25 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024
25 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024

Para se emocionar, documentário conta a história de empoderamento de um grupo de surfistas africanas

Em uma pequena comunidade em São Tomé e Príncipe, um movimento liderado por jovens surfistas africanas está fazendo história ao pregar empoderamento e igualdade de gênero nos lineups da região. Lançado no início desse mês, o documentário “Surfing Through Adversity: The SOMA Story” retrata a questão, além de comprovar como o surf pode ter um impacto profundo em comunidades carentes.

Para formar o grupo de surfistas, em 2020, a diretora da SOMA Surf, Francisca Sequeira, literalmente bateu de porta em porta para convidar mulheres a ter aulas de surf. Desde então, um pequeno, mas crescente, grupo 100% feminino passou a se desafiar e evoluir nas ondas ao redor de São Tomé.

A missão da SOMA, cujo significado da palavra é Surfista Orgulhosa da Mulher da África, é combater a desigualdade de gênero por meio do surf, além de promover apoio acadêmico e suporte para a saúde mental das mulheres participantes. O documentário não apenas narra a história inspiradora das jovens surfistas, mas também destaca a importância crucial da representatividade feminina na comunidade do surf.

Além da obra cinematográfica excepcional, o filme também recebeu o apoio do banco de imagens Shutterstock.com. “A Betclic [produtora do filme] queria apresentar SOMA como parte de sua iniciativa, que visa chamar a atenção para atletas despercebidos e sub-representadas”, explica um blog no Shutterstock.com . “A agência deles, Coming Soon, procurou vários fornecedores de imagens para encontrar fotos de garotas negras surfando. No entanto, para surpresa e consternação de todos, não conseguiram encontrar esse conteúdo.”

A parceria entre a Betclic e o Shutterstock Studios foi essencial para criar não apenas o documentário, mas também a primeira coleção de fotos de mulheres negras surfando disponível em um banco de imagens global. Os lucros dessa coleção serão direcionados diretamente para a SOMA, fortalecendo ainda mais sua missão de motivar e capacitar as mulheres em São Tomé e Príncipe.

Uma das fotos disponíveis no shutterstock.com – Foto: shutterstock

No contexto de São Tomé, a segunda menor nação africana, onde 67% da população vive abaixo da linha da pobreza e apenas 34% das mulheres chegam ao ensino médio, a SOMA Surf se torna uma luz de esperança. O programa anual oferecido em Santana, a vila capital do distrito de Cantagalo em São Tomé e Príncipe, inclui aulas de surfe, suporte acadêmico, psicoeducação e atividades de empoderamento.

“Na realidade dessas garotas, surfar sozinhas e os benefícios do surf foram apenas o começo de uma mudança de paradigma”, revela Francisca Sequeira, fundadora da SOMA Surf. “Para combater a desigualdade de gênero, gravidez precoce e baixo desempenho escolar, entre outros desafios, precisávamos complementar as atividades de surf com uma estrutura que oferecesse mais, como uma escola não formal e um espaço seguro para mulheres, ambiente esse que antes não existia na região.”

+ Mulheres se tornam surfistas e iniciam revolução de liberdade no Sri Lanka

Ao ganhar a confiança da comunidade por meio do surf, a SOMA Surf não apenas transforma vidas nas ondas, mas também inicia diálogos importantes sobre confiança, educação sexual e o papel das mulheres na sociedade.

O documentário e a iniciativa “Surfing For Possibilities” elevam a voz dessas jovens mulheres em São Tomé e Príncipe, além de fortalecerem o chamado para uma mudança efetiva na desigualdade racial e de gênero na comunidade do surf.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias