportunidade para finalmente ver os melhores surfistas do mundo nas melhores ondas do mundo. Todos os competidores ficaram no acampamento mais próximo do pico.

“Era um pouco mais sério com todos os egos,” descreve Diamond.

Quiksilver G-Land
G-Land “raiz”.

Toda a equipe do evento e a mídia ficaram em outro acampamento mais profundo na selva.

“Não havia lanchas ou helicópteros de Bali, todo mundo tinha que pegar a velha balsa. E todas as manhãs, Rod Brooks aparecia dizendo ‘Bom dia, G-Land!’; como se estivéssemos no filme ‘Good Morning Vietnam,'” continua ele. “Todas as noites, às 17h, os australianos tomavam gim-tônica e hidroxicloroquina para a malária. Estávamos vivendo isso.”

“Quando fui aos campeonatos naquele primeiro ano, eles me disseram que não tinham um lugar para eu ficar, mas que eu poderia dividir uma barraca com meu herói Jim Banks. Então desci essa trilha na selva e encontrei Jim nesta loja. Ele está sentado lá, de pernas cruzadas, tocando violão… “Olá, amigo,” diz ele. Eu não sabia se poderia passar três semanas na loja com Jim e seu violão mas aí encontrei outro lugar para ficar.”

Mas mesmo com os melhores surfistas do Circuito Mundial focados em dominar G-Land, um surfista desconhecido do Oeste Australiano se elevou sobre todos eles quando as ondas atingiram aquele primeiro ano.

Quiksilver G-Land

“Esse cara estava trabalhando como cozinheiro ou barqueiro, mas ele se tornou o líder quando realmente ficou grande,” explica Diamond. “Ninguém realmente sabia quem ele era, ele apenas surfava em silêncio. E quero dizer, ele está lá com Kelly e Jim Banks e Tom Carroll. Foi ótimo. Ele acabou com um corte muito ruim no pé e o Dr. Dave Oats precisou costurá-lo.”

Os bons tempos em G-Land duraram três anos, antes que a instabilidade política e a crise econômica na Ásia o obrigassem a deixar a Indonésia.

O campeonato, que aconteceu por três vezes entre 1995 e 1997, estava confirmado para o ano de 1998, mas foi cancelado pela crise asiática que assolou o continente naquele ano. A instabilidade política e o ataque terrorista em Bali no começo dos anos 2000, acabou fazendo G-Land sumir do calendário da WSL.

A Quiksilver simplesmente se mudaria para Tavarua, no Pacífico Sul, outra onda dos sonhos um pouco mais acessível.

Em sua ascensão ao poder, Slater venceu o primeiro evento em 1995 (assista no vídeo acima). Depois, Shane Beschen venceu Gary “Kong” Elkerton em 1996. E em 97 houve o grande triunfo de Luke Egan em um Speedies de dois metros e pranchas de surf feitas por seu pai.

Com informações do surf30.net

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias