28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024
28 C
Papeete
terça-feira, 21 maio, 2024

Leis para proibir plásticos ou verbas para limpar?

Enquanto as ondas quebram na superfície, um problema muitas vezes invisível se desenrola pouco abaixo. Escovas de dente, brinquedos, redes de pesca e embalagens de alimentos formam um caldo espesso de dejetos à base de petróleo e gás. Anualmente, pelo menos 14 milhões de toneladas de plásticos invadem os mares, um alerta iminente sobre os perigos que essa poluição representa para os ecossistemas marinhos.

A organização The Ocean Cleanup, com sua missão de enfrentar esse cenário, afirma ter retirado 7,5 milhões de toneladas de plástico desde o início da década. Seus métodos incluem redes em formato de U e barreiras flutuantes para conter o lixo nos rios antes que alcance os oceanos. A meta declarada é remover 90% do plástico na superfície oceânica, caso haja suporte financeiro adequado.

Contudo, as ações da The Ocean Cleanup não escapam de críticas. Financiada por corporações associadas à poluição plástica, como Coca-Cola e Sabic, a organização é acusada de contribuir para o “greenwashing”, prática que permite a empresas negligenciarem danos ambientais. ONGs como Ocenacare e a Agência de Investigação Ambiental questionam a eficácia dessas tecnologias de limpeza, alegando que desviam a atenção da necessidade primordial de reduzir a produção de plástico que acaba nos oceanos.

Líderes mundiais se reuniram em Nairóbi para discutir um tratado global de combate à poluição plástica, semelhante ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Empresas como ExxonMobil e Saudi Aramco, que estão realizando investimentos significativos na produção de plástico, contribuem para as projeções preocupantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD). Segundo estudos da entidade, o lixo plástico mal gerido deve triplicar até 2060. A ameaça iminente de ter mais plástico do que peixes nos oceanos até 2050 torna urgente a adoção de medidas eficazes.

“Se a banheira enche e transborda, é possível tentar bombear a água para fora, mas o que deve ser feito de verdade é ir direto para a fonte do problema e fechar a torneira”, explica Marcus Gover, diretor da iniciativa de plásticos da ONG Minderoo Foundation.

Enquanto simulações de acordos sugerem a redução em 95% do lixo plástico até 2040, a proposta exige regras juridicamente obrigatórias para redução da produção, eliminação de plásticos problemáticos, expansão da reciclagem e aprimoramento dos métodos de descarte.

+ Entrou no coração: duas notícias estarrecedoras sobre a situação dos plásticos no planeta

O lobby da indústria do plástico, porém, segundo a professora de ecotoxicologia Bethanie Carney Almroth, busca atrasar regulamentações. A imposição de limites à produção de plástico é defendida por evidências científicas, mas as atenções muitas vezes são desviadas por propostas de limpeza dos oceanos e reciclagem química, questiona a especialista.

“É um meio encontrado pelas empresas para, de certa forma, comprarem sua liberdade”, disse a especialista. “É como um passe livre para sair da prisão.” Mas as pessoas que fazem o trabalho sujo de limpeza não enxergam a situação como uma escolha binária.

O dilema persiste: a urgência de limpar o que já está no oceano demanda atenção, mas sem negligenciar a necessidade crucial de implementar medidas preventivas que interrompam o contínuo influxo de plástico para preservar o equilíbrio delicado dos ecossistemas marinhos. Enquanto a comunidade internacional busca soluções para esse desafio monumental, a interseção entre interesses econômicos, propostas tecnológicas e a responsabilidade ambiental moldam o debate em torno do futuro de nossos oceanos.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias