26 C
Papeete
sábado, 18 maio, 2024
26 C
Papeete
sábado, 18 maio, 2024

Tahiti Pro: Não faltou emoção em Teahupoo

Apesar do desfecho ruim para a torcida brasileira e das ondas não apresentarem uma formação padrão “Teahupoo clássico”, o que não faltou à penúltima etapa do CT da WSL foi emoção. O australiano Jack Robinson ganhou de Gabriel Medina, a disputa pela última vaga para o Rip Curl WSL Finals, decidida na grande final do SHISEIDO Tahiti Pro apresentado por Outerknown.

A vitória foi por 15,66 a 15,00 pontos e este resultado confirmou a classificação de João Chianca para as Olimpíadas de Paris 2024, que será disputada nos mesmos tubos de Teahupoo. O surfista de Saquarema não competiu na quarta-feira, mas o mesmo Jack Robinson já havia garantido seu nome entre os top-5 no ranking final do World Surf League (WSL) Championship Tour (CT) 2023, quando derrotou Yago Dora nas quartas de final.

Esse ano foi muito louco. Inicialmente, eu só queria passar do corte (da elite no meio da temporada), mas as coisas começaram a acontecer e estou bem feliz com a minha qualificação para o WSL Finals”, disse João Chianca, o Chumbinho, que chegou a vestir a lycra amarela de número 1 do ranking em duas etapas. “É importante um competidor ter grandes objetivos, então foi uma luta entre sonhar com um título mundial, ou manter a humildade. Essa noite foi uma das mais difíceis pra mim, depois de ter perdido ontem, me senti bem dividido. Eu sabia que poderia ter me classificado, sem depender de resultados dos outros. Mas, sinto que me dediquei o ano todo, confiei no meu talento e quero agradecer a todos que me apoiaram”.

Vitória de Jack Robinson confirmou João Chianca no Rip Curl WSL Fiinals e nas Olimpíadas. Foto: @WSL / Matt Dunbar

Jack Robinson acabou sendo o anjo da guarda do João Chumbinho e foi cirúrgico na decisão do SHISEIDO Tahiti Pro. Ele só surfou dois tubos nos 40 minutos da bateria e ambos ganharam nota 7,83. Gabriel Medina começou forte em sua quarta final consecutiva na etapa taitiana, largando na frente com notas 6,83 e 8,17 num tubaço quadrado, que saiu limpo da onda completada com um layback. No entanto, o tricampeão mundial não conseguiu aumentar seu somatório, enquanto Jack Robinson acha uma onda há 8 minutos do fim, que roda o canudo, some lá dentro e sai de um tubo difícil, para vencer por 15,66 a 15,00 pontos.

Eu estava tão empolgado e tão focado, mas ainda me divertindo. É difícil descrever o sentimento”, disse Jack Robinson. “Eu senti que era a minha hora. Você nunca sabe quando vai ser sua hora, mas senti que era a minha hora agora e estou muito feliz. Após começar este ano da maneira que fiz, depois me contundir, agora voltar a vencer de novo, é porque era a minha hora. Sempre disse a mim mesmo, que o WSL Finals seria o meu último evento do ano e mal posso esperar por isso. Estou superanimado para competir em Trestles”.

Jack Robinson só surfou dois tubos na final que valeram a mesma nota 7,83. Foto: @WSL / Matt Dunbar

Esta foi a segunda vitória do australiano no WSL Championship Tour 2023. A primeira foi no Billabong Pro Pipeline no Havaí, contra o mesmo italiano Leonardo Fioravanti que enfrentou nas semifinais em Teahupo´o na quarta-feira. Tanto nos tubos de Pipeline, como agora nos do Taiti, o australiano derrotou Gabriel Medina, que não conseguiu a 18.a vitória em sua 31.a final em etapas do CT. Essa agora valia a última vaga no grupo dos top-5 que vão disputar o título mundial da temporada no Rip Curl WSL Finals, no melhor dia de ondas no período de 8 a 16 de setembro em Trestles, na Califórnia.

TÍTULO MUNDIAL – Jack Robinson terminou em quinto lugar no ranking e vai fazer o primeiro confronto no sistema mata-mata com João Chianca. Quem vencer, enfrentará o australiano Ethan Ewing, que se contundiu treinando em Teahupo´o na semana passada. Caso não se recupere, apenas quatro surfistas competirão em Trestles, então o próximo desafio seria contra o vice-líder, o californiano Griffin Colapinto. Este duelo define o adversário de Filipe Toledo na melhor de três baterias que decidirá o título mundial de 2023.

Gabriel Medina acabou perdendo a oportunidade de buscar um tetracampeonato mundial, mas foi quem surfou os melhores tubos da quarta-feira em Teahupoo. Ele começou o dia ganhando um duelo de campeões mundiais contra o bicampeão John John Florence. Medina já começou surfando um tubaço nota 8,33, que somou com 7,77 para vencer de goleada, com uma “combination” de 16,10 pontos. Esta foi a 15.a vez que o brasileiro superou o havaiano em 21 baterias disputadas em etapas do CT, incluindo as com três competidores da primeira fase.

Gabriel Medina tirando onda depois de surfar mais um tubaço em Teahupo´o. Foto: @WSL / Matt Dunbar

Jack Robinson já havia passado por Yago Dora na segunda quarta de final, por uma pequena diferença de 12,93 a 11,10 pontos. O brasileiro surfou o melhor tubo da bateria, que valeu nota 7,10, mas não achou outra onda boa. Nas semifinais, o australiano surfou melhor e totalizou 15,83 pontos, com notas 8,30 e 7,53, contra o italiano Leonardo Fioravanti. Já Gabriel Medina, abriu a semifinal com mais um tubaço incrível que ganhou nota 9,00. O havaiano Barron Mamiya não achou nada para surfar e Medina venceu fácil por 13,33 a 5,17.

“Este é um lugar muito especial para mim e adoro vir para cá sempre”, disse Gabriel Medina. “Eu amo o tempo que fico aqui, amo as pessoas daqui, então foi muito bom fazer outra final no Taiti. Teahupo´o já deu tanto para mim ao longo dos anos, então é sempre ótimo estar aqui e aproveitar esse lugar incrível. Eu fiz tudo o que puder para tornar as coisas difíceis para todos, mas na final não foi o suficiente. A vida é assim mesmo e estou feliz”.

Gabriel Medina com seu quarto troféu de vice-campeão nos tubos de Teahupo´o. Foto: @WSL / Beatriz Ryder

Essa foi a nona vez que Gabriel Medina competiu na etapa mais desafiadora do CT e a sexta final que disputou. Ganhou os títulos em 2014 e 2018 e terminou como vice-campeão em 2015, 2017, 2019 e agora em 2023. A vitória de Jack Robinson no SHISEIDO Tahiti Pro, também fechou a lista dos dez indicados pela World Surf League, para as Olimpíadas da França e as medalhas do surfe serão disputadas nos mesmos tubos de Teahupo´o. Como apenas dois brasileiros terminaram entre os top-5, a outra vaga ficou com João Chianca.

OLIMPÍADAS DE PARIS – Os outros que já estavam classificados para os Jogos de Paris 2024, são o líder do ranking, Filipe Toledo, Griffin Colapinto e John John Florence pelos Estados Unidos, Ethan Ewing e Jack Robinson pela Austrália, Leonardo Fioravanti da Itália, Kanoa Igarashi do Japão e Jordy Smith e Matthew McGillivray da África do Sul. Já o ranking feminino, ainda falta decidir uma das oito indicadas pela WSL, que completará o time dos Estados Unidos com a campeã olímpica, Carissa Moore.

Caitlin Simmers e Caroline Marks vão disputar a última vaga para as Olimpíadas. Foto: @WSL / Beatriz Ryder

Essa vaga está entre Caroline Marks e Caitlin Simmers e só será definida no Rip Curl WSL Finals. No SHISEIDO Tahiti Pro, Caroline Marks venceu o título, mas a disputa será nas ondas de Trestles. Caitlin vai abrir o sistema mata-mata contra a australiana Molly Picklum, a mesma que derrotou em Teahupo´o na quarta-feira. Quem vencer, enfrentará Caroline Marks e depois tem a australiana Tyler Wright, no confronto que define a adversária da pentacampeã Carissa Moore, na melhor de três baterias que decide o título mundial.

A havaiana encabeça a lista das classificadas para os Jogos Olímpicos de Paris 2024 pelo ranking da World Surf League. As outras já confirmadas são as australianas Tyler Wright e Molly Picklum, a brasileira Tatiana Weston-Webb, a francesa Johanne Defay, a portuguesa Teresa Bonvalot e Brisa Hennessy da Costa Rica. Tatiana competiu na primeira bateria da quarta-feira em Teahupo´o e perdeu para a bicampeã mundial Tyler Wright.

Tatiana Weston-Webb vai disputar as Olimpíadas de Paris em Teahupo´o. Foto: @WSL / Matt Dunbar

ÚLTIMA VAGA – Tyler Wright poderia tirar o primeiro lugar de Carissa Moore no ranking, se passasse para a final. Ela até surfou o melhor tubo da bateria, que valeu nota 7,67, só que acabou somando com 2,13 e foi derrotada por Caroline Marks por 11,66 pontos. Nas quartas de final, a norte-americana já tinha acabado com as chances de outra australiana, Stephanie Gilmore, se classificar para o Rip Curl WSL Finals. A vitória de Caroline sobre a octacampeã mundial nas quartas de final, confirmou a última vaga nos top-5 para a sua compatriota, Caitllin Simmers.

As duas não tiveram muitas chances para surfar na decisão do SHISEIDO Tahiti Pro, pois a bateria foi bem fraca de ondas. Caroline Marks ainda achou um tubo que valeu 5,33 e foi decisivo para definir o baixo placar de 9,23 a 3,94 pontos. Caitlin Simmers está estreando na elite do CT esse ano e não tinha perdido nenhuma final. Venceu a primeira em Portugal e também o Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema, no Brasil. Caroline Marks igualou as duas vitórias, pois já tinha conquistado o título na etapa de El Salvador.

Caroline Marks campeã do SHISEIDO Tahiti Pro nos tubos de Teahupo´o. Foto: @WSL / Matt Dunbar

Estou muito feliz. Esse é o campeonato dos sonhos para vencer, então estou super empolgada por ter conseguido a vitória”, disse Caroline Marks. “As ondas ficaram um pouco estranhas com aquele vento que entrou na final. Depois caí naquele tubo, mas fazer a final com a Caity (Caitlin Simmers) foi superlegal. Ela fez uma bateria muito boa na semifinal, então eu sabia que seria uma luta difícil. Tem sido um ano muito bom para mim e não vejo a hora de chegar o Rip Curl WSL Finals em Trestles”.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO SHISEIDO TAHITI PRO:

ampeão: Jack Robinson (AUS) por 15,66 pts (7,83+7,83) – US$ 100.000 e 10.000 pts
2.o lugar: Gabriel Medina (BRA) com 15,00 pts (8,17+6,83) – US$ 63.000 e 7.800 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pts:
1.a: Jack Robinson (AUS) 15,83 x 8,84 Leonardo Fioravanti (ITA)
2.a: Gabriel Medina (BRA) 11,43 x 2,50 Barron Mamiya (HAV)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 20.000 e 4.745 pts:
1.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 15,10 x 11,70 Kauli Vaast (FRA)
2.a: Jack Robinson (AUS) 12,93 x 11,10 Yago Dora (BRA)
3.a: Barron Mamiya (HAV) 11,43 X 2,50 Mihimana Braye (TAH)
4.a: Gabriel Medina (BRA) 16,10 x 10,10 John John Florence (HAV)

DECISÃO DO TÍTULO FEMININO:
Campeã: Caroline Marks (EUA) por 9,23 pts (5,33+3,90) – US$ 100.000 e 10.000 pts
2.o lugar: Caitlin Simmers (EUA) com 3,94 pts (3,17+0,77) – US$ 63.000 e 7.800 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pts:
1.a: Caroline Marks (EUA) 11,66 x 9,80 Tyler Wright (AUS)
2.a: Caitlin Simmers (EUA) 15,73 x 12,34 Vahine Fierro (FRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 20.000 e 4.745 pts:
1.a: Tyler Wright (AUS) 12,50 x 12,26 Tatiana Weston-Webb (BRA)
2.a: Caroline Marks (EUA) 8,50 x 2,93 Stephanie Gilmore (AUS)
3.a: Vahine Fierro (FRA) 8,83 x 8,00 Carissa Moore (HAV)
4.a: Caitlin Simmers (EUA) 6,60 x 6,53 Molly Picklum (AUS)

RANKINGS DA WORLD SURF LEAGUE – 10 etapas de 2023:

TOP-10 DA CATEGORIA MASCULINA:
1.o: Filipe Toledo (BRA) – 58.300 pontos
2.o: Griffin Colapinto (EUA) – 50.860
3.o: Ethan Ewing (AUS) – 48.080
4.o: João Chianca (BRA) – 44.290
5.o: Jack Robinson (AUS) – 43.950
6.o: Gabriel Medina (BRA) – 43.240
7.o: Yago Dora (BRA) – 41.610
8.o: John John Florence (HAV) – 39.035
9.o: Leonardo Fioravanti (ITA) – 37.985
10.o: Ryan Callinan (AUS) – 33.145
——-outros brasileiros:
13.o: Italo Ferreira (RN) – 28.750 pontos
18.o: Caio Ibelli (SP) – 24.120

TOP-10 DA CATEGORIA FEMININA:
1.a: Carissa Moore (HAV) – 62.490 pontos
2.a: Tyler Wright (AUS) – 62.065
3.a: Caroline Marks (EUA) – 59.870
4.a: Molly Picklum (AUS) – 54.070
5.a: Caitlin Simmers (EUA) – 49.070
6.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 41.115
7.a: Lakey Peterson (EUA) – 40.760
8.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 38.980
9.a: Gabriela Bryan (HAV) – 35.505
10.a: Bettylou Sakura Johnson (HAV) – 31.805

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias