Prata no surf feminino, Bianca Buitendag anuncia aposentadoria

Mais Lidas

Medalha de prata nas disputas de surf das Olimpíadas de Tóquio, a sul-africana Bianca Buitendag utilizou as redes sociais para anunciar um ponto final na carreira, com apenas 27 anos de idade.

A surfista utilizou as redes sociais para anunciar a decisão, justificando-a com uma perda que acabou por mudar a sua carreira nos últimos anos: a morte do pai. Algo que culminou com a sua saída do circuito mundial da WSL e a colocou fora do radar do surfe feminino de competição.

Leia também:

+ O poder do surf feminino

+ Skate nas Olimpíadas: seleção brasileira de Park chega ao Japão

+ Após frustração olímpica, skatista Nyjah Huston fala sobre saúde mental

Bianca Buitendag estabeleceu-se na década passada como uma das mais promissoras surfistas do circuito mundial feminino, onde foi a rookie do ano em 2013 e onde se afirmou como real candidata ao título mundial. Em 2015 terminou a temporada como número 4 do mundo e estava em franca evolução, contudo, a morte trágica de seu pai nesse mesmo ano, abalou a surfista profundamente. Bianca tinha apenas 22 anos.

A sul-africana ainda competiria em 2016, porém, terminou o ano fora da zona de classificação para o CT feminino. Em 2017 participou somente de algumas competições até desaparecer completamente dos pódios mundiais. As exceções foram os convites para competir na etapa sul-africana de J-Bay e o Mundial ISA em 2019, onde aceitou representar o seu país, acabando por ganhar a vaga de melhor africana para competir nas Olimpíadas de Tóquio.

Bianca Buitendag
Pódio olímpico do surf feminino: Bianca Buitendag (à esq.), Carissa Moore e Amuro Tsuzuki. Foto: Reuters

Em Tsurigasaki, Bianca deu show, surpreendendo adversárias e só foi parada pela havaiana Carissa Moore, na grande final.

Com a medalha de prata no peio e de volta aos holofotes, a sul-africana colocou um ponto final na carreira competitiva:

Que maneira de cruzar a linha de meta! Esta medalha marca o final de um lindo capítulo na minha vida. Nos Jogos Olímpicos vesti pela última vez a lycra de competição. Desde que o meu pai faleceu, as minhas ambições de vida mudaram drasticamente. O meu coração rapidamente se afastou do objetivo de perseguir notas em baterias. Passaram-se mais de 5 anos, o tempo suficiente para respeitar todos os objetivos a que me propus, ao meu lindo país, a mim e a tantas pessoas. Os jogos olímpicos alinharam-se, coincidentemente, como a oportunidade perfeita para este final”, explicou.

Mas embora esteja abandonando as competições, Bianca deixou claro que nunca perderá sua ligação ao mar. “Nunca vou parar de ir à água salgada sempre que tiver oportunidade. O mar é a minha terapia e é o lugar onde me sinto mais perto do céu”, esclareceu, mostrando que é, acima de tudo, uma surfista de alma.


Últimas Notícias