Publicidade:

Joel Parkinson e Mick Fanning no swell épico de 2022

O ano de 2022 começou de forma muito especial na costa leste australiana. O ciclone tropical Seth explodiu nos principais picos como Kirra e Snapper e muita gente aproveitou. Inclusive Mick Fanning, Joel Parkinson e Mikey Wright.

Mas o swell causado por Seth não é exatamente uma “brincadeira” de verão. “Eu não sei há quanto tempo não ficava com meu coração na boca remando em uma onda”, fala o experiente Joel Parkinson.

Veja também:

Pipeline: 2022 começou bem com Carissa Moore, Billy Kemper e Seth Moniz

John John Florence pega a melhor onda do seu inverno

‘Chuva de peixes’ atinge cidade nos EUA; conheça o fenômeno

À medida que o ciclone avançava pela costa, o mar na Gold Coast aumentava rapidamente. Uma manhã bagunçada de domingo se transformou em um início de tarde ainda maior. E muita gente de olho. Em Snapper, Parko estava esperando a maré cair: “De manhã, era uma corrente contrária realmente pesada que carregava de volta. Não é bom assim, mas eu sabia que assim que a maré baixasse, a corrente iria para o outro lado.”

Joel
Definitivamente, Parko sabe o que faz – Foto: Swilly

Tudo foi muito rápido. Joel estava em casa quando soube das ondas por Nick Vasicek. Nick disse que tinha acabado de ver duas das melhores ondas de Snapper que ele já viu rolar nessa época. Mas, Parko pensou que poderia simplesmente remar. “Eu desci, pulei e nem consegui chegar lá”, disse ele. “Você não conseguia, simplesmente não conseguia. Você remava e não chegava a lugar nenhum, só assistia as ondas tubulares de 6-8′ descendo em sua direção por trás da pedra. Você remava por 15 minutos e andava 10 metros quando precisava de 100 metros. Você simplesmente se senta na sua prancha e desiste, dá meia volta e tenta novamente.”

Backside attack de Nick Vasicek – Foto: Swilly

A salvação foi um piloto de jetski que veio de Kirra e decidiu ajudar. “Ele nos deu uma carona e nos deixou no pico, mas mesmo assim, em 20 segundos você era arrastado”

Mikey Wright em Kirra – Foto: Aaron Pierce

Naquele momento, Joel pensou que era hora de partir para o towin. Ele fez isso e pegou um monte dessas ondas de 6 a 8 pés. Mas, o vento continuou mudando à medida que o ciclone também mudava. No meio da tarde, o vento balançou forte de leste e depois passou para sul-sudeste. Isso ajudou Snapper, mas mais ainda Kirra. Mitch Crews não tinha certeza se deveria surfar ou não — ele é uma das muitas pessoas na Gold Coast que tinha acabado de se recuperar da Omicron. Pensou em tirar mais um dia de descanso, mas quando desceu para olhar Kirra na tarde de domingo, partiu para a água.

Mitch testou a recuperação no swell épico – Foto: Swilly

Na segunda-feira cedo, o vento estava ótimo. Um pequeno número de pessoas ajudadas por jetski no outside de Currumbin, mas a maioria dos especialistas estava em Kirra, onde rapidamente, o crowd se organizou: remadores em cima, towin um pouco mais para baixo.

Aliás, isso é uma coisa interessante em dias maiores em Kirra. Durante anos, houve muita confusão entre towin e surf de remada. Atualmente, o conflito parece ter, em grande parte se resolvido: os jetskis ficam onde a corrente é forte e difícil de remar, enquanto os remadores ficam na parte menos afetada pela correnteza.

Mick Fanning sempre presente – Foto: Aaron Pierce

 

No final da segunda-feira, a Gold Coast ainda estava de ouro, mas bem menor. Muitos surfistas ficaram felizes com as condições menores e perfeitas.

Não se sabe qual foi a última vez que um ano começou assim na Austrália.

“Toda a areia se foi agora,” diz Joel Parkinson. “Mas pode voltar muito rápido. Este pode ser um daqueles anos.”

 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias