Publicidade:

REPERCUSSÃO NA INDO

Por Matias Lovro Um terremoto de 7,6 graus na escala Richter causou um tsunami ­que varreu vilarejos locais e surf camps na região das Ilhas Mentawai, nesta segunda-feira. O epicentro do tremor ocorreu 149 km ao sul de Padang, a 14,2 km de profundidade. Pelo menos 113 pessoas já morreram e mais de 500 estão desaparecidas. Veja aqui o que a mídia internacional divulgou sobre o desastre. SurfAid International – Relato diretamente de Macaronis “O gerente de projetos da SurfAid nas Mentawai, Tom Plummer, que está em Padang, acredita que o sul das ilhas Mentawai deve estar destruído. Ele enviou um relato diretamente da tripulação do barco charter D’Bora: ‘Direto do D’Bora. Terça-feira, 26 de outubro. O terremoto aconteceu às 21h42 da segunda-feira por aqui. Produziu uma onda de três metros que varreu a Baía de Macaronis, onde os barcos Midas e Freedom 3 estavam ancorados. Midas foi atingido por Freedom e pegou fogo. Toda a tripulação pulou na água. Os hóspedes do Midas estão bem, apesar de alguns arranhões e inalação de fumaça. Eles foram arrastados mata adentro e demoraram mais de uma hora para retornar à praia, onde foram recolhidos por outro barco, o D’Bora. O guia de surf do D’Bora, Joey Melroy, disse que havia destroços do resort de Macaronis flutuando por todos os lados. Não há informações sobre o vilarejo de Silabu, por ainda estar escuro.’” “Mais informações do gerente de projetos nas Mentawai, Alan Rogerson: ‘O tsunami já seguiu pela costa leste de Sipora e os vilarejos de Bosua e Gobik foram atingidos. Há gente desaparecida e mais relatórios de dano podem ser esperados das outras comunidades entre Pagai do Sul e Sipora. A SurfAid International enviará uma equipe de emergência de Padang e está lidando com a situação junto da equipe de gerenciamento de desastres local. O resort de Macaronis sofreu danos extensos, mas não há ninguém desaparecido. A capital das Ilhas Mentawai, Tua Pajet, não foi afetada pelo terremoto e tsunami.’” World Surfaris – Relato do choque entre barcos “Informação recente – 15h44, 26 de outubro. Recebemos mais informações do cozinheiro do Freedom 3, Chris Love. O Freedom 3 estava ancorado próximo ao epicentro do terremoto e colidiu com outra embarcação (Midas) na Baía de Macaronis. ‘Mais ou menos às 22h (meia hora depois do terremoto) ontem, o Freedom 3 estava ancorado a uns 100m do Midas. A água da baía esvaziou (não completamente) e então uma espuma de pelo menos 3 metros atingiu o Freedom, quebrando sua âncora e empurrando-o baía abaixo. O Midas fora atingido pela mesma onda e ambos barcos perderam o controle, sendo levados em direção à praia (a aprox. 200m). O Midas, na frente, já estava encalhado quando o Freedom colidiu com a popa do Midas e, ao invés de encalhar na praia, quase subiu em cima do barco. O capitão do Freedom entrou em ação e rapidamente ligou o motor, levando-o à parte mais funda da água, longe da praia. Enquanto isso, o Midas pegou fogo e, dentro de cinco minutos, estava completamente em chamas. Milagrosamente, todos os passageiros e tripulação do Midas escaparam. Ninguém se machucou, mas o Midas continua encalhado e incendiado.’” Surftravel CO – Turistas estão seguros “Todos os turistas hospedados no [Macaronis Resort], que incluíam dois brasileiros e o staff do resort estão bem, já a caminho de Padang a bordo do barco Tengiri. O hotel foi danificado pela onda gigante e está sem comunicação por tempo indeterminado.” “Barcos Aileoita, Tengiri, D’Bora e Southern Cross, OK, retornando ao porto. Resorts Surfing Village e Wave Park, OK, sem danos e todos bem.” A HARDCORE contatou Ricardo Borghi e Sebastian Imizcoz, fotógrafos oficiais do Surfing Village e do barco Aileoita, respectivamente. Borghi afirmou não ter sentido quaisquer tremores ou mudanças de maré, enquanto Imizcoz, que estava navegando, disse ter sentido as ondas, mas, sem saber da ocorrência do tsunami, pensou que era apenas uma ondulação se aproximando. PerthNow.com.au – Barco com nove australianos foi encontrado “Os nove australianos que estavam fora de contato após o tsunami na Indonésia foram encontrados e estão bem. O chefe da agência de desastres da Sumatra disse que os homens, que estavam no barco charter Southern Cross, nunca estiveram desaparecidos, apenas fora de contato.” Reuters – Tragédia em vilarejo local “A maioria das construções no vilarejo costeiro de Betu Monga foi destruída, afirmou Hardimansyah, um funcionário do Departamento de Pesca regional. ‘Das 200 pessoas vivendo nesse vilarejo, apenas 40 foram encontradas e 160 ainda estão desaparecidas, em sua maioria mulheres e crianças. Temos pessoas enviando relatos de que não conseguiram segurar seus filhos, que foram levados pela água. Muita gente está chorando.’” SurfersVillage.com – Tempo ruim impede resgate “As operações de busca e resgate estão sendo seriamente prejudicadas pelo tempo. A chuva forte está impedindo helicópteros de acessar a área e barcos não conseguem alcançar as ilhas, pois o porto na ilha de Pagai do Sul foi completamente destruído. Não existe um sistema de aviso de tsunamis instalado nas Mentawai. Os primeiros relatos sobre a ocorrência ou não de tsunami estavam confusos. O Centro de Avisos de Tsunami no Pacífico divulgou um alerta de um tsunami local – a cerca de 100 km do epicentro do terremoto. Mais tarde, avisou que um ‘tsunami significante’ havia sido gerado mas que o perigo havia diminuído, retirando o alerta do ar.” NY Daily News – Pânico em Sumatra “A imprensa local informou que o terremoto causou pânico na capital da Sumatra do Norte, Medan, assim como em outras cidades da província. A eletricidade de Medan foi cortada. Pessoas em algumas cidades ao longo da costa sudeste de Sumatra, em Sinabang, na ilha de Simulue e em Gunung Sitoli, na ilha de Nias, correram às ruas e se alojaram em lugares altos, segundo relatos.” ANEL DE FOGO Por Luiz Michelini A Indonésia encontra-se em uma região do globo terrestre apelidada de “Ring of Fire” (Anel de Fogo). Este tal anel engloba países como Chile, Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá e Japão. Circundando todo o Oceano Pacífico, está área é rodeada por 75% dos vulcões do mundo e falhas geológicas (como o encontro de algumas placas tectônicas), por isso sua instabilidade sísmica. O NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), órgão americano de monitoramento climático e atmosférico dos oceanos, possui uma vertente chamada Pacific Tsunami Warning Center (Centro de Alerta de Tsunamis no Pacífico), que monitora através de bóias marítimas o tamanho, direção e velocidade das ondas. É este monitoramento em tempo real que faz com que sejam emitidos alertas de evacuação ou não da população de ilhas e regiões costeiras. No caso das Mentawai, o epicentro do terremoto aconteceu no Oceano Índico, mas assim mesmo dois boletins foram enviados ao governo indonésio após o abalo sísmico. O primeiro trazia um alerta de que existia a possibilidade de um tsunami atingir locais próximos, até no máximo 100 quilômetros. Menos de uma hora depois outro alerta foi enviado avisando que as ondas tinham diminuído ou acabado e que, se em duas horas nada acontecesse, as autoridades poderiam assegurar que a ameaça fora embora. Houve somente um pequeno aviso de cuidado para as embarcações que estivessem navegando, isso devido às fortes correntes que podiam ocorrer. “Como condições locais podem causar variações no tamanho onda do tsunami e em sua ação, as decisões devem ser feitas pelas autoridades locais. Este será o último boletim feito pelo Centro de Alerta de Tsunamis no Pacífico para esta situação, a não ser que informações adicionais estejam disponíveis”, finalizou o CATP. Leia mais sobre o acontecimento na Indonésia Macarronis antes e depois do Tsunami http://www.youtube.com/watch?v=FKu48dMUzN8 Fonte: News.com.au

Receba nossas Notícias no seu Email

+Notícias