26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

“Tento ser os dois [artista e atleta]”, diz John John Florence

John John Florence tem talentos físicos notáveis, mas seu maior trunfo como atleta pode ser sua atitude positiva duradoura.

O surfista de 29 anos foi entrevistado em um podcast da norte-americana Outsideonline.com e nós transcrevemos, abaixo, algumas passagens das quais mais gostamos do papo.

Confira também:
+ Mason Ho e Clay Marzo em Desert Point
+ Ninguém melhor do que Mason Ho para falar de Sunset Beach
+ Irlandês cria mapa com coordenadas GPS de centenas de ondas na Califórnia e Havaí

John John Florence falou diretamente de uma marina em Fiji; lembrando que o bicampeão mundial decidiu passar sua reabilitação navegando de sua casa no Havaí para Fiji, em uma travessia de 3.000 milhas em mar aberto que foi carregada com clima imprevisível, alto estresse e alguns momentos verdadeiramente assustadores.

“Nós nos conectamos com Florence no final de sua viagem para descobrir como ele sempre é capaz de lidar com o que quer que surja em seu caminho. John costuma ser mais feliz quando as coisas dão errado e ele é forçado a se adaptar. Isso explica por que, depois de sofrer uma grande lesão no joelho no início deste ano durante uma competição, ele decidiu seguir um sonho antigo e sair navegando em mar aberto”, escreveu a Outsideonline.com.
Confira:

Abordagem zen

“Gosto de competir e posso realmente colocar minha mente lá e realmente entrar nisso. Tipo de ajustar meu surf para isso. Eu sinto que você meio que volta ao mesmo, hábitos, rotinas, padrões, coisas assim. Eu absolutamente amo a pureza do tipo, o que chamamos de free surf.

Acho que há algo no free surf que permite um pouco mais de expressão. Você pode se soltar um pouco mais e desenhar linhas um pouco diferentes, em vez de ser sugado para a mesma coisa. Você tem muito tempo para explorar e desenhar linhas de maneiras diferentes”.

Artista e atleta

“Sim, eu diria que tento ser os dois [artista e atleta]. Para mim, pelo menos nos últimos dois anos, tenho tentado encontrar esse meio-termo feliz, como entrar no calor e o calor começar e meio que encontrar… você ouve as pessoas chamarem isso, eu acho, seu, seu centro ou aquele olho interior ou o que quer que você queira chamar. Aquele, aquele espaço central onde você pode respirar fundo e você pode relaxar; quando eu relaxo e me deixo surfar. É diferente de quando eu tenho esse tipo de tensão e surfo de uma só maneira”.

Onda dos sonhos

Em dado momento, um dos entrevistadores pede a John que descreva sua onda dos sonhos. E aí, é só ele em Pipeline, seu playground de infância, longe de qualquer coisa que lembre competição.

“A beleza de Pipeline é que é uma direita e uma esquerda. É um pouco imprevisível, o que eu realmente gosto. De manhã cedo no inverno no Havaí é muito bom. O sol está apenas chegando sobre a montanha. Então o céu está realmente rosa e as nuvens estão rosa, e está ficando claro e você rema e não há ninguém. E apenas vendo quando a, quando a série chega, e você vê esse grande pico de uma onda. E você fica tipo, eu sou, isso é o mais louco, certo, eu já vi. E você apenas se posiciona para isso.

Quando você decola em uma onda e sai de um tubo, como ir muito rápido, cria esse tipo de, uh, é como um isso, é como se sente embaixo da prancha. Isso, eu não sei, para mim parece mais aderente. É uma textura de vento muito leve.

Indo para a direita em uma grande onda. Tipo, há muitos momentos nisso, você sabe, há o drop e então você mal consegue passar sob o lip. E então você está no tubo e você tem que se colocar novamente no tubo e então uma porta dos fundos geralmente se abre.

E então você está bombeando na sua linha tentando continuar com sua velocidade para continuar na onda, e são seções e seções e seções. E então, quando você sai no final, você tem toda essa velocidade para uma grande curva.

Mas sim, há essa sensação de estar sendo pressionado e tudo está te agarrando ao mesmo tempo e tudo está seguindo. É difícil superar essa sensação no surf.

Essa é a minha onda dos sonhos”, finaliza John John Florence.

Clique aqui e ouça na íntegra ao podcast.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias