27 C
Papeete
quarta-feira, 24 julho, 2024
27 C
Papeete
quarta-feira, 24 julho, 2024

Australianos protestam contra instalação de parques eólicos

Moradores das regiões de Illawarra e Hunter, no estado de Nova Gales do Sul na Austrália, se uniram em um protesto em forma de remada contra a instalação de parques eólicos no oceano. Centenas de surfistas participaram dos ‘paddle-outs’ que aconteceram na praia One Mile, perto de Anna Bay, e na cidade de Wollongon, com o intuito de expressar suas preocupações com os impactos ambientais e sociais que esses projetos podem causar.

O governo federal australiano identificou as fazendas de vento offshore como parte fundamental do futuro de energia renovável do país. A zona da Hunter foi oficialmente declarada, enquanto outras, incluindo a Illawarra, estão prestes a ser anunciadas. No entanto, as comunidades litorâneas expressaram inquietação sobre a falta de consulta adequada e estudos detalhados sobre os potenciais impactos.

+ Opinião | Será o surf o novo esporte dos ricos?

Frank Future, operador de turismo de avistamento de baleias em Port Stephens, acredita que a proposta pode impactar a vida marinha. “Não se trata de resistência local, sabe?”, disse ele. “É sobre o ambiente marinho. Aqui, compartilhamos as populações de baleias que se movem para cima e para baixo ao longo da costa da Austrália com muitas pequenas comunidades costeiras como esta.”

“Acredito que podemos fazer muito melhor, e se o governo federal ouvir comunidades como esta, encontraremos um bom plano.”

O ministro federal de mudanças climáticas e energia, Chris Bowen, declarou formalmente a zona da Hunter como a segunda zona de vento offshore do país, após a costa de Gippsland, em Victoria. A localização das turbinas foi ajustada após a reação negativa da comunidade, sendo agora situada a aproximadamente 20 a 35 quilômetros da costa.

Jared Sutter, de Nelson Bay, participou da remada de manifestação e expressou sua insatisfação com a falta de consulta à população local. “Queremos energia limpa, mas queremos discutir sobre isso. É assim que deveria funcionar”, enfatizou.

Na Illawarra, cerca de 1.000 pessoas se reuniram em uma manifestação na cidade de Wollongong, também contra a proposta de um parque eólico no oceano que cobrirá uma área de 1.461 quilômetros quadrados. Os organizadores alegam que o governo federal não forneceu informações suficientes sobre a proposta.

Além disso, não houve transparência sobre questões cruciais, incluindo informações sobre meio ambiente, preservação das baleias e aves, bem como se isso afetaria a pesca comercial e recreativa.

Os manifestantes foram apoiados por diversos políticos, incluindo a One Nation MP Tani Milhailik, que instou a comunidade a resistir ao projeto. Após a manifestação, aproximadamente 200 surfistas remaram até o Farol de Flagstaff, que fica na cidade de Wollongong, formando um círculo na água em sinal de protesto.

 

Com a repercussão dos protestos, um porta-voz do ministro Chris Bowen afirmou que o governo oferecerá mais três oportunidades para a comunidade da Illawarra se manifestar e que todas as contribuições serão consideradas antes da declaração final da área. Eles enfatizaram o compromisso do governo em licenciar apenas projetos que respeitem o meio ambiente e proporcionem benefícios duradouros para a comunidade.

A manifestação na Austrália destaca o dilema contemporâneo em torno das soluções para os desafios ambientais. De fato, é fundamental encontrar um equilíbrio entre a necessidade de reduzir as emissões de carbono e a proteção do meio ambiente. Os estudos de impacto ambiental desses empreendimentos, portanto, devem ser rigorosos e transparentes, para que a população possa tomar decisões informadas.

+ Surf das Arábias: Slater, Medina e Filipe Toledo testam onda artificial em Abu Dhabi

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias