26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024
26 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024

Tainá Hinckel e Mateus Sena vencem 1ª etapa do Brasileiro de surf

Tainá Hinckel e Mateus Sena foram os grandes campeões do CBSurf Pro Maresia Maceió 2022, primeira etapa do circuito brasileiro de surf de 2022, encerrado no último domingo (12) nas ondas do Pontal da Barra.

Com 220 inscritos a primeira etapa do CBSurf PRO 2022 precisou de sete dias para ser realizada. No período, os atletas encararam chuvas fracas, fortes e muito fortes. Ventos bons, ruins, com muita ou pouca intensidade, mas se tem algo que nestes sete dias jamais decepcionou, foram as ondas.

O mar em Maceió foi uma das grandes estrelas e pulsou por sete dias sem parar, dando brilhantismo às performances.

Competição feminina

Tainá Hinckel e Mateus Sena
Da esq. Para dir.: Tainá Hinckel, Yanca Costa, Karol Ribeiro, Mariana Areno. Foto: Pablo Jacinto

O dia começou com a elegância feminina na água. Logo na primeira bateria Tainá Hinckel venceu Nalanda Carvalho, última surfista nordestina da competição. No confronto seguinte, Yanca Costa fez o maior somatório desta fase sobre uma das mais competitivas surfistas da nova geração, Kemily Sampaio. Yanca anotou 15.60 pontos.

Karol Ribeiro surfou com foco para vencer Julia Santos, campeã brasileira de 2019. E Mariana Areno entrou determinada a ir à semifinal ao passar por Julia Duarte. Em seguida, Tainá Hinckel superou Yanca Costa e Karol Ribeiro venceu a embalada Mariana Areno.

Nas semifinais, apesar de Yanca começar mais ativa, a escolha de ondas de Tainá permitiu melhores apresentações. Nesta fase, a catarinense fez a maior soma da competição feminina. Marcou 15.87 para eliminar Yanca, com 13.03. Pelo alto nível da bateria, Yanca poderia passar à outra semifinal com folga.

Tainá Hinckel e Mateus Sena
Tainá Hinckel. Foto: Pablo Jacinto

Na disputa entre Karol Ribeiro e Mariana Areno, prevaleceu o ímpeto da surfista mais jovem. E Mariana desempatou o placar entre elas, já que as duas haviam se encontrado em um round anterior e marcaram exatamente a mesma pontuação, 12.83. Desta vez, a vantagem para Mariana, que avançou à final em confronto com a surfista dominante em todas as baterias, a virtual campeã Tainá Hinckel.

Veja também:

+ John John desfalca CT de El Salvador (e talvez o Brasil)

+ Confira as baterias do El Salvador Pro

+ Havaí vence Mundial Junior de Surf da ISA; Brasil termina em sétimo

Na final, uma história de amor da catarinense com Maceió. Ela não conheceu um resultado durante toda a competição que não fosse a primeira colocação. Tainá foi vencedora da primeira bateria desta nova era da CBSurf, e passou todos os confrontos em primeiro. Também fez a maior soma entre as meninas, e, para escrever uma história de final feliz, Tainá superou a promissora Mariana Arenos em um confronto dominado por ela do início ao fim.

A catarinense disse antes da final, que irá correr todas as etapas possíveis do CBSurf PRO, mas não garantiu correr todas. Agora, depois de largar na frente como líder do ranking, é capaz de dar preferência ao circuito brasileiro. Boa sorte à Tainá, Mariana e todas as meninas que vão duelar até o fim do ano pelo título de campeão brasileira, a largada foi dada.

Competição masculina

Tainá Hinckel e Mateus Sena
Da esq. Para dir.: Samuel Igo, Alex Ribeiro, Messias Felix e Mateus Sena. Foto: Pablo Jacinto

Messias Félix entrou na água para a primeira semifinal masculina com Michael Rodrigues, dono da maior soma do evento. Contudo, o cearense estava destinado a mudar isso, além de estar com muito surf no pé.

Messias adotou um ritual que vinha dando certo desde as primeiras fases, o cafezinho vencedor da sala da administração, que ficava ao lado de uma das áreas de atletas. Cafezinho tomado, Messias entrou na água ativo, remando de um lado para outro.

Foi impressionante ver que a cada remada para um novo posicionamento, uma boa onda entrava para o cearense. Assim, Messias fez uma combinação que rendeu 16.90, superando a soma de 16.00 pontos que Michael tinha alcançado.

Enquanto Messias fazia sua exibição de gala, Alex Ribeiro não conseguia encontrar absolutamente nada e acabou saindo do mar precisando de uma combinação de duas notas. Ao passar por Alex Ribeiro, o bicampeão brasileiro Messias Félix garantia em Maceió uma final nordestina.

Na outra semifinal, Samuel Igo e Mateus Sena fizeram uma bateria bem mais equilibrada –  13.20 para Mateus Sena, 12.26 para Samuel Igo. Houve troca de liderança, mas ao final, Mateus levou a melhor com uma pequena diferença no placar, confirmando seu nome para enfrentar na grande final o experiente Messias Felix.

Duelo de gigantes – Depois de sete dias de competição, nomes consagrados como Adriano de Souza, Willian Cardoso, Michael Rodrigues e Alex Ribeiro sucumbiram diante de nomes menos expressivos, nomes que em virtude da acefalia que a Confederação vivia, a maioria de nós não conhecíamos.

Tainá Hinckel e Mateus Sena
Messias Felix. Foto: Pablo Jacinto

A final do masculino mostrou o quanto o Brasil tem excelentes surfistas, dentre catarinenses, gaúchos, paulistas, capixabas, cariocas, baianos, pernambucanos e alagoanos. Enfim, um experiente cearense enfrentou um impetuoso jovem potiguar em uma final digna do surf brasileiro, atualmente, o melhor surf do mundo.

Mateus Sena vinha sendo destaque desde o começo, mas quando os confrontos passaram a ser homem-a-homem, esse destaque ficou ainda mais explícito, seja pelo seu surf, ou pelo comprometimento demostrado ao se arriscar em manobras progressivas na hora do tudo ou nada.

O garoto de 20 anos protagonizou um super duelo com um bicampeão brasileiro, que tinha a seu favor a experiência de alguém que já viveu todas as emoções do surf no auge de seus 36 anos.

Mateus entrou com muita intensidade na final. Ele foi construindo sua bateria e chegou a colocar o bicampeão Messias Felix na combinação. Porém, apesar de ter quase o dobro da idade do Mateus, Messias guarda na manga o mesmo repertório progressivo de seu jovem e destemido adversário.

Mas, na final ele não teve a mesma sorte da semifinal, quando as ondas quebravam onde ele estava. Quando o jogo ficou muito desfavorável para Messias, já sem tempo para reverter em virtude do quadro de combinação, o cearense remou para seu grand finale.

Ele achou uma esquerda para aplicar um floater funcional, achar a sessão limpa da onda e mandar um aéreo reverse, para então finalizar a onda no inside e cravar as quilhas na areia.

Ao finalizar essa onda, Messias sabia que sairia da combinação. Mas era tarde, a sirene tocava e dava a Mateus Sena o título de grande campeão do CBSurf Pro Maresia Maceió 2022.

A final teve as maiores pontuações de todo o evento, 18.40 para Mateus Sena, 17.37 para Messias Felix. Estes são os nomes a ser batidos na próxima etapa em Saquarema, de 4 a 10 de julho, na praia da Vila.

Tainá Hinckel e Mateus Sena largam na frente

Tainá Hinckel e Mateus Sena começam com o pé direito o circuito brasileiro de surf profissional, e largam na liderança. Agora, passam a ser os alvos de todos. Em Saquarema, a grande missão será a de se manter na liderança.

A Confederação Brasileira de Surf, levou as competições no Brasil para um nível que poucos acreditavam que seria possível. Em Maceió, a estrutura montada foi a maior já vista em campeonatos nacionais.

Foram entregues duas áreas para atletas, amplo centro técnico, transmissão com quatro câmeras Full HD, câmera para entrevistas e, o melhor de tudo, em Maceió foi devolvido ao surf brasileiro um elemento fundamental, a esperança.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias