Publicidade:

Site cria vaquinha virtual para ajudar tetracampeã brasileira Tita Tavares

Tetracampeã brasileira, bicampeã do WQS e figura icônica do surf brasileiro, a cearense Tita Tavares é referência para muitos jovens atletas mesmo estando longe das águas desde 2008 por problemas de saúde.

Sem recursos, Tita passa por dificuldades e teve sua casa condenada após inspeção feita pela Defesa Civil, em 2020. Na época, a surfista realizou uma rifa para levantar fundos que a ajudariam a realizar a reforma.

Leia também:

+ Silvana Lima no Time Brasil das Olimpíadas

+ Guia das Olimpíadas: tudo sobre o surf

Contudo, o dinheiro não foi suficiente e com as poucas economias que tinha, a atleta iniciou uma obra no imóvel onde mora há 30 anos. Boa parte da casa foi colocada abaixo para ajuste na construção e ela agora precisa de ajuda para concluir as obras e reerguer seu imóvel.

Dessa forma, o portal sonoticiaboa.com.br lançou uma vaquinha virtual para levantar fundos e ajudar Tita a terminar a obra.

Além de reconstruir a casa, Tita ainda tem um grande sonho: abrir uma escolinha de surfe para os jovens locais do Titanzinho, onde vive há 30 anos. “Poder ensinar as crianças a arte do surfe é o meu grande sonho”, explica.

Tita precisa de 90 mil para reerguer a casa onde mora e abrir a escolinha de surfe juvenil em Fortaleza. Todo o dinheiro arrecado com a vaquinha vai para esses dois propósitos dela.

Acesse o Só Vaquinha Boa e faça a sua contribuição.

Sobre Tita Tavares

A cearense Tita Tavares é uma lenda do surf brasileiro. Tetracampeã brasileira, Tita chegou a ocupar a quarta posição no ranking das melhores do mundo e, em 1996, foi a primeira mulher a arrancar um 10 unânime dos juízes do WQS, do qual é bicampeã.

Hoje, a surfista está parada e supera obstáculos físicos desde a descoberta de um forte problema de hipertireoidismo (doença da glândula tireóide, que se caracteriza pela hiperfunção da glândula tiróide, que resulta em uma variedade de manifestações clínicas como taquicardia, perda de peso, nervosismo e tremores).

Ela vive com a renda de um salário mínimo, conquistado com o trabalho no projeto “Juventude na onda”.


Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias