Publicidade:

Foi pego pela água-viva? Saiba como se virar nesse perrengue

As águas-vivas vêm ao litoral brasileiro em busca das águas mornas de nosso verão. Fique atento às dicas que podem ajudar caso você seja queimado por uma dessas “gelatinas”.

O verão brasileiro atrai uma grande quantidade de pessoas para nossas praias para desfrutar das benesses da estação.

No reino animal isso não é diferente, e é também atrás do clima de acasalamento que as águas-vivas, principalmente as caravelas, migram das Malvinas (Atlântico Sul) para se reproduzir em águas mornas brasileiras (do Rio Grande do Sul a Pernambuco). Quase nenhuma praia escapa da invasão desses invertebrados marinhos e quando o clima esquenta, é comum se queimar ao entrar em contato com um deles.

WSL lança vídeo com os melhores momentos da estreia feminina em Pipe

Petterson Thomaz e amigos surfam dia clássico na Praia Brava (SC)

Técnico de Medina, Andy King, irá treinar o time australiano

Vidal Haddad Jr., professor de dermatologia da Unesp, explica que a incidência de águas-vivas varia de acordo com a região. Só a região Sudeste contabiliza 80% dos acidentes: “Na maioria das vezes são provocados por uma pequena água-viva chamada ‘reloginho’ e não há grandes consequências.

Os acidentes mais graves são causados por caravelas e cubomedusas (corpo quadrado)”. Ao entrar em contato com uma dessas “gelatinas”, a forte ardência nos leva a crer que fomos queimados, porém, o que acontece é um envenenamento ocasionado pelos tentáculos.

água-viva
Ao contrário das águas-vivas comuns, a caravela (foto) possui um veneno poderoso e perigoso. Foto: Shutterstock

As águas-vivas têm células de defesa que descarregam veneno e proteínas alergênicas na pele da vítima. O envenenamento causa dor intensa instantânea e inflamação no local”, explica o dermatologista.

O senso comum diz para urinar na região “queimada”, porém, essa prática é desaconselhada devido à possibilidade de infecção.

Compressas de água do mar gelada e vinagre são medidas simples, baratas, fáceis de aplicar e efetivas, especialmente para acidentes de média gravidade”, conta Haddad. O professor diz que em casos mais graves, que podem ocasionar falta de ar, dor insuportável e arritmias cardíacas, é importante buscar um tratamento hospitalar.

Ainda de acordo com Haddad, jogar água doce no local é um grande erro, porque assim são disparadas as células venosas.

Foi pego pela água-viva? Saiba como se virar nesse perrengue (e o que não fazer):

01. Para aliviar a dor, faça compressas de vinagre, que diminuem o envenenamento, e de água do mar gelada, que funciona como anestésico.

02. Técnicas alternativas, como urinar, jogar Coca-Cola ou passar areia no local não funcionam e ainda podem infeccionar a região.

03. Nunca jogue água doce no local inflamado, isso apenas iria disparar mais células venenosas e aumentar a dor.

04. Evite manipular águas-vivas que aparentemente estão “mortas” na areia, pois o veneno de seus tentáculos pode ainda estar ativo. A orientação é enterrá-las com cuidado em algum canto isolado, pois alguma pessoa pode acidentalmente pisar em cima delas e se ferir.

05. Perfumes e exposição solar intensa na área lesionada devem ser evitados até que a lesão sare

*Texto: Rafael Thomé

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias