Michael Rodrigues e Tanner Hendrickson se encontraram após a briga e fizeram as pazes em reunião mediada por locais havaianos

Por Redação HC

Quando Michael Rodrigues publicou em sua conta no Instagram sua única posição oficial a respeito da briga com o havaiano Tanner Hendrickson, sabíamos que o episódio não acabaria exatamente ali. Mas o brasileiro, ficou claro, não falaria mais sobre o assunto.

Havaianos ficaram incomodados com o fato dele ter ido prestar queixa à polícia – praticamente uma quebra no código de honra local – e principalmente por Tanner ter sido punido pela WSL e Michael, não.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Diante da repercussão da agressão que sofri aqui no Hawaii, gostaria de dizer que estou bem, focado unicamente na competição aqui em Pipeline, e na minha carreira como surfista profissional. No mais, repudio todo e qualquer ato de violência contra mim, ou contra qualquer outro ser vivo.  Nada justifica a agressão que recebi, por isso, me sinto na obrigação de tomar todas as providências cabíveis para que fatos lamentáveis como este não se repitam, comigo, ou contra qualquer outro atleta e/ou pessoa. Por fim, a WSL já demonstrou que o surfe, como esporte de alto nível que é, não tolera mais este tipo de comportamento.  Espero que esse fato não manche negativamente o surfe, e muito menos minha carreira. Sou surfista, atleta! Abraço a todos, e obrigado pelo apoio. ✌🏽

Uma publicação compartilhada por M Rod (@michaelrodrigues85) em

Fontes próximas haviam encaminhado um áudio em que o brasileiro radicado no Hawaii Carlos Ozzy, que trabalha como policial e tem imenso respeito entre a comunidade do North Shore, afirma que iria intermediar uma negociação que teria chegado até o velho “xerife” Eddie Rothman.

Veja também: Michael Rodrigues supera confusão e vence 1ª bateria da carreira em Pipe

Nesta quarta (19), terminado o Pipe Masters e passada a agitação pelo circo da WSL, o fotógrafo Steve Sherman revelou que presenciou o momento em que a situação foi definitivamente resolvida.

“Estava indo para Pipe e vi Michael andando com ao lado de alguns pesos-pesados brasileiros, e conversamos por um momento”, contou Sherms ao jornalista Derek Rielly. “Kimo [Leong, chefe da equipe que faz a segurança da WSL durante todo o período da Tríplice Coroa] e os caras da segurança, os havaianos, haviam forçado um encontro entre ele e Tanner Hendrickson, falando ‘vamos resolver logo essa merda’. Fizeram Tanner pegar um voo de Maui para esse encontro. E eu estava prestes a registrar o momento, que foi algo tipo o Rabbit [Wayne Bartholomew] sendo levado por Eddie Aikau para uma reunião com locais”.

“Tudo foi resolvido. Os dois apertaram as mãos e se comprometeram. O que é ótimo, pois os dois se odiavam. Eu estava no US Open quando o Michael encheu o saco do Tanner, e ele saiu da água maluco. Mas dessa vez eles estavam tranquilos. Agiram como homens”, conclui o fotógrafo.