26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024
26 C
Papeete
quinta-feira, 23 maio, 2024

Chloé Calmon é o Brasil na semi-final do mundial de longboard

A carioca Chloé Calmon, 22 anos, venceu com segurança sua bateria nas quartas de final em Papua Nova Guiné e avança para as semi-finais do Mundial de Longboard feminino da WSL.

Depois de um dia difícil para os atletas brasileiros da categoria masculina que não conseguiram avançar para as quartas de final, Chloé entrou hoje na água com a responsabilidade de ser a única com chance de levar a bandeira do Brasil para o pódio neste Campeonato Mundial.

Em uma bateria que se mostrou difícil no início, com ondas de 3 a 4 pés, Chloé enfrentou a campeã européia a francesa Alice Lemoigne, e alternaram a liderança nos minutos iniciais.

Por conta das fortes chuvas que caíram na noite anterior, a água estava cheia de detritos (cocos, galhos de arvores, etc…) que vieram pelo rio que deságua ao lado da paradisíaca baia onde está localizado o Tupira Surf Lodge.

No meio da bateria de 30 minutos Chloé pegou uma onda muito boa mas sua prancha se chocou com um tronco de arvore que estava boiando, derrubando a atleta brasileira e quase arrancando a quilha da prancha. Foi um momento dramático, quando Chloé voltou para o outside e perdeu minutos preciosos colocando a quilha na posição correta. Mas logo depois foi premiada por uma ótima onda (8,50) que a colocou na liderança que não perdeu mais.

Segundo Chloé, “A cada fase que eu avanço estou ganhando mais confiança. É uma onda para a direita, que favorece as regular footers (Chloé é a única Goofy Footer nas semifinais) mas estou focada e confiante com as minhas pranchas e vou dar o melhor de mim nessa reta final. As 4 semi-finalistas são excelentes surfistas (uma californiana e duas havaianas) mas vou para
cima!”.

Apesar da pouca idade (22 anos) Chloé participa do seu sexto Campeonato Mundial, mostrando uma incrível regularidade, chegando ao pódio nos últimos quatro anos de competição: 3o. lugar em 2014, 3o. lugar em 2015, 2o. lugar em 2016 e agora em 2017 mais uma vez no pódio. Nenhuma atleta do circuito mundial apresentou esta regularidade. Se o longboard também for incluído nas
olimpíadas de 2020 no Japão ( O Surf foi incluído e existe uma pressão para que longboard também entre) Chloé seria uma forte candidata a medalha para o Brasil.

Chloé tem o patrocínio da Roxy, Estacio, Neutrox e GoPro, e conta com o apoio da New Advance Surfboard e Alma Quilhas.

Assista as semi-finais na quinta-feira à noite (horário do Brasil) sexta de manhã horário de Papua pelo site da World Surf League.

Clique aqui para mais informações.

Texto Miguel Calmon

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias