25 C
Papeete
domingo, 16 junho, 2024
25 C
Papeete
domingo, 16 junho, 2024

Yago Dora perde na final em El Salvador, mas ainda sonha com Top 5

O catarinense Yago Dora ficou muito perto de conquistar a segunda vitória brasileira seguida no World Surf League (WSL) Championship Tour (CT) 2024. Ele até tirou a maior nota da decisão do Surf City El Salvador Pro contra John John Florence, mas o havaiano conseguiu o primeiro título em sua quarta final nas sete etapas desse ano. O bicampeão mundial tinha perdido para Italo Ferreira nos tubos de Teahupo´o e agora disparou na liderança do ranking.

Na final feminina, a atual campeã mundial Caroline Marks, derrotou a havaiana Gabriela Bryan e festejou um inédito bicampeonato nas direitas de Punta Roca. Os melhores surfistas do mundo agora partem para o Brasil, para disputar o Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema que começa em 22 de março, mas no dia 21 à noite tem festa de abertura com uma apresentação especial de drones e show do Papatinho na Praia de Itaúna.

Veja também
+ Kailani Rennó e Carol Bastides vencem primeira etapa do Hang Loose Surf Attack
+ Swell do ano na Indonésia inunda internet com imagens espetaculares
+ Surf africano ganha força com novo tour continental

“Foi incrível e estou muito feliz, foi um grande evento para mim”, disse Yago Dora. “Eu estava com muita vontade de vencer, mas o John John (Florence) veio surfando superforte e eu não consegui outra onda no final. Mesmo assim, estou orgulhoso de mim mesmo pelo desempenho que consegui aqui nesses dias. Quero agradecer à minha namorada, ao Jack (Robinson), a Brisa (Hennessy) e a Caity (Caitlin Simmers). Nos divertimos bastante e vamos manter essa energia. Obrigado por tudo El Salvador, por todo apoio que recebi aqui na praia”.

Yago Dora e John John Florence decidiram o título do Surf City El Salvador Pro. Foto: @WSL / Aaron Hughes.

Yago Dora agora vem defender o título do Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema, conquistado com um aéreo nota 10 contra o australiano Ethan Ewing no Maracanã do surfe brasileiro. A final em El Salvador, foi a segunda da sua carreira na divisão de elite do esporte e a vitória o levaria para a quinta posição no ranking, no grupo dos top-5 que vão disputar o título da temporada no Lexus WSL Finals, em setembro em Trestles, na Califórnia. Gabriel Medina também entraria nessa lista se passasse para a final no domingo, mas foi aniquilado pelo ataque aéreo do Yago Dora nas semifinais.

Foi a melhor apresentação do catarinense nas direitas de Punta Roca, fazendo o recorde de pontos do Surf City El Salvador Pro, 17,66 com notas 9,33 e 8,33. Esse foi o segundo maior somatório da carreira do Yago Dora em etapas do CT, só ficando abaixo dos 18,67 pontos que atingiu nas oitavas de final da etapa de Rottnest Island em 2021 na Austrália. Com o vice-campeonato em El Salvador, Yago Dora subiu da 17.a para a oitava posição no ranking, atrás do Italo Ferreira na sétima e Gabriel Medina na sexta. Os três brasileiros estão na porta de entrada dos top-5, na reta final da temporada.

Na outra semifinal, John John Florence conseguiu a primeira nota 10 das três edições do Surf City El Salvador Pro em Punta Roca. O havaiano completou um aéreo “alley oop” incrível na onda que também fez outras manobras progressivas executadas com pressão e velocidade impressionantes. Foi a segunda nota 10 do bicampeão mundial esse ano e apenas a quarta da temporada 2024 do CT. A primeira dele foi nas semifinais do Margaret River Pro na Austrália. Outro havaiano ganhou o primeiro 10 do ano, Barron Mamiya na final em Pipeline. E a terceira foi a do Gabriel Medina no tubaço que surfou em Teahupo´o nas oitavas de final.

John John Florence ganhou a primeira nota 10 da história do CT de El Salvador. Foto: @WSL / Aaron Hughes.

DECISÃO DO TÍTULO

Então, os dois melhores surfistas nas direitas de Punta Roca esse ano, merecidamente decidiram o título na grande final, o nota 10 John John Florence e o recordista de pontos, Yago Dora, marcas conseguidas nas semifinais. A decisão de 40 minutos começou na maré seca e no calor escaldante do meio-dia em La Libertad. A primeira onda só foi surfada aos 10 minutos, por John John Florence, que começa com um rasgadão e acelera para fazer um aéreo reverse na finalização. Yago Dora já arriscou o voo na primeira manobra, mas caiu e quebrou sua prancha.

O bicampeão mundial largou na frente com nota 8,50 e tenta outro aéreo, não completa, mas logo pega uma onda boa, inicia com uma batida vertical, faz uma rasgada puxando pra dentro, continua com um layback e finaliza com um aéreo reverse. Ele recebe 7,83 e já atinge os 16,33 pontos, que foi o placar da sua primeira vitória no CT 2024. Enquanto isso, Yago pega outra onda para testar a prancha nova com duas batidas reverse, que valeram 4,67. Ele entra em outra, só que erra a segunda manobra de novo.

Yago pega uma onda melhor que o havaiano deixou passar, ela abre uma parede mais sólida para mandar uma série de seis batidas verticais e rasgadas abrindo grandes leques de água, dessa vez acertando o aéreo reverse com rotação completa na finalização. Os juízes dão nota 9,77 e o brasileiro fica precisando de 6,56 para vencer nos 15 minutos finais. Só que veio uma calmaria, os dois ficam lado a lado sem entrar nada de ondas e o havaiano com a prioridade de escolher a próxima. O tempo foi passando, passando, não entrou nenhuma outra onda boa e John John Florence festejou a vitória por 16,33 a 14,44 pontos. Ele é o primeiro a já garantir vaga entre os top-5 que vão decidir o título mundial no Lexus WSL Finals em Trestles.

Yago Dora, John John Florence, Caroline Marks e Gabriela Bryan. Foto: @WSL / Aaron Hughes.

“Isso é para o Darwin”, disse John John Florence, dedicando a vitória ao seu filho recém-nascido. “Estou superfeliz em ganhar um evento esse ano. Quando ele (Yago Dora) conseguiu aquele 9, pensei, ah não, mas depois não veio mais ondas e nem consigo acreditar. Acho que tive um pouco de sorte e estou muito feliz. Minha esposa e eu tivemos um filho e tem muita coisa acontecendo esse ano, ter um filho, Olímpiadas, o CT e tudo mais. Esta será a primeira vez que chegou ao WSL Finals, mas ainda tem trabalho a ser feito e quero liderar o ranking até o final, para ter a melhor chance possível de conseguir o título”.

DUELOS BRASILEIROS

Dois duelos brasileiros aconteceram no domingo decisivo do Surf City El Salvador Pro. O último dia foi iniciado as 6h30 com Gabriel Medina e João Chianca abrindo as quartas de final. O tricampeão mundial foi rápido para construir uma sólida vantagem com seu ataque de backside nas direitas de Punta Roca, somando 7,50 com 7,77. Chumbinho demorou para surfar sua primeira onda e só pegou uma boa, que valeu 6,57. Esta era a primeira vez que ele disputava uma etapa do CT, depois de se tornar o quarto melhor surfista do mundo em 2023. Mas mostrou estar recuperado do acidente sofrido no final do ano e também vai competir como convidado no Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema.

Gabriel Medina foi abatido pelo ataque aéreo do Yago Dora nas semifinais. Foto: @WSL / Aaron Hughes.

Depois da tranquila vitória do Gabriel Medina por 15,27 a 10,27 pontos, Yago Dora também não deu qualquer chance para o australiano vice-líder do ranking, Jack Robinson, no segundo confronto do dia. Ele já usou os aéreos nas primeiras ondas que surfou e a melhor valeu 7,67. A maior nota que o australiano conseguiu foi 6,50 e Yago ainda selou a vitória com 6,87 na sua última onda, que fechou o placar em 14,54 a 11,50 pontos. O catarinense também deu um show no segundo duelo brasileiro do domingo.

RECORDE NA SEMIFINAL

Na semifinal contra Gabriel Medina, Yago Dora já disparou na frente com nota 8,33 na onda completada por um aéreo rodando com aterrissagem perfeita. Medina também arrisca o aéreo, quase completa, mas cai. Ao contrário, Yago não erra nada e manda um voo diferente na segunda onda, para somar 6,67. Gabriel responde com dois floaters seguidos, para acelerar e voar também, mas caiu novamente. Aí vem o Yago em outra onda, já procurando a rampa para voar muito alto no full rotation de indy grab, com a mão na borda. A manobra foi sensacional e ganhou 9,33 dos juízes.

Faltando 10 minutos, Medina acerta um aéreo full rotation, que vale 6,73, mas não sai da “combination”. O tricampeão mundial pega mais uma onda boa há 5 minutos do fim, faz três batidas e rasgadas fortes, acelera e completa outro aéreo rodando para receber 7,50. Só que Yago Dora já havia consolidado a vitória com o segundo maior somatório da sua carreira em etapas do CT, que foi o recorde do Surf City El Salvador Pro esse ano, 17,66 a 14,23 pontos.

DECISÃO FEMININA

Caroline Marks consegue o primeiro bicampeonato no CT de El Salvador. Foto: @WSL / Aaron Hughes.

Nas semifinais femininas, a havaiana Gabriela Bryan derrotou a líder do ranking, Caitlin Simmers, por 13,50 a 13,10 pontos nas duas primeiras ondas que surfou. A norte-americana venceu o Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema no ano passado e vai defender o título vestindo a lycra amarela de número 1 da WSL na Praia de Itaúna. Gabriela se classificou para a sua segunda final no CT esse ano e tinha feito os recordes femininos do Surf City El Salvador Pro nas quartas de final disputadas no sábado, nota 8,33 e 15,16 pontos.

Na segunda semifinal, a campeã mundial Caroline Marks, que tem no backside o ponto forte do seu surfe agressivo, não deu qualquer chance para a havaiana Bettylou Sakura Johnson. Logo na segunda onda, já conseguiu um 7,67 que decidiu a vitória por 13,77 a 11,10 pontos. No ano passado, Caroline Marks venceu o Surf City El Salvador Pro batendo a bicampeã mundial Tyler Wright na final. Agora, conquista o bicampeonato com as duas notas 7,40 das últimas ondas que surfou. Gabriela Bryan também reagiu no final e até tirou a maior nota da bateria, 7,53, porém perdeu por pouco, 14,80 a 14,46 pontos.

“El Salvador está sendo muito bom para mim. Foi aqui que iniciei a campanha para ganhar o título mundial no ano passado e adoro Punta Roca”, disse Caroline Marks. “Foi muito legarl fazer uma final com a Gabby (Gabriela Bryan). Ela é uma grande amiga minha no Tour e estou realmente feliz. Eu quero ganhar o máximo de títulos mundiais que puder e tenho plena consciência de como é difícil isso. Sei que só preciso focar em mim, nas minhas atuações e adoraria ser campeã mundial de novo”.

Resultados Surf City El Salvador Pro 2024

Masculino

1 John John Florence (HAV)
2 Yago Dora (BRA)
3 Gabriel Medina (BRA)
3 Matthew McGillivray (AFR)
5 João Chianca (BRA)
5 Jack Robinson (AUS)
5 Jordy Smith (AFR)
5 Crosby Colapinto (EUA)

Feminino

1 Caroline Marks (EUA)
2 Gabriela Bryan (HAV)
3 Caitlin Simmers (EUA)
3 Bettylou Sakura Johnson (HAV)
5 Tatiana Weston-Webb (BRA)
5 Molly Piklum (AUS)
5 Johanne Defay (FRA)
5 Brisa Hennessy (COS)

RANKING DA WORLD SURF LEAGUE – 7 etapas:

TOP-20 DA CATEGORIA MASCULINA:
1.o- John John Florence (HAV) – 41.465 pontos
2.o- Jack Robinson (AUS) – 30.725
3.o- Griffin Colapinto (EUA) – 30.515
4.o- Ethan Ewing (AUS) – 27.250
5.o- Jordy Smith (AFR) – 24.790
6.o- Gabriel Medina (BRA) – 24.235
7.o- Italo Ferreira (BRA) – 24.045
8.o- Yago Dora (BRA) – 23.835
9.o- Jake Marshall (EUA) – 22.770
10.o- Crosby Colapinto (EUA) – 22.120
11.o- Rio Waida (IDN) – 21.055
12.o- Barron Mamiya (HAV) – 20.630
13.o- Cole Houshmand (EUA) – 20.630
14.o- Kanoa Igarashi (JPN) – 20.420
15.o- Ryan Callinan (AUS) – 20.130
16.o- Ramzi Boukhiam (MAR) – 20.130
17.o- Matthew McGillivray (AFR) – 19.480
18.o- Liam O´Brien (AUS) – 17.365
19.o- Leonardo Fioravanti (ITA) – 16.800
20.o- Imaikalani deVault (HAV) – 16.800

TOP-10 DA CATEGORIA FEMININA:
1.a- Caitlin Simmers (EUA) – 38.185 pontos
2.a- Caroline Marks (EUA) – 37.745
3.a- Brisa Hennessy (CRC) – 36.885
4.a- Molly Picklum (AUS) – 34.645
5.a- Johanne Defay (FRA) – 34.645
6.a- Gabriela Bryan (HAV) – 32.510
7.a- Bettylou Sakura Johnson (HAV) – 29.935
8.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 29.015
9.a- Tyler Wright (AUS) – 26.460
10.a- Sawyer Lindblad (EUA) – 25.120

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias