Etapa de Teahupo’o começa no próximo dia 21. Confira as baterias e entenda o que muda com a fixação dos 4 primeiros do seeding

Por Redação HC

A etapa de Teahupo’o marca oficialmente o início da metade final do Circuito Mundial da WSL. O período também é conhecido por ser quando o atual campeão da etapa e do circuito, Gabriel Medina, começa o seu sprint que termina infalivelmente — até agora — no top 3. Às vezes em primeiro, às vezes não, mas, desde 2014, sempre no top 3.

Em 2019, o Tahiti Pro também marca um novo momento no circuito: o grupo de “cabeças de chave” do seeding não será mais alterado. Este grupo consiste no atual top 4: Kolohe Andino, Filipe Toledo, Italo Ferreira e Kanoa Igarashi — John John Florence é o terceiro colocado do ranking, mas não compete mais nesta temporada.

O seeding consiste num ranking parcial feito dos resultados das últimas seis etapas. Ou seja, neste momento, ele é idêntico ao próprio ranking do CT. É um bom momento para entender como funciona a escalação das baterias no round 1 (e no restante do campeonato também, mas já fica um pouco mais complexo).

O que acontece é que, a partir desta etapa, mesmo que Jordy Smith, por exemplo, que é o atual 5º no seeding, chegue na etapa de Portugal na liderança do Circuito, ele não será um cabeça de chave. O mesmo vale para Gabriel Medina.

Na fases de mata, o seeding funciona cruzando as pontas — mais fraco contra o mais forte, segundo mais fraco contra o segundo mais forte e assim vai. Isso significa que, por não poderem mais entrar no top 4 do seeding, caras como Smith e Medina têm mais chances maiores de enfrentar adversários mais bem ranqueados nas fases iniciais dos campeonatos.

Uma mudança sutil e talvez imperceptível para quem não acompanhar com o olhar muito atento. De qualquer forma, será interessante acompanhar o funcionamento da nova regra.

Uma coisa que segue muito pouco interessante, entretanto, é o round 1 (e o round 2 também). Algum dos favoritos vai ficar em terceiro e correr perigo na repescagem? Quem?

Tahiti Pro Teahupo’o – primeira rodada

1. Gabriel Medina, Peterson Crisanto, Soli Bailey
2. Jordy Smith, Adrian Buchan, Jadson André
3. Kanoa Igarashi, Caio Ibelli, Adriano de Souza
4. Italo Ferreira, Sebastian Zietz, convidado
5. Filipe Toledo, Joan Duru, convidado
6. Kolohe Andino, Yago Dora, convidado
7. Kelly Slater, Deivid Silva, Frederico Morais
8. Ryan Callinan, Willian Cardoso, Ricardo Christie
9. Julian Wilson, Michael Rodrigues, Ezekiel Lau
10. Michel Bourez, Jeremy Flores, Griffin Colapinto
11. Owen Wright, Wade Carmichael, Jesse Mendes
12. Conner Coffin, Seth Moniz, Jack Freestone

Veja também:
Sistema de piscina falha, cria onda gigante e deixa 44 feridos na China
Três minutos de free-surf com Gabriel Medina em Maresias
Chloé Calmon garante medalha para o surf do Brasil no Pan