MDd0zLG1PCI

Yago Dora é campeão do US Open em Huntington e Alex Ribeiro fica em 3º. Os quatro brasileiros no Top 10 do QS são ou já foram do CT

Por Fernando Guimarães

Yago Dora! Poucos vão se lembrar, mas em 2018, após um começo de ano difícil em sua estreia na elite mundial, Yago teve uma curva espetacular no segundo semestre. Destacou-se em Teahupo’o e no Rancho, venceu um QS com nível de CT em Maresias e chegou às quartas em Pipe com atuação memorável.

Ao que tudo indica, a curva está para se repetir em 2019.

Yago venceu o US Open neste domingo (4), em Huntington, na frente de uma pequena multidão — nada comparado ao CT em Saquarema, por exemplo, mas muita gente comparado ao restante dos circuitos da WSL. Na final contra o australiano Liam O’Brien, Yago teve a torcida vibrando a seu favor ao completar uma porção de aéreos nas esquerdas que corriam para baixo do píer.

As ondas, por sinal, estiveram quase acima da média para o que se espera do pico nesta época do ano: pequenas paredinhas de quase um metro, muito rápidas, mas lisinhas nos melhores momentos. Costuma ser muito pior.

O catarinense foi disparado o melhor surfista do último dia, com vitórias convincentes e as melhores somatórias de todas as rodadas — quartas, semi e, obviamente, da final.

Yago faz um surf bonito, que combina radicalidade e um estilo agradável aos olhos como poucos ou quase nenhum nesse nível. Não estranha que seja um dos brasileiros mais celebrados fora daqui e que sua vitória seja a base de comentários do tipo “essa foi a melhor edição do US Open”, vindos de gente do calibre do chato do Sean Doherty.

Mas houve outros vencedores no dia, o maior deles, provavelmente, outro goofy de bandeira verde e amarela.

Alex Ribeiro chegou à semifinal e, somando esse resultado à sua vitória na etapa de Burton, na Austrália, chega à terceira colocação do QS com quase 16 mil pontos. Ele ainda troca um resultado baixo 700 pontos, e fica com chances enormes de retornar à elite mundial após uma breve passagem em 2016.

O atual top 10 do QS tem quatro brasileiros: Jadson André (2º), Alex Ribeiro (3º), Yago Dora (4º) e Deivid Silva (6º) — três já no CT e um que quer retornar. Os próximos três da lista são Ian Gouveia (16º), Krystian Kymerson (19º) e Miguel Pupo (22º) — dois ex-tops e apenas um possível rookie, mas já veterano no QS.

 

Ver essa foto no Instagram

 

One last congrats to @yagodora! 2019 #VansUSOpen victor! @usopenofsurf @vans @swatch

Uma publicação compartilhada por WSL Qualifying Series (@wsl.qs) em

Tops do CT dominam US Open feminino – a não ser a campeã

No feminino, o único QS de 10 mil pontos do ano foi completamente dominado por tops do CT. Nas quartas de final, as sete surfistas pertenciam à elite mundial: Courtney Conlogue, Caroline Marks, Malia Manuel, Brisa Hennessy, Stephanie Gilmore, Bronte Macaulay e a brasileira Tatiana Weston-Webb. A única de fora era Sage Erickson, uma veterana do CT que ficou a uma vaga da requalificação em 2018.

Mas o retorno está próximo, já que foi ela mesma a campeã em Huntington. As atuais tops falharam em superar o surfe leve e a boa escolha de ondas de Sage. Ela passou por Malia Manuel nas quartas, por Tati na semi e por Courney em uma grande final 100% ianque.

Assista aos melhores momentos do último dias, com as principais ondas e toda a festa de Sage e Yago.

Veja também:
Sistema de piscina falha, cria onda gigante e deixa mais de 40 feridos na China
Brasileira leva primeiro ouro da história do surf no Pan