Publicidade:


Publicidade:

Mais de 47 toneladas de lixo plástico encontradas em reserva dos EUA

Em pouco mais de três semanas, mais de 47 toneladas de lixo plástico foram removidos da maior reserva marinha protegida da América, no monumento nacional marinho Papahānaumokuākea, nas remotas ilhas do noroeste do Havaí.

Uma expedição passou 24 dias limpando 10 milhas da costa nos atóis e ilhas. A equipe, liderada por uma organização sem fins lucrativos com apoio de órgãos estaduais e federais, coletou 42.851 kg de entulho marinho, visando especificamente resíduos que apresentam risco de emaranhamento aos animais, como equipamentos de pesca abandonados, também chamados de redes fantasmas.

“Em nosso primeiro dia, encontramos uma foca-monge havaiana de quatro anos que tinha um pedaço de rede enrolado apertado no pescoço”, disse Kevin O’Brien, presidente do Papahānaumokuākea Marine Debris Project, organização sem fins lucrativos que liderou a equipe.

Veja também: 
+ Encontrado mais lixo plástico do que microogranismos nas algas do Recife
+ Remadores de stand up salvam tartaruga de lixo plástico
+ Microplásticos: saiba mais sobre os principais responsáveis pela poluição aos oceanos

A tripulação conseguiu remover a rede, disse O’Brien, acrescentando que era rotina para eles encontrarem animais emaranhados em escombros.

“Não há presença humana permanente testemunhando esses eventos e é tão revelador que em um dia encontramos uma foca-monge emaranhada”, disse ele. “Para cada um que vemos, deve haver muitos mais que passam despercebidos.”

Dos resíduos coletados na expedição, as redes fantasmas representaram quase 36.287 kg enquanto mais de 6.350 kg eram de plásticos oceânicos, como boias de pesca, cestas, garrafas plásticas e isqueiros.

A reserva marinha, localizada a mais de 2.100 milhas de Honolulu, cobre mais de meio milhão de milhas do Oceano Pacífico e é um habitat crucial para a ameaçada foca-monge havaiana, bem como para a tartaruga verde ameaçada e 14 milhões de aves marinhas.

No entanto, as correntes oceânicas e sua localização perto da mancha de lixo do Grande Pacífico, fazem com que os detritos se acumulem nas praias desabitadas.

Mais de 2 milhões de quilos de detritos marinhos foram removidos do monumento desde 1996.

Estima-se que 11 milhões de toneladas de resíduos plásticos chegam aos oceanos do mundo a cada ano, uma quantidade que deverá triplicar nos próximos 20 anos.

A pesquisa sugeriu que os peixes podem procurar ativamente por detritos de plástico porque os pedaços podem cheirar a presas, e no Havaí alguns peixes começam a consumir plástico poucos dias depois de nascerem.

A expedição ao monumento nacional marinho, organizada pelo Papahānaumokuākea Marine Debris Project e com o apoio do estado do Havaí, Noaa, do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA e da Hawaii Pacific University, envolve membros da tripulação caminhando pela costa, às vezes arrastando centenas ou milhares de quilos de resíduos.

As redes, geralmente trazidas para a costa por tempestades, muitas vezes precisam ser cavadas, enquanto o plástico com menos de 10 cm é deixado para trás.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Abertura do Rottnest Search 2021...

Depois de três eventos repletos de ação na Austrália, os melhores surfistas do mundo...

Ressaca em Copacabana! Onda rara...

A melhor época de ondas do Rio de Janeiro chegou com força e no...

Baleia Jubarte de 30 T...

As baleias Jubarte estão entre as maiores baleias que existem chegando aos 15 metros...

“Impossível organizar Jogos Olímpicos seguros,”...

Em uma mensagem ao governo, um sindicato de médicos do Japão diz que nesse...