Publicidade:

Publicidade:

Publicidade:

Como adaptar nosso corpo a situações extremas?



Como adaptar nosso corpo a situações extremas?

Afinal, mesmo sob forte disciplina e força de vontade em treinamentos físicos, nosso corpo tem limites.

Aguentar mais ou menos calor, mais ou menos pressão, maior ou menor umidade depende não só do condicionamento físico e experiência, mas também da saúde e da genética de cada um.

Mas existem maneiras de ajudar o corpo a se adaptar ao máximo a situações extremas.

CALOR E UMIDADE

Acha bizarro passar uma hora dentro da sauna ingerindo quatro litros de bebidas para que o estômago se acostume a receber líquido sob forte calor, sem vomitar?

Pois essa foi uma parte do treinamento de Mario Lacerda, 55, para a ultramaratona Badwater, prova de 217 km ininterruptos que acontece anualmente no vale da Morte, região da Califórnia que atinge temperaturas próximas dos 55 graus e umidade relativa do ar abaixo de 5%.

“Nessas condições, sob esforço, em 20 minutos você começa a desidratar, o que vai te causar horas seguidas de náuseas. Se o estômago não estiver acostumado a aceitar líquidos, você está fora da prova”, conta Mário.

O principal mecanismo de controle da temperatura do corpo é a evaporação do suor. Por isso, quanto mais quente o ambiente, maior deve ser a preocupação com a hidratação para repor os líquidos perdidos.

“É importante usar roupas adequadas, que facilitem a evaporação do suor, e controlar o percentual de gordura do corpo”, diz o fisiologista esportivo Sérgio dos Reis, do Sportslab. “O tecido adiposo é um péssimo condutor térmico, então o ideal é que o corpo do atleta tenha de 10% a 12% de gordura”, complementa.

Aliada ao calor, a umidade do ar influencia diretamente a regulagem da temperatura corpórea interna. Em ambientes úmidos, como na mata ou em dias chuvosos e abafados, a evaporação do suor fica comprometida, podendo provocar o superaquecimento do atleta. “Ano passado choveu durante a prova e a umidade do ar chegou a 25%. Com isso, a temperatura interna do corpo aumentou cinco graus, gerando um desconforto enorme”, relembra Mário.

Quem quer correr no calorão deve se acostumar com essas condições. “Se você vai correr a Meia Maratona do Rio, o melhor é fazer alguns treinos perto do mar, no horário da prova. Assim, o clima, a pressão atmosférica e a maresia já estarão assimilados pelo seu organismo. E não esqueça o freqüencímetro”, alerta.

No calor, a circulação e a vasodilatação periférica cutânea aumentam para ajudar o corpo a regular a temperatura, e a freqüência cardíaca vai lá pra cima. O monitor cardíaco pode te proteger de um piripaque.

FRIO E ALTITUDE

As expedições rumo aos picos mais altos do mundo combinam dois fatores que pesam sobre o organismo: frio e altitude. A partir dos 2.500 metros, o ar chega a ter 25% menos oxigênio do que estamos acostumados a respirar ao nível do mar.

A pressão diminui e as moléculas de oxigênio se espalham pela atmosfera. Com isso, precisamos respirar mais vezes para absorver um mínimo de oxigênio, causando a hiperventilação, que traz como conseqüências o aumento da freqüência cardíaca e da pressão arterial. Quanto mais alto, mais esses sintomas se intensificam.

+ 6 dicas simples para produzir menos lixo

+ O grande problema dos microplásticos no oceano

+ Literalmente chove microplástico no Ártico, segundo estudo

Infelizmente não é possível treinar para a altitude, somente se aclimatar com uma sucessão de subidas e descidas ao longo do caminho, parando e esperando o corpo se adaptar. Mas a adaptação à altitude é uma característica genética e individual; só lá na montanha dá pra saber se você terá mais ou menos facilidade para se aclimatar. “Mesmo quem sobe bem preparado não tem a garantia de que vai se adaptar”, esclarece o dr. Sérgio.

Para os não-afortunados geneticamente, está reservado o chamado “Mal da Montanha”, com sintomas como fortes dores de cabeça, mal-estar, náuseas e fraqueza. “É uma forma do organismo se preservar”, explica o fisiologista. Quando sentir isso, o montanhista deve ingerir líquidos, evitar esforços e manter uma alimentação rica em carboidratos. Se não melhorar, a única opção é descer.

Superado o período de aclimatação, o bom condicionamento físico volta a fazer diferença na performance em altitude. “A preparação deve focar em um forte condicionamento aeróbico, hipertrofia muscular e um certo acúmulo de gordura, já que para manter a temperatura corporal o organismo queima a reserva de gordura”, ensina Sérgio. O preparo de Paulo Coelho, montanhista de 55 anos com 20 de experiência em expedições acima dos 6 mil metros envolve treinamento físico, acompanhamento fisiológico e ioga, que trabalha a respiração, o autocontrole e a tranqüilidade, essenciais para gastar menos oxigênio e energia.

Não é preciso subir muito para sentir os efeitos da altitude. Acima dos 2 mil metros o rendimento já cai. A partir de 3 mil metros, já pode ocorrer edema pulmonar, e a partir dos 4.500, pode acontecer o edema cerebral, que provoca alucinação, confusão mental, dor de cabeça forte, e até morte. A única alternativa é escutar o corpo e, aos primeiros sintomas, descer.

Em altas montanhas o organismo ainda tem que ser forte o suficiente para suportar as baixas temperaturas. “Para manter-se aquecido, o corpo reduz a circulação periférica, concentrando o sangue no centro do corpo. As extremidades como mãos, pés e nariz ficam com a circulação deficitária”, explica o dr. Sérgio.

Para encarar a friaca, é preciso estar equipado com roupas técnicas e manter-se aquecido e bem alimentado. “Uma vez tive dificuldade para desarmar as varetas da minha barraca e resolvi tirar a luva externa, ficando apenas com a interna para ter maior sensibilidade nas mãos. Quase perdi a ponta dos dedos”, conta Paulo. Hoje ele carrega as varetas armadas ou perde a barraca, mas nunca mais tira as luvas.

PROFUNDIDADE

A apneia é uma forma de treinamento para várias das situações. Foto: Shuittersotck

Até o mais iniciante dos mergulhadores, que desce com seus cilindros a 10 metros de profundidade, já está submetendo suas cavidades de ar a uma pressão para a qual elas não estão preparadas.

“O mergulho mexe com as cavidades de ar do corpo. Ouvidos, pulmões e seios paranasais são fortemente afetados pelo aumento da pressão barométrica”, diz Sérgio. Não há como treinar para isso; é preciso compensar. Sem a compensação, pode haver ruptura do tímpano e saída de líquido do ouvido médio para o ouvido maior, entre outras complicações.

“Um mergulhador precisa ter ouvidos e pulmões saudáveis, ter controle emocional e não ter histórico de patologias como claustrofobia e síndrome do pânico”, explica o doutor.

Karol Meyer, recordista sul-americana em apneia (modalidade de mergulho em que o atleta desce somente com o ar dos pulmões), costuma fazer exercícios para assimilar as condições difíceis debaixo d’água, onde qualquer reação ou resistência representa consumo a mais de energia e oxigênio.

“Faço um trabalho de elasticidade da caixa torácica de duas maneiras: positivo, para transportar mais ar para o pulmão, e negativo, para aceitar a pressão e direcionar mais ar para a compensação”, explica a mergulhadora.

A apneia, aliás, é uma forma de treinamento para várias das situações. “Ela aumenta a hemoglobina no sangue e isso melhora o metabolismo aeróbico”, explica o dr. Sérgio.

*Reportagem publicada por Fernanda Franco originalmente na Go Outside

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias

Russell Bierke, um dos tube...

Depois de se consolidar no topo dos surfistas de ondas grandes que conquistaram a...

Kelly Slater, Kolohe Andino e...

Mesmo com as fronteiras fechadas para o turismo, alguns afortunados, como Kelly Slater, conseguiram...

Alimentos que protegem a pele...

Surfar no verão é sinônimo de altas temperaturas e sol intenso. É, portanto, uma...

WSL lança documentário sobre épica...

O surf em ondas gigantes é certamente um esporte de consequências e nem mesmo...