27 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024
27 C
Papeete
domingo, 21 julho, 2024

Alargamento da faixa de areia de Balneário Camboriú vira assunto na internet

Iniciadas em março deste ano, as obras de alargamento da faixa de areia de Balneário Camboriú têm dado o que falar e viraram assunto em todo país após fotos aéreas mostrando um trecho já aterrado, com areia bem mais escura do que o padrão anterior habitual, terem viralizado na Internet.

Nos mais de 350 metros onde a empreitada já avançou, na praia central da cidade, é possível ver que a orla ficou mais escura.

No entanto, de acordo com reportagem de NSC Total, o fenômeno já era esperado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, e foi anunciado previamente pela prefeitura – antes mesmo do início das obras.

Leia também:

+ 4 brasileiros na inédita final do CT da WSL; entenda o formato

+ Bells Beach registra o maior swell dos últimos 50 anos

+ Inglaterra declara guerra a bodyboards fabricados na China

Segundo as autoridades municipais, a areia fica escura porque é captada no fundo do mar, e chega molhada à orla. Na beira da praia, o maquinário compacta o material para completar o aterro, formando um “tapete” de areia úmida, e aparência da areia deve permanecer assim até que ela seja totalmente seca.

Maria Heloísa Lenzi, secretária de Meio Ambiente de Balneário Camboriú, diz que a areia da jazida, que fica a 15 quilômetros da praia, é um pouco mais clara do que a areia “original” da Praia Central. Isso significa que, depois de seca, a faixa de areia tende a ficar mais clara do que antes.

Mas, por enquanto, é cedo para dizer se toda a faixa de areia terá secado completamente até a temporada de verão, quando as obras serão concluídas.

Arranha-céus e polêmica

Obras tem como objetivo devolver à cidade um espaço ocupado pelos arranha-céus à beira-mar. Foto: Renato da Silva, Porto Belo Drone

As obras de alargamento da faixa de areia de Balneário Camboriú, cujo contrato é de R$ 66,8 milhões, foram iniciadas em março deste ano.

O projeto prevê aumento de 25 metros de largura para 70 metros até outubro, conforme a previsão da gestão local e, assim, permitir que a luz do sol brilhe na orla da praia, hoje totalmente encoberta pela sombra dos arranha-céus.

Contudo, muitos internautas questionaram o impacto ambiental do “engordamento” da praia – e criticaram o modelo de ocupação de Balneário Camboriú, com arranha-céus que fazem sombra à beira-mar.

O projeto de alargamento foi pago por um grupo de empresários da construção civil, e doado à prefeitura. As obras serão pagas por meio de operações consorciadas – negociações em que a construção civil paga ao município para aumentar o potencial construtivo dos terrenos.

A prefeitura afirma que a principal razão para o alargamento é recompor a faixa de areia ao que havia na orla décadas atrás, faixa que hoje é ocupada pelas enormes construções à beira-mar.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente informou que acompanha de perto o processo e que todas as licenças ambientais solicitadas foram entregues e aprovadas antes do início das obras. No entanto, especialistas veem com ressalvas a obra, alegando que projetos de dragagem e alargamento de praias, como no caso da orla da cidade catarinense, podem apresentar uma série de riscos imprevisíveis para a fauna e flora local, além de mudaram a dinâmica das marés e praias a quilômetros distância, o que, invariavelmente, terá influência na formação das ondas.

 

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias