26 C
Papeete
segunda-feira, 27 maio, 2024
26 C
Papeete
segunda-feira, 27 maio, 2024

8 mulheres surfistas que revolucionaram a comunidade do surf

Com exceções, a história do surf vem sendo contada sobretudo por homens, o que de certa forma deixou muitas mulheres surfistas icônicas “apagadas” ao longo do curso da história.

Fato que essa dívida histórica, aos poucos, é revertida. E, claro, muitas mulheres (e homens) exerceram o papel fundamental de trazer à tona personagens fundamentais do surf feminino.

Dos anos 1960 até os dias de hoje, muita coisa mudou em prol de reparação histórica para as mulheres.

LEIA: Sexismo no surf: dropando a Rainha em mar revolto

Mas sabemos que a estrada é longa ante a reforma do alicerce social para condições equiparadas entre homens e mulheres e uma das maneiras de trabalhar por esse propósito, é reverberar as histórias protagonizadas pelas mulheres.

Portanto, você conhece a seguir estas mulheres surfistas extraordinariamente formidáveis. Que quebraram paradigmas; enfrentaram o status quo dominante e assim contribuíram para mudanças significativas na história do surf feminino, e da mulher na comunidade do surf, conduzindo suas trajetórias com coragem, audácia, astúcia, presença, originalidade e talento. Confira.

Margot Rittscher

Margot

De Nova Iorque para Santos, SP, aos 15 anos de idade, Margot foi uma das primeiras surfistas do Brasil. Apaixonada pelo mar, surfou pela primeira vez com uma prancha de madeira construída pelo seu irmão Thomas, na Praia do Gonzaga, Baixada Santista. Segundo os registros históricos, Margot surfou até os anos 1960.


Princesa Ka’iulani

kaiulani

A última princesa havaiana conquistava a todos com sua inteligência e energia. Sem essa desafiadora princesa havaiana, talvez nem houvesse surf.

Durante a integração do Havaí aos Estados Unidos, Ka’iulani lutou pela preservação da história e hábitos do seu povo. Afinal, os missionários americanos proibiram qualquer forma de manifestação cultural havaiana no arquipélago, e a princesa pegou sua Alaia e foi surfar como forma de protesto. Em seguida, teve de esconder muito bem sua prancha. Até hoje, sua garra e audácia são admiradas pelo povo havaiano e a princesa é amplamente cultuada pelo povo.

Margo Oberg

margo oberg
margo oberg

Considerada a primeira surfista profissional, Margo Oberg começou a competir a partir de 1975, quando iniciaram as competições profissionais. Com sua construção ágil e linhas longas e fluídas, Oberg ultrapassou os limites do surf à medida que a indústria ostentava pranchas mais desafiadoras, curtas e manobráveis durante a revolução das pranchinhas.


Rell Sunn

Rell Sunn em Haleiwa. Foto: Jeff Divine

Seu nome do meio – Kapolioka’ehukai – significa “coração do mar” em havaiano.

Freqüentemente chamada de “Rainha de Makaha”, Rell era a quintessência da mulher aquática, destacando-se em todos os esportes aquáticos, incluindo surf, bodysurfing, caça submarina e canoagem em águas abertas.

No início dos anos 70, Rell foi fundamental para estabelecer a Women’s Professional Surfing Association e fundar o torneio de surf profissional feminino, no qual ela terminou em terceiro lugar no ranking de final de ano entre as mulheres surfistas profissionais.

Em uma cultura onde a proficiência na água é amplamente respeitada e os salva-vidas quase deificados, em 1977 Rell foi homenageada por ser nomeada a primeira mulher salva-vidas do Havaí.

Rell Sunn faleceu em 2 de janeiro de 1998, após batalha de 15 anos contra o câncer de mama – quando o médico lhe deu o veredicto da doença, disse que com sorte ela viveria apenas por mais um ano.

Sunn encarou a vida com paixão e escolheu viver cada dia seu como se fosse o último, emanando o verdadeiro espírito Aloha por onde passasse.

Lisa Andersen

 

Uma pioneira entre as mulheres surfistas, a norte-americana revolucionou o surf feminino acumulando mais de 30 troféus da National Scholastic Surfing Association em menos de um ano e conquistando quatro títulos de campeã mundial de 1994 a 1997.

Em 1995, Andersen fez história ao se tornar a primeira mulher a aparecer na capa da Surfer Magazine (com a frase “Lisa Andersen surfa melhor que você” estampada na capa), que também a classificou como uma das “25 Surfistas Mais Influentes de Todos os Tempos”.

A Sports Illustrated também a classificou como uma das “Top Atletas Femininas do Século XX”. ” Freqüentemente competindo contra homens (e vencendo-os), Andersen levou o esporte a um nível totalmente novo.

Antes de Andersen entrar em cena, não havia shorts femininos ou protetores de pele, nem quase nenhuma roupa de neoprene para mulheres. Andersen também é creditada pela criação de um mercado para equipamentos de surf feminino.

Sarah Gerhardt

Sarah Gerhardt não é uma surfista profissional, mas dispensa apresentações entre os surfistas de ondas grandes.

No final de fevereiro de 1999, Sarah se tornou a primeira mulher a surfar Mavericks. Foi um marco para as mulheres surfando em ondas grandes e no geral. Criada em San Luis Obispo, ela cresceu confortável em água fria, e quando se mudou para North Shore de Oahu, em meados da década de 1990, o lendário das ondas grandes, Ken Bradshaw, abriu um novo mundo para ela ao apresentá-la aos line ups do North Shore.

Depois de se estabelecer em Santa Cruz em 1997 com seu marido, Mike, ela voltou seus olhos para o epicentro das ondas grandes da Califórnia: o local escuro, frio e assustador conhecido como Mavericks. Gerhardt imediatamente se apaixonou pela onda e pelas pessoas que a surfam.

Por que o surf de ondas grandes? Em uma reportagem à Outside online, ela respondeu:

“Existe o componente social. Eu tive muita energia negativa dos homens. Eu recebi um monte de reclamações, como “Você é uma garota, você não pode surfar.” Quando fui para ondas cada vez maiores, todos aqueles homens pessimistas estavam na praia chutando terra e eu poderia deixá-los para trás.

Eu poderia deixar tudo na praia. Eu poderia deixar a vida louca, a pobreza, a doença; todas as minhas preocupações. Surfar ondas grandes requer muita atenção e muito foco. Realmente meio que destila a vida até sua essência experiencial e apenas por aqueles breves momentos no tempo – talvez uma hora, ou talvez dez segundos em uma onda – foi exatamente o tipo de coisa que me libertou, para que eu pudesse voltar para a praia e enfrentar a vida.”

Lynne Boyer

Lynne Boyer. Foto: Jeff Divine

Haleiwa, Havaí, 1981. Boyer, duas vezes campeã mundial e um estilo inovador especialmente em ondas grandes: ela executaria várias manobras em vez de grandes curvas de poder.

 

Frieda Zamba

Huntington Beach, CA, 1984. Foto: Jeff Divine

Natural da Flórida, Zamba ganhou quatro títulos mundiais. Ela preparou o terreno para uma série de mulheres fortes e confiantes e foi um elo fundamental na cadeia que conectou a paixão da Costa Leste norte-americana ao seu poder competitivo emergente.

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias