Publicidade:

Challenger Series: Brasileiros avançam às oitavas e seguem fortes nas ondas de Ericeira

As ondas melhoraram na terça-feira em Ribeira D´Ilhas e sete brasileiros avançaram para as oitavas de final do MEO Vissla Pro Ericeira em Portugal. A nova geração mostrou sua força com as vitórias de Samuel Pupo, Mateus Herdy e João Chianca. Os tops da elite, Deivid Silva e Caio Ibelli, também se classificaram, assim como Ian Gouveia e Thiago Camarão. Restaram duas baterias para fechar a segunda fase masculina, que ficaram para abrir a quarta-feira, às 8h00 em Portugal, 4h00 da madrugada no Brasil, ao vivo pelo WorldSurfLeague.com.

Um dos destaques da terça-feira foi o vencedor da última etapa do Circuito Mundial no point break de direitas de Ribeira D´Ilhas, Samuel Pupo.

O campeão do QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira em 2019, ganhou sua bateria com as maiores marcas do Brasil no terceiro dia. Samuca foi consolidando a vitória a cada onda, com um surfe progressivo combinando manobras de borda e usando os aéreos também para liquidar seus adversários. Ele derrotou os australianos Dylan Moffat e Liam O´Brien e o americano Patrick Gudauskas, por 14,90 pontos, somando notas 7,83 e 7,07.

Samuel Pupo conquistou a quarta e última vitória brasileira nas baterias disputadas na terça-feira. A segunda fase do MEO Vissla Pro Ericeira já começou bem, com Deivid Silva e João Chianca ganhando as duas primeiras. O titular da “seleção brasileira da WSL” já está garantido no CT 2022 e é uma das atrações em Portugal. DVD iniciou com nota 7,50 na primeira onda e liderou toda a bateria. O também paulista Marcos Correa competiu junto com ele, mas foi barrado pelo líder do ranking do WSL Challenger Series, o norte-americano Jake Marshall. Em último ficou o australiano Connor O´Leary.

Brasileiros MEO Vissla Pro Ericeira
Mateus Herdy. Foto: Damien Poullenot/ WSL

Deivid só pegou duas ondas nessa bateria por 11,93 pontos, enquanto na seguinte, o atual campeão sul-americano da WSL Latin America, João Chianca, surfou seis para vencer uma disputa acirrada. Ele só garantiu a vitória com as notas 7,30 e 6,07 que conseguiu nas duas últimas ondas. Com 13,37 pontos, superou dois havaianos que já foram tops do CT, Ezekiel Lau com 12,33 e Sebastian Zietz com 12,14. O uruguaio Marco Giorgi também surfou uma onda na casa dos 7 pontos, porém ficou em último com 11,00.

Italo Ferreira – Na quinta bateria da rodada, o campeão mundial e medalhista olímpico, Italo Ferreira, grande atração do MEO Vissla Pro Ericeira, entrou na água para um confronto bem disputado junto com outro brasileiro, Thiago Camarão. No entanto, o americano Nat Young e o francês Charles Martin surfaram as melhores ondas e ganharam as maiores notas.

Italo não se achou no mar e acabou abandonando a bateria há 8 minutos do fim. Camarão seguiu tentando e, no último minuto, conseguiu a nota para se classificar. Na primeira fase, Nat Young fez o recorde de nota (9,00) do WSL Challenger Series 2021 e manteve a invencibilidade com 13,27 pontos. Camarão ganhou a segunda vaga por pouco, 11,67 a 11,40 do francês e Italo Ferreira se despediu do MEO Vissla Pro Ericeira com 10,77 pontos.

Brasileiros MEO Vissla Pro Ericeira
Ian Gouveia. Foto: Damien Poullenot/ WSL

Na disputa seguinte, quem brilhou foi outra promessa da nova geração brasileira, Mateus Herdy. O campeão mundial Pro Junior da WSL em 2018, usou os aéreos para potencializar suas notas e vencer a sexta bateria por 13,93 pontos, somando 7,00 com 6,93. O japonês Hiroto Ohhara conseguiu a maior nota, 7,60, para passar em segundo com 13,47, com ambos eliminando o francês Gatien Delahaye e o norte-americano Cam Richards.

Na disputa seguinte, Ian Gouveia usou a verticalidade do seu backside para liderar toda a bateria, com as notas 6,77 e 7,10 das primeiras ondas que surfou. E foram as únicas. O americano Cole Houshmand começou bem com 7,60, mostrando um backside igualmente agressivo nas direitas de Ribeira D´Ilhas. No final, ele conseguiu 7,03 para vencer por 14,63 a 13,87 pontos do brasileiro. Os dois eliminaram o outro finalista olímpico, Kanoa Igarashi, que perdeu a decisão da medalha de ouro para Italo Ferreira nos Jogos de Tóquio.

Depois da classificação de Ian Gouveia, veio a vitória do defensor do título em Ericeira, Samuel Pupo, quando o evento deu uma parada por cerca de 1 hora, devido a uma neblina muito forte. Quando se dissipou, Ribeira D´Ilhas estava bombando altas ondas e os australianos fizeram os recordes do dia nas duas últimas baterias. Na penúltima, três surfistas ganharam notas na casa dos 8 pontos e Jackson Backer venceu com a maior somatória da terça-feira, 15,80.

Na última, Cooper Chapman surfou uma onda de forma incrível, com muita força e fluidez nas manobras, que arrancaram nota 9,33 dos juízes, novo recorde das duas etapas do WSL Challenger Series 2021. Mesmo assim, o brasileiro Caio Ibelli liderava a disputa com notas 7,50 e 6,83 em duas ondas seguidas, uma delas finalizada com um aéreo perfeito. No entanto, na última onda, o australiano conseguiu um 6,17 para vencer por 15,50 pontos, contra 14,33 do Caio e 14,17 do americano Crosby Colapinto, eliminado junto com Wade Carmichael.

OITAVAS DE FINAL – Os sete brasileiros e o peruano classificados na terça-feira, já vão disputar vagas para as oitavas de final do MEO Vissla Pro Ericeira na terceira fase. Nesta rodada, as baterias mudam de quatro para três surfistas e duas delas terão dois brasileiros. Deivid Silva está sozinho na primeira, com o havaiano Ezekiel Lau e o australiano Jordan Lawler. Na segunda, João Chianca e Lucca Mesinas encaram o líder do ranking, Jake Marshall.

Depois, tem Thiago Camarão e Mateus Herdy juntos na quarta bateria, com o costa-ricense Carlos Muñoz e na sexta estão Samuel Pupo e Ian Gouveia com o australiano Jackson Baker. Caio Ibelli vai disputar as duas últimas vagas para as oitavas de final na última bateria e pode ser até contra mais dois brasileiros. Seus adversários sairão dos dois confrontos que restaram para fechar a segunda fase e irão abrir a quarta-feira em Portugal.

Brasileiros MEO Vissla Pro Ericeira
Samuel Pupo. Foto: Damien Poullenot/ WSL

Um deles será o segundo colocado da 11.a bateria, a do cearense Michael Rodrigues com os australianos Callum Robson e Sheldon Simkus e o surfista de Barbados, Joshua Burke. O outro será o vencedor da 12.a bateria, que poderá ser o Alejo Muniz ou o Jessé Mendes, que vão enfrentar dois surfistas que defendem vagas no G-12 que o WSL Challenger Series classifica para o CT 2022, o americano Michael Dunphy e o havaiano Imaikalani Devault.

Na categoria feminina, três surfistas da América do Sul também já vão disputar classificação para as oitavas de final, na segunda fase do MEO Vissla Pro Ericeira. As brasileiras Silvana Lima e Summer Macedo estão juntas na segunda bateria, com Molly Picklum da Austrália e Leilani McGonagle da Costa Rica. A outra é a peruana Sol Aguirre, que despachou a campeã do US Open of Surfing e vice-líder do ranking do WSL Challenger Series na manhã da terça-feira em Portugal.

A norte-americana Caitlin Simmers até começou bem, com a maior nota da bateria, 6,17. No entanto, o máximo que conseguiu depois foi 3,27 e a peruana somou 5,40 com 4,83 para ganhar a disputa pela segunda vaga por 10,23 a 9,44 pontos. A vitória foi da japonesa Mahina Maeda por 13,27 e a equatoriana Dominic Barona ficou em quarto lugar com 9,03. Sol Aguirre vai disputar as duas últimas vagas para as oitavas de final com outra japonesa, Sara Wakita, e as havaianas Bettylou Sakura Johnson e Luana Coelho Silva.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias