26 C
Papeete
sábado, 20 julho, 2024
26 C
Papeete
sábado, 20 julho, 2024

Após sumiço de suas 11 pranchas, Slater competiu em J-Bay com prancha de surf shop

Vocês lembram de Kelly Slater no Open J-Bay? Ou melhor, lembram de vê-lo com uma prancha completamente branca sob os braços?

Pois Kelly Slater competiu no Open J-Bay com uma prancha que ele pegou do rack de uma loja de surf de J-Bay e a história é a seguinte:

Slater, que se ausentou das etapas do circuito mundial em El Salvador e no Brasil alegando lesão grave, chegou um dia antes do Open J-Bay começar.

“Meu procedimento de chegada não foi exatamente perfeito,” disse ele com uma risada, depois de vencer sua bateria eliminatória contra Barron Mamiya, segundo contou a revista australiana Stab.

Enfim, Slater está no Tour há três décadas e tem dezenas de pranchas espalhadas pelo mundo. Ele também tem sua própria empresa de pranchas de surf, a Slater Designs, desde 2016.

Como resultado, muitas vezes ele surfa com uma dessas pranchas fiéis que ele guarda na casa de alguém, esperando pelas condições exatas para escolher determinado modelo.

No entanto, o que aconteceu no Open J-Bay, foi diferente e inesperado.

Quando está em J-Bay, segundo escreveu em matéria a Stab, Slater normalmente se hospeda na casa de Brandon Krezner – um empresário que fundou e/ou investiu em tudo, desde fábricas de surf, restaurantes, hotéis, marcas e muito mais. Seu atual negócio chama-se Koodoo Global, que se descreve como uma plataforma de crowdfunding de capital para impacto social.

Ao chegar na casa de Krezner, entretanto, Slater percebeu que as pranchas que ele havia guardado por lá – 11 Slater Designs personalizadas, feitas por Dan Mann e Wade Tokoro – não estavam lá.

De acordo com uma fonte confiável, Krezner tem muitos “curiosos” que espreitam em sua casa. Presume-se que uma dessas pessoas, ou talvez 11 delas, ou quantas tenham sido, tomaram liberdade de emprestar as pranchas.

Mas e aí?

Então, Slater precisou agir rápido e sob improviso. Na primeira rodada do Open J-Bay, ele surfou com uma prancha que ele usou nos recentes swells na Indonésia (vídeo acima). Enfim, J-Bay não é Temples, e Slater perdeu para Miguel Pupo e Connor O’Leary.

Com ondas maiores esperadas para Jeffrey’s, Slater precisou de outra estratégia com pranchas e foi então que ele pegou o modelo FRK, da Slater Designs, da loja de surf Country Feeling em J-Bay. Com essa prancha, ele venceu Barron Mamiya na rodada eliminatória.

Em sua entrevista pós-bateria, ele disse a Peter Mel o seguinte:

“A prancha com a qual surfei hoje é a prancha que uso há anos, só que um pouco maior. Conheço muito bem essa prancha. Não é a prancha perfeita para essas ondas do jeito que estão, mas funciona bem o suficiente para fazer algumas cavadas e pegar tubos.”

Com a mesma prancha, Kelly acabou perdendo para Jack Robinson na terceira rodada.

Mas e quanto àquelas 11 pranchas?

“Eles estavam na casa de um amigo e esquecemos aonde elas foram parar”, disse Kelly à Stab.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias