Publicidade:

mundial ondas grandes

Nelscott era um lugar isolado até ser descoberto como pico de ondas grandes. Desde então faz seis anos que o Big Wave World Tour passa por lá. Porém, 2010 foi o primeiro ano que o campeonato foi realizado na remada e também com a categoria feminina. E já que tivemos mulheres nas bombas, primeiro as damas. A categoria delas teve apenas três competidoras, Keala Kennelly, Mercedes Maidana e Savannah Shaughnessey. Logo no começo da bateria de uma hora, Keala dropou uma morra e logo sagrou-se a primeira mulher a surfar Nelscott. Depois dela, Savannah tomou um belo wipeout, mas já estava definida a vencedora. “Agora que sei [que sou a primeira mulher a surfar no pico], isso fica muito mais especial. Eu quero dedicar isto ao Andy Irons, que era como um irmão pra mim”, disse a vencedora durante a cerimônia de premiação. Agora os homens. Um dia antes da final das moças, depois de uma manhã de espera, os organizadores entraram em acordo com os competidores e o campeonato caiu na água. O beach break estava fora de controle devido às ondas de mais de 40 pés que fechavam o canal, e demorou quase uma hora para os competidores entrarem na água. A situação era tensa. Ainda na semifinal nossos representantes foram eliminados, Carlos Burle na primeira bateria e Marcos Monteiro na segunda (o terceiro brazuca que compareceu no evento, Danilo Couto, havia sido eliminado na primeira fase). A final masculina foi então composta por seis big-riders: Peter Mel, Jamie Sterling, Rusty Long, Kealii Mamala, Chris Bertish e Kohl Christensen. Somente com seis caras dentro d’água, eles estavam no paraíso e quem se deu bem foi Kohl, que pegou as melhores ondas e acabou levando esta etapa. Em segundo ficou Chris Bertish e terceiro Jamie Sterling, que com essa colocação continua sólido na pliderança do Jim Beam Bourbon Big Wave World Tour, 800 pontos à frente do segundo colocado, Kohl. Agora começa o período de espera da próxima etapa, que rola em Mavericks.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias