Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Nua, Felicity Palmateer lança filme artístico de surf. TRAILER


Em 2018, a surfista australiana Felicity Palmateer, 28, anunciou que faria algo um pouco polêmico, ao criar um filme de surf nu que fazia parte de um projeto de arte.

Após três anos de produção, “Skin Deep” está oficialmente no ar.

“O oceano tem sido meu playground, moldou minha vida desde que eu era jovem, assim como a arte”, disse Palmateer a respeito da inspiração para o filme.

+ Alana Blanchard leva o marido para nadar com tubarões-tigre

+ The Times enaltece pioneirismo de Maya Gabeira

“Eu uso o surf e a arte como formas de meditação, motivação e escapismo. Eu me sinto mais confortável quando estou surfando ou criando. Ser capaz de entrelaçar arte e surfe de uma forma tão íntima em um projeto como o Skin Deep tem sido muito gratificante.”

A ideia por trás do projeto foi de Palmateer foi simples: quatro minutos surfando pelada durante uma canção de Rufus.

Não se trata apenas de nudez para causar choque, embora isso certamente seja algo que atrairá atenção.

Assista ao trailer abaixo (e alugue o filme por $3.67):

“Eu criei esse conceito. Quer dizer, as pessoas já surfaram nuas antes, mas talvez não tanto. Eu realmente queria mostrar a beleza e o lado criativo disso para combinar minhas paixões pelo surf e arte e mostrar essa conexão entre mim e o oceano,” contou a atleta.

Segundo ela mesma conta, em “Skin Deep”, a surfista explora sua própria interpretação do que significa ser livre.

Desnudando-se e surfando ondas em locais remotos e idílicos, Palmateer empreende uma jornada rumo à autoexpressão desinibida. Em solitude, em casa, no mar, fazendo algo que ama.

Ao longo dos três anos de produção, Felicity e o produtor do filme, JJ Jenkins, enfrentaram vários problemas.

A maior parte deles eram questões relacionadas com simplesmente encontrar um lugar para filmar.

“Isso é realmente muito difícil de fazer”, disse Palmateer. “Há tantas filmagens que espero que ninguém nunca veja [risos] Porque é realmente difícil conseguir algumas fotos onde você mal vê muito com um pouco de modéstia. Eu realmente queria manter um visual de bom gosto, onde você pudesse ver a beleza e a criatividade nele. Então, sim, há muitos rejects [risos].”

“Muitas das zonas de surfe acessíveis que consideramos são habitadas o ano todo, então encontrar os locais ideais e levar em conta o clima e as ondas foi muito difícil. Outro grande componente dessa produção foi o sigilo. Não apenas para garantir que Felicity pudesse se sentir confortável atuando, mas para que pudéssemos viajar discretamente para áreas particularmente especiais e evitar pessoas, outras câmeras e multidões.”

Mas encontrar uma escalação vazia não foi o único problema.

“Antevemos o “Skin Deep” com dezenas de pessoas – amigos, família, colegas, a WSL e, acima de tudo, os patrocinadores da Felicity, e estávamos prestes a lançá-lo no final de 2018”, Jenkins disse.

Em meio a todo aquele vapor, tomamos um tapa na cara quando uma marca retirou total apoio do projeto.

“Do ponto de vista do marketing, eu pessoalmente achei que era um golpe certeiro – ainda acho. Há uma história de outras surfistas fazendo coisas semelhantes (as fotos da ESPN, por exemplo), portanto, para que o sustento de Felicity seja ameaçado por algo que, em minha opinião, é mais bonito, tem uma pureza única e já teve uma resposta extremamente positiva, foi decepcionante e difícil de compreender.”

+Notícias

Vale a pena surfar em...

Sabemos que a alimentação adequada é fundamental para a saúde, e quando abordada no...

Foi a melhor sessão de...

Será que o sábado, 16/01, foi o dia da melhor sessão de tow in...

Lar Mar: Felipe Arias deixa...

Aos poucos a comunidade do surf paulista e amantes do lifestyle praiano em geral...

Fotógrafo fratura as costas durante...

O fotógrafo australiano Ryan Moss fraturou as costas enquanto registrava imagens do swell histórico...