Publicidade:

Britt Merrick, Dane Reynolds e irmãos Gudauskas compram Channel Islands

Em 2006, as pranchas de snowboard Burton adquiriram as pranchas de surfe da Channel Islands do mestre artesão Al Merrick.

No início do 2021, a propriedade da marca retornará à sua origem após a venda fechada pelo filho de Al, Britt, Dane Reynolds, os irmãos Gudauskas e um grupo de funcionários da CI.

+ Confira a última novidade assinada por Dane Reynolds

+ Dane Reynolds, Tanner Gudauskas e Wade Goodall estreiam em nova série

Embora o valor da venda seja desconhecido, circularam rumores de que o preço de compra foi de cerca de US$ 6 milhões e o principal acionista é Britt Merrick, que também atuará como CEO.

“Para minha família e todos nós da Burton, este é um final muito feliz para o capítulo de Burton na história das pranchas de surfe das Channel Islands”, disse Donna Carpenter, viúva do icônico snowboarder e fundador da Burton, Jake Burton.

Jake infelizmente morreu há 12 meses após complicações com câncer. De acordo com fontes internas, Jake foi a força motriz por trás da aquisição da CI devido ao seu amor pelo surf.

Desde sua morte e apesar do melhor desempenho em um ano da CI, Burton queria se concentrar na competência central de Burton no snowboard, em oposição ao surfe.

Relatórios detalham a divisão como sendo amigável com insiders, detalhando que Burton sempre esperou que o negócio acabasse nas mãos dos Merricks.

As fusões e aquisições são complicadas. Existem alguns estudos de caso perfeitos, como a compra do Instagram pelo Facebook, mas, historicamente, 70% a 90% das aquisições não funcionam.

A suposição mais reflexiva para Burton se desfazer da CI seria que a empresa estava perdendo dinheiro.

De acordo com a administração, as Channel Islands estão no meio de seu ano mais lucrativo em mais de uma década.

Assim como estar no jogo de camping, ciclismo e atividades ao ar livre, 2020 foi um ano excelente para os fabricantes de pranchas.

Como no passado, a marca continuará a fazer todas as pranchas localmente, já que não fechou a loja para centralizar toda a produção na Ásia.

O mais interessante dessa aquisição é a inclusão dos surfistas como acionistas.

Vimos vários graus de influência dos surfistas no sucesso das marcas de vestuário.

Com hardware, é mais claro. A validação do surfista é uma marca do sucesso de uma marca e essa mudança é inspiradora. Em breve teremos uma análise detalhada em que os surfistas investiram.

CI também acredita que isso faz parte de seu molho especial. O comunicado de imprensa diz:

“A força motriz por trás do sucesso da marca é grandemente atribuída à sua equipe repleta de estrelas de surfistas que trabalharam em estreita colaboração com eles para criar e construir as melhores pranchas de surf do mundo, projetadas para ajudá-los a ganhar competições e campeonatos mundiais.

Nas últimas quatro décadas, o Channel Islands Surfboards ajudou surfistas como Kelly Slater, Tom Curren, Lisa Anderson, Kim Mearig, Adriano De Souza e Sofia Mulánovich, a ganhar um total combinado de 20 títulos de campeão mundial.

Hoje, surfistas como Dane Reynolds, Lakey Peterson, Mikey February, Parker Coffin, Sage Erickson, Bobby Martinez, os irmãos Gudauskas, Yadin Nicol, Eithan Osborne e muitos outros, continuam a construir esse legado, com outra onda de jovens talentos como Taj Lindblad, Alyssa Spencer e Luke Swanson, logo atrás deles, prontos para ajudar as Ilhas do Canal a entregar coisas ainda maiores nos anos que virão.

Embora haja muita competição por essa posição de topo no mercado de pranchas de surfe, uma pesquisa de leitores conduzida pela australiana Stab no mês passado, chamou as Channel Islands Surfboards como sua marca de pranchas favorita de 2020. Além disso, as Channel Islands estão no meio de um de seus anos mais lucrativos em mais de uma década, graças a designs populares como FishBeard, Happy e Rocket Wide – bem como uma tecnologia flex de próximo nível conhecida como Spine-Tek.

Fonte: Channel Islands / Stab 

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias