Chloé Calmon está a apenas duas vitórias da medalhas de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima; bronze já é garantido. Final acontece domingo (4)

Por Redação HC, via FMA Notícias

Nossa colunista Chloé Calmon segue fazendo bonito nos Jogos Pan-Americanos de Lima. A atleta do Rio de Janeiro venceu mais uma bateria na categoria longboard, os famosos pranchões, nesta quinta-feira (1º), quarto dia de disputas do surf, em Punta Rocas, Peru,e já tem, pelo menos, a medalha de bronze garantida. Ela superou argentina Maria Gil Boggan, novamente fazendo a melhor performance entre as competidoras.

Das dez melhores notas do evento na long feminina, Chloé acumula seis aparições, sendo duas delas as maiores até agora. Nas médias, o retrospecto é melhor ainda, com as três melhores somatórias. Agora, a brasileira enfrenta a canadense Mathea Demple-Olin, no round 4, no sábado, e repetindo a vitória, disputa o ouro no domingo. “Já garanti o bronze, mas estou mais confiante e motivada do que nunca a seguir em busca do ouro para o Brasil. Um passo de cada vez, mas cada bateria que entro, me sinto mais à vontade com o mar e mais focada”, falou.

“Um sonho trazer essa felicidade para o meu País e para o esporte, em um momento tão histórico para o longboard” – Chloé Calmon

Atual líder do ranking mundial da categoria na World Surf League (WSL) e vindo do bronze no ISA World Championship, na França, a atleta tem a noção do que representa a conquista da medalha no Pan. “Um sonho trazer essa felicidade para o meu País e para o esporte, em um momento tão histórico para o longboard. Vou dar meu melhor em busca disso”, disse Chloé, que além da equipe brasileira, conta com uma torcida mais do que especial em Punta Rocas, seus pais, Miguel e Ana.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Three days in the books 📚 at the @lima2019juegos. Photos: @latinwave.cl #Lima2019 @fernandoaguerre

Uma publicação compartilhada por ISA (@isasurfing) em

BOLINHA SOBRA – Na disputa masculina do longboard, Wenderson Biludo, de São Sebastião, caiu para a repescagem no round 3, ao ser derrotado pelo norte-americano Cole Robins, e volta a competir nesta sexta-feira para alcançar a fase que vale medalhas. Já no stand up paddle (SUP) wave, Luiz Diniz, de Guarujá, passou as duas baterias que disputou nesta quinta-feira na repescagem, “sobrando”, sendo bem superior aos adversários e também está na briga por medalhas.

O atual bicampeão mundial da categoria pela International Surfing Association (ISA) acabou derrotado logo na estreia depois de ter problemas com a sua prancha. Na segunda apresentação do dia, Bolinha, como também é conhecido, deu um show à parte, somando 8,17 e 9,17, para completar 17,34 pontos de 20 possíveis. No SUP wave feminina, Nicole Pacelli, que é de Guarujá e atualmente mora em São Sebastião, teve folga.

SUP RACE – Nesta sexta-feira (2), o quinto dia de disputas começará em Punta Rocas com disputa de medalhas no SUP Race, primeiro com as mulheres e depois com os homens. O Time Brasil terá Lena Ribeiro, de Arraial do Cabo/RJ, Vinnicius Martins, de Búzios/RJ, ambos com chances reais de pódio. A prova feminina está marcada para 9 horas (horário local), 11h no Brasil, e a masculina, às 10h (meio-dia em Brasília). O percurso técnico terá cinco quilômetros, demarcado com boias, com os atletas enfrentando ondas.

“O mar não está fácil, para race então, maior dificuldade, porque quando vem a série, vem fechando tudo, bem grande. É uma prova que tudo pode acontecer até o final, porque o fator onda, fator sorte, vão contar bastante. Estou bem animada, treinei bastante, tanto no Brasil, em mares maiores, vim para cá no início do mês e as dificuldades serão para todos. Vamos com tudo, bem otimista, feliz por estar aqui, participando e vou fazer o meu melhor”, falou Lena.

Veja também:
Sistema de piscina falha, cria onda gigante e deixa 44 feridos na China
Brasileiros são maioria nas fases finais do US Open
Maior do Brasil? Surfistas desbravam “Avalanche”, onda no Espírito Santo