Publicidade:

Praias vazias na Tailândia se tornam ninho de tartarugas raras

Durante o isolamento social devido ao COVID-19, a Tailândia teve o maior número de ninhos em duas décadas de tartarugas marinhas raras em praias altamente frequentadas por turistas.

De acordo com a agência de notícias Reuters, 11 autoridades diferentes da vida selvagem em toda a Tailândia observaram o maior número de ninhos de tartarugas da espécie tartaruga-de-couro em 20 anos, em parte graças à falta da presença de humanos nos últimos meses nos locais.

“Este é um sinal muito bom para nós, porque muitas áreas de desova foram destruídas por humanos”, disse à Reuters Kongkiat Kittiwatanawong, diretor do Centro Biológico Marinho de Phuket .

LEIA MAIS: QUAL É O ITEM DE LIXO MAIS ENCONTRADO NAS PRAIAS DO BRASIL?
LEIA MAIS: GUARDA PROTEGIDA – A PRIMEIRA RESERVA DO BRASIL

“Se compararmos com o ano anterior, não tivemos tantas desovas, porque as tartarugas têm um alto risco de serem mortas por equipamentos de pesca e por seres humanos que perturbam a praia”, explicou o diretor.

A tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea) é a maior espécie viva de tartaruga, pesando até 900 kg e medindo até 1,8 metros. Ao contrário de outras espécies de tartarugas marinhas, elas não têm casca ou escamas duras, mas costas cobertas por uma firme pele de borracha. A espécie é considerada vulnerável à extinção sob a Lista Vermelha da IUCN e acredita-se que esteja sofrendo com números decrescentes em todo o mundo.

Na Tailândia, com 2.765 infecções e 47 mortes pelo novo coronavírus, as restrições de viagens que vão desde a proibição de voos internacionais até o apelo aos cidadãos para ficarem em casa causaram um colapso no número de turistas, mas libertaram as praias para a vida selvagem.

Tartarugas no Brasil 

Em fevereiro e março, mais de 200 tartarugas-de-pente, ameaçadas de extinção, e quase 90 tartarugas-verdes, nasceram em uma praia de Paulista, no estado de Pernambuco. Embora seus números não pareçam ser afetados pelas medidas de bloqueio do país, os as tartarugas recém-nascidas tiveram um passeio notavelmente mais pacífico até a água em comparação com os anos anteriores


Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias