Wavegarden chega ao Brasil com a promessa de criar “a onda artificial mais divertida do mundo” no complexo Surfland, em Garopaba (SC)

Por Redação HC

A chegada do grupo Wavegarden e da primeira onda artificial (desta nova geração de piscinas, ao menos) própria para o surfe ao Brasil já é um fato. O local escolhido para o empreendimento já é um típico destino da comunidade do surfe no Sul do Brasil, a paradisíaca Garopaba, no sul de Santa Catarina.

A ideia é combinar esse potencial com uma onda que atraia todos os tipos de surfistas: deste profissionais ou os mais experientes até iniciantes. Ou mesmo alguém que deseja surfar junto com o filho ou um amigo com a garantia de que ambos vão pegar ondas e se divertir. “Algo que no mar nem sempre é tão simples”, ressalta Fernando Odriozola, um dos diretores da Wavegarden, em entrevista exclusiva à HARDCORE.

A onda será extensa, com paredes rolando ao longo do píer central por até 15 segundos, tanto para a direita quanto para a esquerda. E com uma frequência alta: até mil ondas por hora, o que deve ser o suficiente para fazer a cabeça de um crowd de até 100 pessoas. Sem stress, com onda para todo mundo.

“Depois de uma hora ou 45 minutos surfando, a maioria das pessoas normais já estará exausta de tanto pegar onda”, prevê Odriozola.

HARDCORE: Qual será o diferencial dessa onda em relação à original do Wavegarden?

Wavegarden: A diferença não está no tamanho da onda, mas sim no fato de que será a onda mais divertida já feita pelo homem. A tecnologia do Wavegarden Cove permite gerar até 1000 ondas por hora. Na frequência mais alta, duas ondas, uma direita e uma esquerda, são geradas a cada sete segundos de cada lado do píer central — uma onda a cada três segundos e meio. Uma característica única é que a formação, o tamanho e a força da onda podem ser ajustados ao apertar de um botão na central de controle.

Desse jeito, podemos fazer ondas com apelo aos melhores surfistas profissionais do mundo, mas também para quem está em um nível mais intermediário ou iniciante, ou pessoas com dificuldades. Por exemplo, tivemos pessoas cegas surfando aqui. Também podemos criar ao mesmo tempo ondas para experts e para iniciantes.

A piscina terá duas áreas diferentes então?

Na verdade, serão quatro áreas. Nós dividimos o Wavegarden Cove em dois espaços, um com uma direita e um como uma esquerda, mas em cada um desses espaços há uma parte da onda, no seu final, que se torna uma onda própria para iniciantes, enquanto no começo são uma esquerda e uma direita perfeitas, para os pros. Mas essa sessão final da onda pode ser tanto uma sessão espumada quanto uma sessão com parede também. Na onda principal podemos criar ondas próprias para manobras, tubos, aéreos… Temos uma flexibilidade muito grande quanto aos tipos de ondas que podemos criar.

E como será o tubo?

O tubo será bem parecido como o Surf Lagoon que temos aqui na Espanha. Só que aqui, fazemos esse tubo em uma área que tem só 20% do tamanho que terá essa piscina em Garopaba. Ou seja, a onda será muito mais extensa.

Será como uma versão maior da piscina original?

Exato. Nosso foco não é criar uma onda maior, em altura. O tamanho será mais ou menos o que vocês já podem ver nos vídeos da primeira piscina. Nossa ideia central foi estender o comprimento da onda. A grande inovação é que conseguiremos manter a força, o power da onda por uma extensão muito maior. Nossa ideia é criar a melhor experiência de surfe possível fora do oceano.

Nossa onda funciona de um jeito parecido com as ondas no mar. A onda quebra sempre na mesma direção, não é como algumas tecnologias que tínhamos antes, em que as ondas iam e depois voltavam para o outro lado. Aqui as ondas quebrarão apenas em uma direção, como no mar, e você terá que remar de volta para o pico para pegar outras ondas. Como na natureza.

Em um espaço limitado, podemos ter até 100 surfistas na água ao mesmo tempo. Esses 100 surfistas vão pegar, cada um, algo entre 10 e 15 ondas por hora. Eles poderão pegar qualquer sessão da onda: para iniciantes, intermediários ou surfistas mais experientes. Vamos entregar a cada um desses surfistas uma experiência de surfe incrível. Não é fácil entrar no mar e pegar 15 ondas em uma hora. Não é sempre que você tem isso garantido. Não estamos dizendo que isso é melhor do que surfar no mar. O surfe no mar sempre será o melhor, mas podemos criar uma experiência que é tão boa quanto algumas das sessões que você vai ter no oceano. Porque às vezes o mar não bom, as ondas estão fechando, ou está muito pequeno, ou está muito grande…

Com o projeto que estamos criando, vamos combinar um tradicional destino para uma surftrip, que é Garopaba, um lugar que já tem altas ondas, com a garantia de que você vai encontrar ondas no Wavegarden Cove, independente de força e direção do vento e de ondulações. Será um destino incrível para o surfe, combinando boas ondas no mar com paisagens naturais e garantia das ondas artificiais.

Vocês tem um plano para a abertura da piscina?

Não podemos falar sobre isso, é algo que ainda está sendo discutido com os desenvolvedores do projeto.

Qual vai ser o comprimento da onda mais longa?

Tipicamente, as ondas tem 15 segundos. Temos feito ondas surfáveis desde 2009, dez anos já, e nossa ambição não é exatamente fazer a onda mais longa possível, e sim possibilitar que o surfista pegue uma boa quantidade de ondas boas dentro de uma hora de surfe. Ondas com tempo suficiente para fazer várias manobras, é claro.

Em 15 segundos, você tem uma boa injeção de adrenalina. Você surfa, respira, volta para o pico e pouco tempo depois você já estará pegando sua próxima onda. Depois de uma hora ou 45 minutos surfando, a maioria das pessoas normais já estará exausta de tanto pegar onda.

E o mais importante é que tanto faz se você é o Gabriel Medina, o Filipe Toledo ou se você nunca surfou. Nós garantimos que você vai ter uma boa e divertida experiência. Por exemplo. Você pode surfar muito perto de seus amigos. Quando você surfa no mar, na maior parte do tempo, você fica sozinho, não há tanta conexão, mesmo que você entre no mar junto com outros amigos. Nós somos muito próximos dos surfistas profissionais brasileiros porque muitos deles, aliás, praticamente todos eles já visitaram o Surf Lagoon na Espanha durante a perna europeia do Circuito Mundial. E uma das coisas mais legais de todas é que eles vêm com suas famílias e, depois de pegar ótimas ondas e fazer um surfe de alto nível, eles começam a surfar com as esposas, os pais, os filhos pequenos… É uma verdadeira experiência de surfar em comunidade, com as pessoas que você gosta, o que não é algo tão simples de ter no mar. Muitas vezes no mar existe um clima um pouco agressivo, um pouco competitivo, não há ondas para todos.

Vocês tem feedbacks de surfistas profissionais?

Não temos nenhum contrato oficial com surfistas profissionais. Mas temos uma boa relação com muitos deles, porque eles sempre entram em contato para vir surfar nossas ondas. Então apesar de não termos nada formal, sempre tivemos inúmeros feedbacks deles, e sempre demos muita atenção a isso. Afinal, são as pessoas que mais entendem disso no mundo.

Existem planos para receber algum tipo de competição ou evento profissional no projeto de Garopaba?

Acho que o Wavegarden Cove será uma sede incrível para qualquer tipo de evento ou competição, pela quantidade e pela variedades de ondas que podemos oferecer. O que posso dizer agora é que estamos abertos a todas as opções.

Veja também:
Chloé Calmon vence o Vans Duct Tape pela 2ª vez!
Filipe e Michael chegam às quartas em Keramas; Medina cai