25.2 C
Hale‘iwa
quarta-feira, 17 abril, 2024
25.2 C
Hale‘iwa
quarta-feira, 17 abril, 2024

Brasileiros na repescagem em J-Bay

Por Felipe Fernandes

O J-Bay Open, sexta etapa do WCT na temporada, começou nesta sexta-feira nas longas direitas de Jeffreys Bay, na África do Sul. Com destaque para o 11x campeão mundial Kelly Slater, autor da melhor performance da primeira fase, o dia de abertura não foi bom para os brasileiros. O Brasil fechou o Round 1 sem nenhuma vitória, e os nove representantes terão uma nova chance na repescagem. 

As ondas amanheceram com boas condições, não dos sonhos, mas alinhadas e sem vento. No meio da manhã o maral começo a soprar e piorou progressivamente a qualidade até o término da primeira fase. 

Ainda sob o sol do início da manhã, os brasileiros Miguel Pupo e Alejo Muniz caíram diante de Julian Wilson na segunda bateria do dia. O australiano liderou do início ao fim, depois de colocar pressão no começo com 7.33. Com cinco minutos para o final, Alejo ainda conseguiu a melhor nota da bateria (8 pontos), mas sem um backup de qualidade, terminou precisando de 5.93. Miguel Pupo errou muito e não conseguiu desenhar suas linhas em J-Bay, terminou somando 5.60. 

Duas baterias mais tarde, o brasileiro vice-líder, Filipe Toledo, teve uma performance apagada e acabou derrotado pelo wildcard Dane Reynolds, na bateria que também contou com o australiano Adam Melling. Filipinho apostou nas séries, mas as maiores ondas corriam muito rápido na bancada. Dane fez o certo ao dedicar-se as ondas do inside e conseguiu conectar ótimas seções para avançar com 13.33, contra 7.00 de Melling e 5.33 de Filipinho. 

A quinta bateria do dia foi decidida pela experiência. O duelo reuniu o catarinense Tomas Hermes, o local convidado Michael February e o tricampeão mundial Mick Fanning. Dono de três título em Jeffreys, Mick foi paciente no outside e usou seu conhecimento para encontrar as melhores paredes e vencer com boa vantagem em relação aos adversários. 

LÍDER É SURPREENDIDO 

Na bateria seguinte, parecia que o Brasil teria seu primeiro representante no Round 3, mais uma reviravolta no final mudou tudo. Atual líder do ranking, Adriano de Souza começou melhor que os adversário e construiu um bom somatório com 6.57 e 6.67. Dono de 6.10, o californiano Kolohe aproveitou uma onda do inside “liberada” por Mineiro, que tinha a prioridade mas preferiu não usá-la, e com dez segundos para o fim, completou outro aéreo e boas manobras para ser bem avaliado pelo juízes com 7.93, nota que lhe garantiu a vitória e a vaga direto na terceira fase. 


Uma das maoires esperanças do Brasil em J-Bay, Adriano de Souza leva virada nos últimos segundos. Foto: WSL

KELLY SLATER CONFIANTE

O 11x campeão mundial Kelly Slater parece confiante do seu surf e voltou a dar seus shows. Com uma performance sólida, o Careca deu o troco no australiano Matt Wilkinson, que o eliminou em 2014. Com as melhores notas do dia, 8.87 e 8.17, esta segunda sendo igualada por Fanning, Slater não deu chances do seu algoz e ao irlandês Glenn Hall, que terminou a bateria com 5.40.

Questionado se a derrota para Wilko ainda estava na sua cabeça, Kelly mostrou que sua competitividade continua à flor da pele ao responder: "Eu acho que sim", e completar dizendo que passou bastante tempo observando o mar antes da bateria. Kelly ainda afirmou que sua prancha está funcionando muito bem naquelas condições e que está confiante no seu surf. 

 
Kelly Slater anota a melhor somatória da abertura do J-Bay Open. Foto: WSL

No nono confronto, foi a vez de Wiggolly Dantas amargar a lanterna na bateria vencida por Adrian Buchan, com Nat Young na segunda colocação. Com o maral soprando forte, Guigui teve dificuldade para encontrar as ondas boas. O ubatubense conseguiu desferir ótimas manobras e mostrou que está com o backside em dia, mas as ondas não ajudaram e Guigui terminou com 8.87, contra 12.60 de Ace. 

No duelo seguinte, o havaiano Freddy Patacchia despachou os potiguares Jadson André e Italo Ferreira para a repescagem. Italo não conseguiu se encontrar e a briga ficou entre Jadson e Fred. O brasileiro abriu com a melhor nota da bateria (7.83), mas viu Fred pular na frente com 7.57 e 7.33. Precisando de 7.07, Jadson lutou até os últimos minutos, mas conseguiu apenas um 6.77. 

OLÉ NO FANTASY

Gabriel Medina encerrou a participação brasileira na última disputa da primeira fase, contra o rookie Keanu Asing e o veterano Joel Parkinson. Até os melhores palpiteiros levaram uma rasteira nesta bateria. Enfrentando dois campeões mundiais, quem levou a melhor foi o havaiano Keanu, que mesmo sem impressionar, conseguiu uma vitória sobre Parko e Medina. 

Além de Parko, outros favoritos e ex-campeões como Jordy Smith, Taj Burrow e Owen Wright também perderam na estreia e disputam a repescagem quando o evento for retomado. 

PREVISÃO E CHAMDA

Os gráficos apontam que o dia deve começar com vento maral em Jeffreys Bay, mas ele perde força durante o dia e existe a possibilidade do evento seguir com o segundo round na parte da tarde. 

Uma nova chamada acontece neste sábado, às 2h30 da madrugada. Fique ligado!

Confira abaixo os resultados da primeira fase e a disputas da repescagem (Round 2)

Receba nossas Notícias no seu Email

Últimas Notícias