Publicidade:

autópsia de andy

O laborátório responsável pela autópsia de Andy Irons revelou que uma overdose de remédios pode ter sido a causa do óbito. De acordo com o site Tarrant County Medical Examiner’s Office, a substância em questão seria a metadona (medicamento usado na Austrália para tratar dependentes de heroína), que tem efeitos similares aos da morfina. Segundo o laboratório, o frasco de um remédio que contém o ingrediente foi encontrado ao lado do corpo de Irons, no quarto de hotel em Dallas onde ele morreu. O surfista tinha sido diagnosticado com dengue, e o combate às dores causadas pela doença seria a razão do uso exagerado do medicamento. O Honolulu Star-Advertiser publicou em seu portal que os examinadores também encontraram uma caixa de zolpidem com metadona dentro, além de outros medicamentos. Zolpidem é usado normalmente para insônia. Já o jornal aussie The Sydney Morning Herald comentou que Andy abandonou o evento de Porto Rico para ser consultado pelo seu médico no Hawaii. Andy ficou tomando soro por dois dias em Miami e chegou vomitando em Dallas, motivo pelo qual não pôde voltar para a casa. Confira o tributo que a ASP (Association of Surfing Professionals) fez para Andy Irons. Clique aqui. Fontes Uol, Honolulu Star-Advertiser e The Sydney Morning Herald. ATUALIZADO EM 04/11 – às 22h20 Abaixo, segue a descrição da cena (traduzida) feita pelos policiais do aeroporto internacional de Dallas. Eles contam passo a passo como encontraram o corpo de Andy Irons. Neste documento não há menção da existência de metadona no quarto do tricampeão mundial. Fonte tmz.com Terça feira, 2/11, 9h43: A polícia foi chamada ao Grand Hyatt Hotel na terça feira, 2 de novembro, às 9h43, por conta de uma pessoa inconsciente. Ao chegarem, falaram com dois funcionários do hotel, que afirmaram ter ido até o quarto, pois o hóspede não havia atendido a uma chamada para acordar. Por não ouvirem resposta ao bater na porta, os dois entraram no quarto e encontraram o hóspede morto. Uma investigação foi conduzida no local por DFW Airport EMS, CID, um detetive de Cena do Crime e o Tarrant County Medical Examiners Office. O corpo foi tirado do local e será transportado ao Tarrant County Medical Examiners Office para determinação da causa da morte. O paramédico Gonzalez conduziu um exame apressado do Sr. Irons e determinou que já havia rigidez cadavérica. Os paramédicos requereram que um representante do Tarrant County Medical Examiners Office fosse enviado à cena. Detetives CID Sgt. Woodward e Det. Bollong chegaram e conduziram uma investigação da cena. Duas drogas de prescrição (alprazolam e Zolpidem) foram encontradas no quarto. A investigação mostrou que Sr. Irons chegou em DFW no dia 1/11 às 6h30 de Miami, no voo #495 da American Airlines. Ele fez o check in no Grand Hyatt às 8h47.  A investigação também mostrou que a última vez que a chave do quarto do Sr. Irons foi usada foi às 8h59 do mesmo dia. Officer Goodson conduziu uma investigação da cena do crime e preparará um depoimento da Cena do Crime. O detetive Larry Steffler, do Tarrant County Examiners Office chegou e conduziu uma investigação. O detetive Steffler examinou o corpo e não pôde determinar a causa da morte. O corpo foi transportado a Wilburn Lawson e D. Williams of Lawson, Inc. no Medical Examiners Office, que têm um contrato com o Medical Examiners Office para remover os corpos. Os objetos de uso pessoal e medicações do Sr. Irons foram levados ao Tarrant County Medical Examiners Office. O quarto #324 foi devolvido ao Grand Hyatt Hotel. Depoimentos voluntários foram recolhidos do Sr. Isacc e Srta. Montero e acompanharão este relato. No dia 2/11, aproximadamente às 10h24, eu (CSI Goodson) respondi à chamada do officer P. Herring na Cena do Crime, no Grand Hyatt. Ao chegar, encontrei o officer Herring no quarto #324. Ele afirmou que os funcionários do hotel descobriram uma pessoa morta durante uma verificação do quarto, após o hóspede não atender a uma chamada. Eu assumi controle da cena e mandei o Officer Herring ficar na entrada do quarto e registrar os nomes de todos que entraram antes e depois de chegarmos. A observação do quarto revelou que não havia nenhum pessoal da polícia e EMS dentro. Notei um recipiente prescritivo de Alprazolam (Xanex) datando 26/10/10 na mesa principal e um recipiente prescritivo de Ambien datando 26/10/10 no criado-mudo. Também vi um recipiente vazio de água de Avion no chão próximo ao criado-mudo. Outros objetos no quarto eram uma mochila preta, duas camisetas, uma calça, meias e sapatos, um casaco cinza, um iPod com fone de ouvido, a chave do quarto, latas de refrigerante vazias e uma embalagem vazia do chocolate Reeses peanut butter cup. Na cama, havia um homem deitado de costas com o lençol cobrindo até o pescoço. Os cobertores e travesseiros estavam organizados e nada parecia fora do comum. Busquei algum sinal de entrada forçada nas portas e fechaduras, mas não encontrei nada. Não pude notar nenhum sinal de grandes esforços no resto do quarto. Encontrei uma carteira na mochila e descobri uma carteira de motorista havaiana pertencendo a Philip Andrew Irons, homem, nascido no dia 24/07/78. A foto na carteira de motorista se parecia com a pessoa na cama. Também encontrei alguns cartões de crédito e dinheiro na carteira. Usando uma Canon 50D, fotografei toda a cena, incluindo o corpo e o frigobar. O examinador de Tarrant County, Larry Steffler, chegou na cena às 10h51. O sr. Steffler observou a cena e mandou removerem o corpo. Enquanto o corpo era removido da cama, fotografei o lado e as costas do corpo. O sr. Steffler coletou os pertences pessoais da vítima e os levou consigo. O registro fotográfico e um disco CD-R contendo as fotos foram embalados e entregues como evidência. Clique aqui para ler a versão original.

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias