Gabriel Medina pressiona COB para levar Yasmin Brunet a Tóquio

Mais Lidas

Segundo reportagem da CNN Brasil, Gabriel Medina estaria pressionando o Comitê Olímpico do Brasil (COB) para a inclusão de sua esposa, Yasmin Brunet, junto à delegação brasileira de surf.

A entidade, contudo, estaria resistindo ao pedido do atleta, alegando que, por haver uma limitação de credenciais para as delegações, a política do COB é de que os acompanhantes de cada atleta tenham funções estritamente técnicas.

Leia também:
+ Tudo sobre o surf nas Olimpíadas de Tóquio

+ O quiver de Gabriel Medina para o Surf Ranch

Ainda, segundo informa a reportagem, em virtude desta limitação, cada surfista da equipe brasileira terá o acompanhamento de apenas um profissional da área técnica e com experiência comprovada.

Este seria o caso de Andy King, atual técnico de Medina, já confirmado para acompanhá-lo no Japão. Porém, ao ser entrevistado pela CNN, Gabriel afirma que os outros surfistas da equipe brasileira teriam direito a dois acompanhantes, motivo pelo qual fez o pedido ao COB.

“Tenho conversado bastante com o COB. A gente pode levar para o Japão duas pessoas dentro da comissão, e cada atleta está levando o seu pessoal. O Ítalo [Ferreira] está levando um amigo que o ajuda, e comigo estão dificultando”, declarou Medina à CNN.

Bicampeão mundial de surfe e atual líder ranking de 2021 da WSL, Gabriel Medina é uma das principais esperanças do Brasil para a conquista de medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Para ler a entrevista completa clique AQUI.

Confira a nota do COB (atualizado em 17/06/2021):

De acordo com o regulamento dos Jogos Olímpicos, somente um profissional que esteja credenciado na lista larga pode substituir outro. Além disso, há uma limitação de credenciais para as delegações, e a política do COB é de que os oficiais tenham funções estritamente técnicas. Em virtude desta limitação, cada atleta do surfe terá acompanhamento de um profissional da área técnica com experiência comprovada. A limitação de credenciais para oficiais segue as diretrizes do comitê organizador, que ficaram ainda mais restritivas com intuito de proteger a saúde dos atletas por conta da pandemia. 

Necessariamente, o credenciado tem que ser um profissional que tenha ligação com a modalidade, e o COB seguiu expressamente este critério para a aprovação de qualquer credencial No ano passado, o COB informou aos atletas de todas as modalidades sobre a existência do programa “Familiares e Amigos”, pelo qual o comitê daria todo o suporte para que os competidores pudessem receber as pessoas mais próximas na cidade sede dos Jogos, de forma a ter por perto todos aqueles que os ajudam no dia-a-dia, inclusive com ingressos para as competições e espaço específico do Time Brasil para encontros. Infelizmente, em decorrência da pandemia, o COB teve que cancelar este programa.

O Japão impôs diversas restrições a todos os países participantes, impedindo inclusive a entrada de familiares, amigos, fãs e turistas no país durante o período dos Jogos, que também devem ocorrer sem público. Em maio, COB e Gabriel Medina acordaram que o treinador Andy King seria oficial credenciado para atuar como treinador do atleta nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O COB não faz distinção entre os atletas.


Últimas Notícias