27 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024
27 C
Papeete
sábado, 13 julho, 2024

Mostra explora origens indígenas do surf no Havaí

“He’e Nalu: The Art and Legacy of Hawaiian Surfing” é o nome da exposição que explora a cultura de Kānaka Maoli, o povo indígena do Havaí, através da história e significado cultural do surf havaiano.

+ Conheça o surfista doutor Cliff Kapono 

Com curadoria de Carolyn Kuali’l (Kānaka Maoli) e Velma Kee Craig (Diné), a mostra acontece no Heard Museum, em Fênix, Arizona, nos Estados Unidos, e inclui obras de arte contemporâneas; instalações específicas do local e material histórico feito por profissionais culturais.

Alessa U’i Nani Qizon Holloway, em Mākaha, O’ahu, 2016. Foto: Haʻa Keaulana

A expo traz uma nova perspectiva para o espaço, uma vez que o Heard Museum mostra predominantemente obras de arte tradicionais e contemporâneas de povos indígenas do sudoeste. No entanto, a exposição parece fragmentada, em parte porque eleva as vozes dos nativos havaianos sem estabelecer firmemente os fundamentos da narrativa Kānaka Maoli.

Logo no início, os espectadores veem Papa He’e Nalu I ka Wā Akua (Surfing in The Time of the Gods) (2022), uma impressionante pintura em preto e branco de Solomon Robert Nui Enos (Kānaka Maoli), que está enraizada no história da criação havaiana. Veja:

Papa He’e Nalu I ka Wā Akua, de Solomon Robert Nui Enos (Kānaka Maoli).

Na pintura acima, akua (deuses) montados em skates transmitem o pono (equilíbrio) que é central para o corpo humano e o resto do mundo natural.

Ao refletir a natureza do surf como uma prática espiritual e cultural, o trabalho apenas sugere o papel da cosmologia nas tradições de contar histórias dos nativos havaianos.

 

Foto cortesia de Anne BC Stone & Tom Pohaku Stone. Crédito: Anne BC Stone

Ao longo de uma parede de uma galeria adjacente, vários tipos de pranchas de surf feitas por Tom “Pōhaku” Stone (Kānaka Maoli) sugerem a amplitude das práticas de surf na cultura nativa havaiana, ao mesmo tempo em que chamam a atenção para o artesanato e a materialidade desses objetos.

Kandis Quam, “Morning Prayer” (2022), pintura acrílica sobre shapes de skate. Foto: Lynn Trimble/Hyperallergic

Retratos de papel recortado à mão de ícones nativos havaianos que contribuíram para o esporte e a prática cultural do surf estão pendurados nas proximidades.

“Criados por Ian Joseph Kekoa Kuali’i, os retratos combatem a marginalização e o apagamento de Kānaka Maoli, ao mesmo tempo em que frustram aqueles que buscam percepções mais profundas sobre a natureza única da história da cultura,” escreve o hyperallergic.com.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias