25 C
Papeete
domingo, 23 junho, 2024
25 C
Papeete
domingo, 23 junho, 2024

Piscina de ondas no Havaí: lendário surfista enfrenta oposição

A construção da “Honokea Surf Village”, projeto de piscina de ondas no Havaí apoiado pelo lendário surfista havaiano e waterman Brian Keaulana, vem sofrendo um processo por parte de líderes comunitários locais e divergindo opiniões.

Brian Keaulana é o típico homem do mar nativo havaiano, conhecido no Havaí e além por sua profunda compreensão do oceano, dotado de habilidades de surf e salva-vidas transmitidas por seu pai, um surfista de ondas grandes.

esporte em sua terra natal, construindo uma piscina de ondas artificiais na estrada da praia.

A proposta ousada causou sensação no Havaí, principalmente entre alguns nativos havaianos, e levantou questões sobre como um esporte moderno seguido por milhões em todo o mundo se encaixa no legado cultural dos ilhéus que surfam nas ondas há milênios.

O projeto chegou ao tribunal e reflete o desconforto que alguns nativos havaianos sentem sobre a comercialização do que há muito tempo é uma pedra de toque cultural.

“A beleza do surf, e a frustração do surf a nível recreativo e competitivo, continua a ser a imprevisibilidade e a forma como os surfistas têm de ter reflexos para lidar com a mudança das condições,” disse ela.

 

A ação – movida no tribunal ambiental estadual por um grupo de havaianos e residentes perto do local proposto – alega que a piscina artificial de 7 milhões de galões (26 milhões de litros) danificaria algas marinhas próximas à costa e profanaria iwi kupuna – a ancestralidade havaiana.

Ao tentar interromper o projeto, o processo contesta a aprovação da Autoridade de Desenvolvimento Comunitário do Havaí e a constatação de que não haverá impactos ambientais significativos. A autoridade de desenvolvimento e o gabinete do procurador-geral do estado se recusaram a comentar o processo, que busca uma nova revisão ambiental.

Uma audiência está marcada para julho e não está claro quando um juiz pode decidir.

A piscina artificial estaria a 3,2 quilômetros de uma praia chamada White Plains, há muito tempo um pico de surf popular.

Uma piscina de ondas foi aberta recentemente nas proximidades e os oponentes dizem que outra é desnecessária e um desperdício de água.

Mas Keaulana continua comprometido, observando que as condições do oceano nem sempre são ideais para aprender a surfar ou salvar vidas.

Em uma tarde recente, ninguém estava surfando na praia de Makaha, no oeste de Oahu, onde Keaulana cresceu. As condições eram muito calmas, apesar da reputação mundialmente famosa de Makaha por sua feroz quebra na costa.

“O oceano é o maior tesouro que temos”, disse ele, mas “pode ser flat. Pode ser grande. Pode estar sujo. Pode ter, você sabe, tubarões aqui e ali.”

Ele teme que os aspirantes ao surfe olímpico do Havaí estejam em desvantagem em relação aos competidores que podem treinar facilmente em um dos vários parques de surf do mundo. Uma piscina de ondas permite mais tempo em uma prancha de surf em uma hora do que a maioria dos surfistas passa no oceano em uma semana, disse ele.

“Você vê esses surfistas indo para esses parques de surf e pegando onda após onda e eles estão aprimorando suas habilidades e então vão para o oceano quando há um swell”, disse ele.”

Usando a tecnologia mais recente, a instalação simularia as condições ideais necessárias para manter os melhores surfistas competitivos e serviria como um “laboratório salva-vidas” para ensinar habilidades de segurança em um ambiente controlado, disse ele.

Seu parceiro de negócios, Keno Knieriem, disse que as ondas podem ser personalizadas com um toque em um tablet, observando que um sistema eletromecânico usaria painéis para gerar até 1.000 ondas por hora, imitando ondas oceânicas de até 2,4 metros de altura. Cerca de 80 surfistas podem trabalhar em ondas diferentes simultaneamente: ondas altas, ondas grandes, ondas para crianças, disse Knieriem.

“Isso seria incrível”, disse o surfista profissional Sheldon Paishon sobre os detalhes.

Ele cresceu surfando em Makaha e agora surfa em todo o mundo, e treinou na piscina de ondas Slater e no Texas. “Quando as ondas estão pequenas… a gente pode ir lá e fazer o nosso trabalho.”

Ikaika Kaulukukui, gerente de operações de surf da piscina de ondas existente em uma instalação chamada Wai Kai, disse que melhorou seu surf.

“Todo mundo vem para o Havaí para as grandes ondas de inverno, como se fôssemos … a meca do surf de ondas grandes … mas isso não vai acontecer aqui … todos os dias”, disse ele.

Sonoda-Pale, que se autodenomina protetora da água, questionou se uma piscina de ondas é realmente necessária para se destacar no surf. Embora tenha surfado na juventude, ela não é mais uma surfista ativa.

“Eu sei como uma prática cultural de nossas histórias, quando o surf estava em alta, as famílias largavam tudo o que estavam fazendo e saíam para surfar”, disse ela. “Então, a linha do tempo de quando surfar, quando é uma boa hora para surfar… foi feita pela natureza, foi feita por Kanaloa”, acrescentou ela, referindo-se ao deus havaiano do oceano.

Knieriem disse que o projeto incorporaria a conservação de água e eletricidade fora da rede e apresentaria plantas nativas em seu paisagismo.

Keaulana disse que um terreno vago em uma área fora de Honolulu conhecida como Kalaeloa foi selecionado porque não era intocada e havia sido usado como local de teste de motores de aeronaves para os militares dos EUA.

Além de uma piscina de surf, o local de 19 acres (7,6 hectares) também contaria com escalada, vôlei de praia, skate e outras atividades.

A instalação proposta está de olho na abertura do verão de 2024, embora não esteja claro como o processo pode afetar o cronograma.

“Reunimo-nos com vários consultores culturais havaianos e realizamos extensos estudos arqueológicos e ambientais para garantir que protegemos e mālama o local”, disse um comunicado da empresa online, usando a palavra havaiana que pode significar “cuidar de”.

Keaulana disse que espera que as diferenças possam ser resolvidas com o hooponopono, uma forma tradicional de mediação baseada na cultura. Os oponentes do projeto dizem que estão abertos a tal encontro.

“Estou mais decepcionado comigo mesmo. Eu senti – e nós sentimos – que praticamente tentamos fazer todo o possível ”, disse Keaulana sobre as preocupações com o projeto. “Sinto que ser havaiano é encontrar-se e resolver suas diferenças e problemas.”

Clique aqui e confira o site oficial do projeto.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias