Publicidade:

Quantidade de plástico no fundo do oceano é três vezes maior que na superfície

Temos muitos desafios com a poluição dos plásticos no oceano.

Ver as fotos da Grande Mancha de Lixo do Pacífico, com praias repletas de lixo e tartarugas recebendo pedaços de lixo em suas narinas, são nossa evidência visual de que este é um problema real e generalizado.

Entretanto, nenhuma dessas coisas parece comunicar a ameaça direta que a poluição do plástico no oceano representa para a vida humana.

LEIA TAMBÉM: A ilha de lixo das Maldivas

Os microplásticos apresentam problemas diretos para as pessoas. São os plásticos que não se quebram totalmente e são deixados flutuando na água.

Na água, podem trabalhar seu caminho para a cadeia alimentar da vida marinha e, eventualmente, de volta para nossa própria cadeia alimentar.

Os cientistas agora estão até mesmo encontrando provas de que as toxinas dos microplásticos podem ser descobertas em órgãos humanos. E esse é o ciclo de vida que está sendo abordado ao tentar resolver a poluição do plástico.

Embora a evidência visual de grandes pedaços de lixo flutuando na superfície do oceano tenha sido bem documentada, estudada e medida, um novo estudo da agência científica do governo da Austrália, CSIRO, analisou a quantidade de plástico que está se quebrando sob a superfície.

Eles enviaram submarinos robóticos para diferentes profundidades da Grande Baía Australiana, a centenas de quilômetros da costa, a partir de 2017.

Na sequência, pesaram e classificaram cada amostra para decifrar entre as partículas, determinando exatamente quanto era composto de microplásticos.

“Com base em nossos dados empíricos, estimamos conservadoramente que 14 milhões de toneladas de microplástico residem no fundo do oceano”, conclui o estudo.

Essa estimativa significa que pode haver mais de 30 vezes mais plástico no fundo dos oceanos do que flutuando em sua superfície.

Em média, cada grama de sedimento contém 1,26 pedaços de microplástico. Algumas amostras de sedimentos tinham até 13,6 partículas por grama. A partir daí, eles criaram o que hoje é considerada a primeira estimativa global de prevalência de microplásticos no fundo do mar.

“Isso significa que está em toda a coluna d’água. Isso nos dá uma pausa para pensar sobre o mundo em que vivemos e o impacto de nossos hábitos de consumo no que é considerado um lugar mais imaculado ”, disse a Dra. Denise Hardesty, uma das principais pesquisadoras da CSIRO.

“É útil dar às pessoas uma noção do escopo e da escala de que estamos falando.”

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias