Publicidade:

WSL Finals: quem está dentro e quem está fora

Com o término do Oi Rio Pro, a pergunta que não quer calar é: quem já está dentro e quem está fora do WLS Finals 2022?

Ao leitor ainda não iniciado na dinâmica do circuito mundial de surf explicamos: WSL Finals é a etapa decisiva do championship tour da WSL.

Após um ano de circuito, os cinco primeiros colocados disputarão, em setembro, em Lower Trestles, Califórnia (EUA), uma última e decisiva etapa que determinará o campeão mundial de 2022.

Contudo, apenas os cinco primeiros colocados do ranking masculino e feminino terão direito a competir nessa etapa e quem vencer ficará será coroado campeão do mundo.

No entanto, a ordem de baterias será decidida de acordo com a colocação do ranking final. Sendo assim, o quinto colocado enfrenta o quarto colocado; quem vencer enfrenta o terceiro colocado e assim sucessivamente até a última bateria, que será decidida no sistema “melhor de três” contra o primeiro colocado do ranking.

Leia mais:

J-Bay, próxima parada do Mundial de Surf, em 3 dias de gala

Julgamento da WSL vira alvo de protesto entre torcida australiana nas redes sociais

Filipe Toledo iguala recorde de quatro vitórias em etapas do CT no Brasil

Dessa forma, tão importante quanto estar entre os Top 5 é estar bem ranqueado entre os Top 5.

Mas quem já garantiu sua vaga? Após a conclusão do Oi Rio Pro, apenas Filipe Toledo e Carissa Moore, estão garantidos no WSL Finals 2022.

Segundo a matemática da WSL, quem chega aos 44,000 pontos no ranking não pode mais deixar o top5 ao fim da temporada. Sendo assim, Filipe Toledo (50,040) e Carissa Moore (46,840) estão classificados. Os dois lutam agora para se manterem no topo dos respectivos rankings.

Quase lá

Enquanto isso, o restante do Top 5, por hora, é formado por Jack Robinson (AUS), Italo Ferreira, Griffin Colapinto (EUA) e Ethan Ewing (AUS).

Robinson tem 40,225 e está muito perto de garantir a classificação ao WSL Finals. Italo (34,385) também está em situação confortável, dependendo de apenas um bom resultado nas duas etapas restantes.

Já Griffin (33,480) e Ethan (30,970) precisam pontuar e torcer para que seus adversários não surfem bem nas duas etapas que restam: África do Sul e Taiti.

No feminino, Johanne Defay está virtualmente classificada para o WSL Finals, já que tem uma pontuação muito próxima dos 44,000, o número mágico da vaga: 42,865. Atrás dela estão a americana Lakey Peterson, com 36,395; a australiana Stephanie Gilmore, com 35,540; e a costarriquenha Brissa Hennessy, com 35,540. As três ainda dependem de um bom resultado para confirmarem as respectivas vagas.

Única brasileira na elite, Tatiana Weston-Webb está em sexto, com 32,610. Além de precisar pontuar bem nas próximas etapas, Tati tem de secar ao menos uma das quatro rivais acima dela na tabela. Além da brasileira, seguem com chances de classificação: Isabella Nichols (32,065), Gabriela Bryan (30,410), Courtney Conlogue (29,490), Tyler Wright (28,660) e Sally Fitzgibbons (26,810).

Quem está fora do WSL Finals 2022

No masculino Barron Mamiya (23,950), Matthew McGillivray (22,385), Jordy Smith (22,110), Kolohe Andino (20,685), Nat Young (20,685), Kelly Slater (19,970), Jake Marshall (18,695), Seth Moniz (18,130), Jackson Baker (17,270) e Jadson Andre (16,705) não tem mais chances matemáticas de competir em Trestles, ainda que estejam garantidos na elite no ano que vem.

No feminino, apenas a americana Caroline Marks não tem mais chances de classificação dentre as 12 surfistas que passaram pela linha de corte do meio da temporada. Caroline tem 17,620 pontos e não pode mais chegar aos 44,000.

A próxima parada do championship tour é Jeffreys Bay, na África do Sul, entre os dias 12 e 21 de julho. Em agosto, é a vez de Teahupo’o, no Taiti, receber a última etapa antes do WSL Finals, em setembro.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias