25 C
Papeete
domingo, 16 junho, 2024
25 C
Papeete
domingo, 16 junho, 2024

Binho Nunes encerra ciclo de 30 anos como surfista profissional

Binho Nunes anunciou em sua conta do Instagram o fim de seu contrato de 16 anos com a marca Freesurf e sua aposentadoria após 30 anos de carreira profissional. A notícia,  revelada na manhã desta segunda-feira (10 de junho), marca o encerramento de um ciclo importante tanto para Binho quanto para o surf brasileiro.

Binho sempre esteve à frente do seu tempo na maneira de surfar, e foi dos primeiros a voar firme no surf brasileiro. 30 anos depois ele continua decolando com a mesma criatividade. Foto: Arquivo pessoal.

Nascido em Itanhaém, no litoral sul de São Paulo, Fábio “Binho” Nunes começou a surfar aos oito anos de idade. Radicado em Florianópolis, ele é conhecido por sua personalidade forte e por valorizar o surf de alma mais do que o de competição, uma postura que influenciou gerações de surfistas ao redor do mundo. “Foi perrengue desde o começo, mas minha mãe sempre acreditou e nunca podou minhas asas”, contou Binho à Hardcore.

Em sua publicação, ele expressou sua gratidão à Freesurf e aos outros patrocinadores que o apoiaram ao longo de sua trajetória. “Hoje, após 16 anos representando a marca Freesurf, chegamos ao fim da nossa parceria. Muito obrigado por acreditar no meu potencial, nas minhas ideias e na minha visão de surfar profissionalmente para inspirar as pessoas”, escreveu o surfista, que completará 48 anos em uma semana. Ele também agradeceu aos patrocinadores Drop Dead, HD e Billabong, destacando a importância deles em sua longa carreira.

O início da trajetória de Binho no surf foi influenciado por seu avô, um pescador que o ensinou a nadar na sua cidade natal. “Meu vô era pescador e me ensinou a nadar. Com 8 anos um dia ele me disse que eu só não virei peixe porque eu era humano. Eu não saía da água”, relembra Binho à Hardcore.

Além de inovador de manobras, visionário e competidor do CT (Championship Tour), Binho teve a oportunidade de viajar para diversos lugares, sempre em busca das melhores ondas. “Viajei um monte com a Billabong mesmo sem ter grana. Fui pro Peru, México e Havaí”, disse ele. Essas experiências internacionais foram fundamentais para seu desenvolvimento no surf. Binho também era um mestre nos tubos de Pipeline, onde suas habilidades foram amplamente reconhecidas.

+ Surf africano ganha força com novo tour continental

Embora esteja se despedindo de seu patrocinador de doze anos, Binho Nunes garante que o surf continuará fazendo parte de sua vida. “O final de um capítulo é o começo de uma nova jornada”, afirma ele em sua publicação. “Isso faz parte do ciclo natural das coisas. E uma coisa eu sei, enquanto eu tiver forças estarei levando minha alma pra surfar… Pois surfo pra viver e vivo pra surfar, esse é meu lema, e sempre será!”

De fato, não há dúvidas que o surfista continua em grande forma, tanto física quanto tecnicamente. Há algumas semanas, ele pegou um tubo dos sonhos, demonstrando que continua com o surf no pé. Assista abaixo:

Além de surfista, Binho também é shaper, músico e artista plástico, atividades às quais vai continuar se dedicando com paixão. Essas outras facetas de sua vida mostram a amplitude de seu talento e criatividade, características que ele sempre trouxe para o mundo do surf.

Binho Nunes deixa um legado importante para o surf brasileiro. Sua paixão pelo esporte e sua filosofia autêntica inspiraram milhares de pessoas a seguirem seus sonhos e a viverem com mais intensidade. Sua história é um exemplo de que, com dedicação e paixão, é possível alcançar grandes sonhos. A comunidade do surf brasileiro agradece a Binho por tudo o que ele fez pelo esporte e deseja-lhe muito sucesso em sua nova jornada.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias