Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Neco Carbone assina primeira prancha de tandem surf do Brasil


Vídeo (imagens e edição): Paulo Camargo

 

No Havaí, o lendário Duke Kahanamoku já levava as mulheres para surfar, na modalidade que é conhecida como Tandem Surf.
A prática chegou na Califórnia, e foi aperfeiçoada com acrobacias testadas por líderes de torcidas e surfistas fissurados.

No Brasil, ainda não se tinha registro de nenhum casal que se aventurasse na modalidade, pelo menos, de maneira oficial. Até aparecer o casal Eduardo de Araújo Lima e Gabriella Cardoso dos Santos, que moram no Recreio, Rio de Janeiro, e são autores do projeto Surf Duplo, que tem por objetivo trazer essa prática centenária havaiana para o Brasil.

O casal Gabi e Duda recebem apoio da Lar Mar, que recentemente abriu portas em São Paulo, em um espaço conceito   na R.João Moura, 613, em Pinheiros. E uma tríade formada pela Lar Mar, pelo casal, e pelo shaper Neco Carbone [que tem uma sala de shape no local, e em breve, oferecerá aulas de shape também], deu origem à primeira prancha de Tandem Surf no Brasil. No vídeo dessa matéria (topo), você assiste ao processo de produção da prancha.

Criador e criatura: Neco Carbone com a primeira prancha de tandem surf do Brasil. 

HARDCORE falou com Neco Carbone, e com o casal Gabi e Duda, para obter mais detalhes sobre a produção. Confira:

“Foi a primeira prancha de tandem que eu fiz,” conta o shaper Neco Carbone a respeito do modelo 11 pés, feito sob medida para o casal.

Quais foram os desafios? “Entender as necessidades da dupla. Eles usavam uma prancha de stand up paddle, que não era ideal para o que eles precisavam. Ela era estável, mas muito difícil para controlar e manobrar. As respostas eram lentas, fora outros problemas, como falta de curva no bico. A prancha tem 11 pés e é de EPS / epóxy, para ficar mais leve. A pesquisa e test drive que eles fizeram em outras pranchas foi muito produtiva, sem isso talvez não atingíssemos o sucesso que conseguimos logo na primeira prancha. Não copiamos nenhuma prancha, utilizamos como base os volumes das pranchas, no mais, considerei meus conceitos de design de longboards, mas com dimensionamento para o peso dos dois,” explica Neco.

“Fui cinco vezes para o Hawaii e sempre via os locais surfando com as meninas. Isso ficou na minha cabeça. Quando começamos a namorar, há quatro anos, vi que a Gabi já adorava mar e tinha jeito para o surf. Aí, coloquei ela em um longboard e foi muito divertido. Começamos a pesquisar e vimos que muita gente no Brasil nunca tinha visto isso. Achamos super legal sermos os primeiros a trazer essa cultura havaiana para cá – com muito espírito Aloha,” conta Eduardo.

Play no vídeo – e veja o casal em ação.

Acompanhe o casal no Instagram aqui.

+Notícias

Surf perigoso no Havaí com...

Surf perigoso no Havaí? Estamos sentindo cheiro de Mason Ho. Há quem diga que Mase...

Daniel Adisaka de Ubatuba para...

"Eu sou do litoral paulista, moro em Ubatuba, então, são dois lugares diferentes, climas...

Assista à piscina Surf Lakes:...

"Pumped" traz uma visão de 13 minutos das instalações da piscina Surf Lakes, a...

Yago Dora ao som de...

"Uma manhã de altas ondas no Sul da Ilha." Essa é a legenda modesta que...